Relatos de violência sexual crescem 123% no primeiro semestre de 2016

 Em comparação ao mesmo período do ano passado, o Ligue 180 teve aumento de 147% nos relatos de estupro.

Relatos de violência sexual crescem 123% no primeiro semestre de 2016

 No primeiro semestre de 2016, o Ligue 180, serviço gratuito e confidencial que recebe denúncias de violência e orienta mulheres sobre seus direitos e sobre a legislação vigente, recebeu 67.962 relatos de violência, sendo 4,3% relatos de violência sexual.

A violência sexual não está relacionada apenas ao estupro. No primeiro semestre deste ano, foram relatados 291 casos de exploração sexual e 173 relatos de assédio sexual no trabalho.

Em comparação ao mesmo período do ano passado, o Ligue 180 teve aumento de 147% nos relatos de estupro,  uma média de 13 relatos por dia e, em relação à exploração sexual, houve aumento de 28% . A média foi de 48 registros por mês.

“São as ações no dia a dia, que muitas vezes praticamos sem perceber, que fomentam a violência sexual, doméstica e até mesmo o feminicídio. Essas ações explicam, por exemplo, o resultado de pesquisas como a que considera a mulher culpada pelo estupro que sofre. É isso que precisamos combater”, explicou a secretária de Políticas Especiais para as Mulheres,  Fátima Pelaes.

Apoio à vítima

De acordo com a SPM, a mulher que sofre violência sexual pode optar por procurar delegacias comuns ou especializadas, mas, de maneira geral, o primeiro atendimento é feito pelo sistema de saúde.

A equipe de profissionais de saúde, capacitados para atender as vítimas de estupro, não pode exigir da mulher o Boletim de Ocorrência para realizar o atendimento. Nesse tipo de agressão, a vítima pode se dirigir diretamente ao hospital para passar pelos procedimentos e evitar doenças.

No hospital, a mulher deve procurar o atendimento de urgência, pelo qual vai receber apoio psicológico e contraceptivos de emergência para prevenção de gravidez.

São administrados, também, medicamentos para a prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis, como a Aids. A vítima também passa por exames médicos para diagnosticar outros vestígios de agressão, além da coleta do sêmen do agressor para investigação criminal.

Com o consentimento da mulher e após registro do Boletim de Ocorrência, o material coletado passará a compor o conjunto de provas criminais. A Lei 12.845 de 2013 torna obrigatório o atendimento  gratuito às vítimas de violência sexual por todos os hospitais que integram a rede do Sistema Único de Saúde (SUS).

Infográfico violência sexual

Fonte original: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde e da Secretaria de Políticas para as Mulheres

Fonte:  EcoDebate

Você precisa estar logado para postar um comentário Login