Relatório detalhado sobre a situação humanitária na Faixa de Gaza

Apresentamos um relatório detalhado sobre a situação humanitária na Faixa de Gaza, que trata de dados e informações sobre diversos setores e serviços, revelando a magnitude do sofrimento e do desastre humanitário que o setor sofreu e continua, refletindo a necessidade urgente de tomar medidas sérias e rápidas para evitar o colapso.

Mais de 2 milhões de habitantes de Gaza (incluindo 1,3 milhão de refugiados palestinos) vivem em uma situação trágica como resultado do cerco imposto pelas forças de ocupação israelenses por onze anos, causando efeitos horríveis em todos os aspectos da vida, e todos indicadores indicam que estão a beira do desastre se a situação continuar como está.

Ao que agrava ainda mais a situação são as recentes medidas punitivas tomadas pelo Presidente Abbas contra a Faixa de Gaza, para reduzir os salários dos funcionários e o encaminhamento de muitos empregados para a aposentadoria forçada e parar os gastos em setores vitais na Faixa de Gaza como a saúde, a educação, o setor elétrico e os municípios, bem como a ameaça de sanções ainda mais severas, que poderiam levar a um desastre humanitário, que tornaria a vida impossível.

Status social:

56,6% da população da Faixa de Gaza sofre de insegurança alimentar e quase metade da população ativa está desempregada (43,9% taxa de desemprego). Em resultado deste desemprego, mais de 80% da população da Faixa de Gaza vive abaixo do linha da pobreza, Os moradores de Gaza recebem ajuda alimentar mensal do governo ou da UNRWA.

Cerca de 400.000 cidadãos foram negados benefícios de previdência social, estimados em US $ 9 milhões por mês para pobreza extrema, que ainda não foram resolvidos, apesar do fato de que este pagamento foi devido em março de 2018 devido às recentes medidas de punição realizadas por Abbas e seu governo.

As medidas punitivas tomadas pelo governo dos Estados Unidos contra a Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina – UNRWA, causaram uma redução de muitos serviços vitais, especialmente nos setores de saúde, educação e emprego, deixando efeitos negativos para milhares de famílias de Palestinos.

Status de saúde:

Levando em conta a diminuição dos recursos, setores vitais têm sido afetados, como o acesso à água potável, alimentos, tratamento de esgoto e outros, situação que tem gerado ambientes favoráveis à disseminação de doenças, onde os efeitos do bloqueio exacerbaram. A destruição da infra-estrutura e das instalações médicas, o bloqueio e as proibições dos pacientes de deixar Gaza e a escassez de medicamentos e instrumentos médicos, implicou uma forte punição aos pacientes e seu direito à assistência médica. Deve-se notar que 56% dos casos em que o tratamento é necessário no exterior, esses pacientes não são autorizados a viajar, especialmente pacientes com câncer, cuja proporção em número aumentou significativamente na Faixa de Gaza, devido à guerras levadas a cabo por Israel, onde armas internacionalmente proibidas foram usadas.

A porcentagem de anemia entre as crianças foi de cerca de 70% e entre as gestantes 40%, 56% dos pacientes que precisavam de tratamento no exterior foram proibidos de viajar sob o pretexto de barreiras de segurança. A taxa de déficit é de 30% dos insumos básicos, incluindo o consumo das operações e emergências e 49% dos exames laboratoriais.

Como resultado, muitos serviços de saúde foram suspensos, o mais recente deles foi a cessação de todas as operações não emergenciais que, desde o início de abril, resultaram em 4.000 operações atrasadas, o setor da saúde exacerbou a situação de pobreza extrema, a deterioração do setor de saúde não governamental, o declínio dos serviços de saúde da UNRWA. Fora do país, na ausência dos trabalhadores da saúde, trabalhadores do direito ao salário e instabilidade de emprego, o que ameaça a capacidade do setor de saúde com base em uma estrutura frágil.

 Passagens de fronteira e liberdade de movimento

Passagem de Rafah: Em relação aos cruzamentos de fronteira, a principal travessia de passageiros entre Gaza e o mundo exterior é a passagem de Rafah, e durante o ano de 2017 a travessia não foi aberta. Exceto em casos excepcionais e por um período de 36 dias dos 365 dias do ano, registrando apenas 17.000 passageiros. Como referência, 2,4 milhões de passageiros por ano viajam pelo cruzamento de Al Karama entre a Cisjordânia e a Jordânia. Os moradores de Gaza foram impedidos de realizar a Umrah (peregrinação religiosa a Meca) nos últimos quatro anos.

Beit Hanoun: Mais de 85% dos cidadãos da Faixa de Gaza não podem viajar por essa travessia devido às restrições de “segurança” que Israel impõe aos moradores da Faixa de Gaza. Durante o último ano de 2017, apenas 10.000 viagens foram registradas através do cruzamento de Beit Hanoun, 50% dos passageiros eram viajantes frequentes.

