Região Sul consome 23% dos agrotóxicos do país; Paraná só perde para SP e MT

Entre 2007 e 2013, região teve aumento significativo do uso de veneno por área plantada; Curitiba é o quinto município com mais intoxicações no Brasil.

agrotoxicos-sulPor Inês Castilho.

A região Sul passa por um claro processo de intensificação da agricultura, com subnotificação de casos de intoxicação por agrotóxicos. Registra o maior número de casos do país entre 2007 a 2011, mas os números mantêm-se estáveis entre 2011 e 2013, período em que há aumento exponencial do uso de veneno por área plantada.

Os três estados aparecem na parte de cima da tabela de consumo de agrotóxicos no país. Paraná é o terceiro colocado, atrás somente de São Paulo e Mato Grosso. O Rio Grande do Sul não fica muito atrás: chegou ao quinto lugar em 2013, ultrapassando Goiás. Santa Catarina, na 11ª posição.

A série “O Brasil dos Agrotóxicos” faz uma abordagem regional do problema no Brasil, a partir de dados do Ministério da Saúde. O primeiro texto – com dados do Brasil e da região Sudeste – foi publicado na segunda-feira (31/10): “Intoxicações por agrotóxico quadruplicam no Sudeste; donas de casa estão entre principais vítimas“.

A região Sul consumiu 23% do total de agrotóxicos comercializados no Brasil em 2013. Mais da metade foi consumida no Paraná (158 mil das 285 mil toneladas comercializadas na região) nas culturas de soja, milho, trigo, arroz , e fumo – esta, a que mais utiliza veneno. O estado é o maior fornecedor de fumo do país e tem expressiva participação na pecuária nacional.

Os dados são do relatório nacional 2016 do programa de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos, do Ministério da Saúde, que traz a incidência de intoxicações por agrotóxicos e dados da comercialização de veneno por área plantada no Brasil entre 2007 e 2013. O ministério alerta para a subnotificação de casos, que invisibiliza a gravidade de um problema de saúde pública.

Fábrica de agrotóxicos ocupada no RS, em 2015 (Foto: MST)
Fábrica de agrotóxicos ocupada no RS, em 2015. Foto: MST

CONSUMIDORES E FABRICANTES

O Paraná intensificou significativamente a agricultura entre 2011 e 2013. Nesse período, a área plantada manteve-se praticamente a mesma (de 9,9 milhões de hectares a 10,6 milhões/ha), mas o consumo de agrotóxicos saltou de 112 mil toneladas para 158 mil toneladas, numa curva de 11,35 kg/ha para 15 kg/ha. Paradoxalmente, o número de casos de intoxicação por agrotóxicos recuou no período, de 15,30 para 13,21 casos por 100 mil habitantes, num caso flagrante de subnotificação.

Curitiba, Londrina e Cascavel estão entre os municípios com maior número de intoxicações por agrotóxicos no Brasil. Ocupam, respectivamente, a 6ª, 11ª e a 21ª posições. Cascavel e Londrina estão entre os principais municípios produtores do estado.

No Rio Grande do Sul, quase dobrou a comercialização de agrotóxicos entre 2007 e 2013, de 61 mil toneladas a 104 mil toneladas, para um aumento bem menos significativo da área plantada, de 8 milhões de hectares para 8,8 milhões/ha, com o uso de 11 kg de veneno por hectare em 2013. Apesar desses números, a incidência de intoxicações no período passou de 0,65 em 2007 para 1,42 casos por 100 mil habitantes em 2013. Predominam no território as culturas de soja, milho, arroz e trigo.

Leia mais: Intoxicações por agrotóxico quadruplicam no Sudeste; donas de casa estão entre principais vítimas.

Paraná e Rio Grande do Sul possuem 76 das 272 fábricas de agrotóxicos do país. Com 36 e 30 fábricas, perdem somente para São Paulo, que tem 98.

Em Santa Catarina, fenômeno semelhante ao do Rio Grande do Sul. O volume de agrotóxicos quase dobrou no período, passando de 12,3 mil toneladas para 22,3 mil toneladas, enquanto a área plantada recuou de 1,8 milhão de hectares para 1,6 milhão/ha – o que resultou em duas vezes mais consumo de agrotóxicos por área plantada (de 6,94 kg/ha para 13,96 kg/ha). As principais culturas produzidas no estado são milho, soja, arroz, fumo e feijão.

A incidência de intoxicações nos três estados poderia ser maior, segundo o Ministério da Saúde, não houvesse subnotificação. Ainda assim, a pasta enumera alguns pontos positivos na região, em meio ao aumento de agrotóxicos por área plantada, entre eles as iniciativas de fortalecimento da agricultura familiar e da agroecologia, como o Programa Paraná Agroecológico.

Fonte: De Olho Nos Ruralistas.

Você precisa estar logado para postar um comentário Login