Há muitas restrições nas passagens de Rafah e Beit Hanoun, especialmente quando se trata de viajantes com menos de 40 anos.

Setor de Serviços e Infraestrutura:

Eletricidade:

As medidas punitivas realizadas agravaram a crise de energia elétrica a níveis sem precedentes. O fornecimento diário de energia não excede 4 horas. O dano da falta de energia não apenas acentua o sofrimento da população devido à falta de eletricidade, mas também implica sérios danos ambientais, onde a falta de eletricidade torna impossível o tratamento de efluentes, forçando serem descartados no mar sem tratamento. As estações de tratamento trabalham apenas com 20% de capacidade, com o consequente desastre ambiental. Soma-se a isso a acentuada deterioração da produção, a conservação dos alimentos e o grave aumento do desemprego devido ao fechamento de muitas indústrias. Hospitais e centros de saúde foram severamente afetados porque sua capacidade de fornecer serviços diminuiu devido aos freqüentes cortes de energia.

Água e Saneamento:

As medidas punitivas tomadas contra a Faixa de Gaza levaram a uma redução de 30% na taxa de tratamento de águas residuais devido à falta de combustível para sua operação. Por sua vez, a renda dos municípios da Faixa, tem sérios déficits porque a população empobrecida não pode pagar pelos serviços municipais. Apenas 18% das casas em Gaza estão conectadas à rede pública de esgoto, onde mais de 108 milhões de litros de esgoto são descarregados diariamente no mar, devido à falta de eletricidade.

No consumo de água, todos os poços de Gaza contêm águas impróprias para consumo humano. O abastecimento de água potável é realizado apenas uma vez a cada 4 dias por um período de 6 a 8 horas. As usinas de purificação de água funcionam apenas com 15% de sua capacidade devido à falta de eletricidade.

Setor econômico:

As medidas punitivas implicaram uma queda acentuada das importações através do posto fronteiriço de Karm Abu Salem, (o principal lugar para a entrada de produtos). As importações para o mês de abril de 2018 foram 38% inferiores ao mesmo mês de 2017 e 11,5% inferiores às registradas em março deste ano.

44.000 funcionários foram impedidos de receber seus salários e 18.000 foram forçados a se aposentar. 40.000 funcionários do Ministério das Finanças de Gaza cobraram apenas 40% de seus salários

O desemprego subiu de 41,7% no início de 2017 para 43,9% em março de 2018, o que significa que 28 mil cidadãos perderam suas fontes de emprego e a consequente diminuição do consumo.

Os julgamentos e demandas por questões econômicas aumentaram 14,9% entre janeiro de 2017 e março de 2018. Cheques protestados ou não pagos aumentaram de 6% em 2014 para 11% em 2017, com uma soma de 30 milhões de dólares.

Setor de educação:

 A situação desastrosa em Gaza forçou 39% dos estudantes de ensino superior a não poder pagar pelas suas universidades. Quanto aos professores, 9.400 só conseguiram obter do Ministério da Fazenda de Gaza apenas 40% de seus salários nos últimos 4 anos. Por outro lado, aqueles que recebem seus salários dos escritórios de Ramalla só conseguiram coletar 70% de seus salários nos últimos 12 meses, o que gerou uma grave deterioração no processo educacional e na qualidade do ensino.

Senhores, estas são as figuras e a realidade obtida de fontes oficiais. É urgente tomar medidas efetivas para evitar um desastre humanitário em Gaza que implicará conseqüências políticas, sociais e de segurança difíceis de controlar. Possível rebelião e falta de controle podem afetar a região.

Todo esforço foi feito para garantir as necessidades básicas da população através da realização da reconciliação nacional, e através de um trabalho permanente e sistemático para garantir as necessidades das pessoas, no entanto, a brutalidade do bloqueio e o fracasso da reconciliação , onde se esperava que o governo palestino cumprisse suas obrigações e responsabilidades em relação a Gaza, apenas aumentaram o sofrimento das pessoas para níveis nunca antes vistos.

Todas as convenções internacionais e a declaração universal dos direitos humanos forçam o poder militar da ocupação a cumprir sua obrigação para com a população sob ocupação, algo de que Israel sistematicamente e permanentemente evita.

Espera-se que um maior conhecimento do que está acontecendo em Gaza hoje ajude a gerar pressão para minimizar os efeitos desse desastre humanitário.

1 COMENTÁRIO

  1. Jesus amado , os palestinos é um pessoal muito sofrido ,e ninguém procura ajudar o oriente médio hoje é um caldeirão do inferno cadê a ONU que é só para países Ricos = o nosso Brasil com essa roubalheira toda ainda é céu perto deste países , e não estou incluindo aqui a África que é outra desgraça sobre Humanidade – só Jesus na Causa ???????

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.