Reformas e greve geral são desafios à desanimada equipe de Michel Temer

Publicado em: 24/04/2017 às 09:27
O Planalto terá uma série de testes nos próximos dias: votação das reformas, greve geral, Lava Jato e as repercussões do depoimento de Lula ao juiz Moro. Foto: Sérgio Lima/PODER 360
O Planalto terá uma série de testes nos próximos dias: votação das reformas, greve geral, Lava Jato e as repercussões do depoimento de Lula ao juiz Moro. Foto: Sérgio Lima/PODER 360

Por Luís Costa Pinto.

ESTA É UMA SEMANA DE 10 DIAS

Arrefeceram o ânimo, o arrivismo e a pró-atividade dos principais conselheiros de Michel Temer. O desânimo já contaminou, também, o próprio Temer. Na última semana um deles mandou às favas quaisquer cerimônias e deixou aflorar os pruridos da consciência. Perguntou ao inquilino do Palácio do Jaburu se ele estava à vontade no cargo e se o caminho trilhado para chegar ao poder, via impeachment, havia sido mesmo a melhor opção para o grupo político que articulou a deposição de Dilma Rousseff.

Não se ouviu uma resposta direta na sala, e isso espantou o interlocutor de Temer. Ato contínuo, a conversa tergiversou para a necessidade de aprovação “das reformas” que tramitam no Congresso. A Trabalhista e a da Previdência. O conselheiro insistiu e quis saber se havia respostas para uma sequência de perguntas metralhadas mais ou menos assim: “Aprovar reformas para quê? Para quem? Essa agenda é nossa? E se ela for entregue agora, do jeito que a mídia quer, do jeito que o mercado quer, o que acontece?” Novo silêncio, nova mudança de rumo no papo.

As concessões feitas à base governista, cada vez mais esgarçada na Câmara e totalmente dispersa no Senado, reduziram o texto da reforma da previdência (que é tíbio e medroso ao não mexer em privilégios centrais de militares das Forças Armadas, do Poder Judiciário, de policiais civis e militares nos estados, entre outros) a 57% do impacto financeiro que inicialmente se imaginava. O cálculo é do núcleo de acompanhamento econômico do Banco Itaú. Dentro da equipe do Ministério da Fazenda, onde sorrisos plásticos mal disfarçam a impaciência com a lassidão das negociações políticas, o prognóstico é menos danoso –estima-se que o substitutivo do deputado Arthur Maia é ainda 70% da proposta original.

Nos dias em que os auxiliares de Temer, ministros e técnicos, ainda andavam pelo Palácio do Planalto deslocando ar à medida que avançavam os passos, falava-se numa reforma “definitiva” da Previdência Social. Agora, admite-se que o conjunto de mudanças, caso seja aprovado do jeito que está (e não será, porque o Senado mexerá nelas), assegura uma sobrevida do sistema previdenciário por mais 10 ou 12 anos sem novas reformas. Muito barulho por tão pouco num cenário de legitimidade escassa dos parlamentares e da equipe palaciana.

A reforma trabalhista, que pode ser votada na 4ª feira (26.abr.2017) diretamente no plenário da Câmara, deverá funcionar como um primeiro catalisador de insatisfações difusas na sociedade. Até aqui, como as quase 300 alterações que o relator Rogério Marinho propõe na Consolidação das Leis do Trabalho ficaram em segundo plano na cobertura jornalística, embaçadas pela Lava Jato e pela Reforma da Previdência, a desinformação garantiu o avanço da pauta. Mas no dia em o plenário recepcionar o projeto haverá intensa mobilização de sindicatos em Brasília –e eles parecem ter renascido das cinzas a que se haviam transformado no curso da guerra do impeachment.

A chacina de agricultores em Colniza (Mato Grosso) ampliou para 17 o número de sem-terras assassinados só em 2017 e catapultou o MST de volta para o centro das mobilizações populares. Há corpos estendidos na mata –e quando há corpos há bandeiras. Os segmentos mais populares da Igreja Católica, desde sempre identificados com o MST, voltaram a dialogar com alas mais conservadoras e urbanas do clero que estão mobilizadas para o combate à Reforma da Previdência. É possível que na 4ª feira (26.abr), sindicatos e movimentos rurais, recebendo apoio de setores da CNBB e de um movimento cada vez mais capilar na sociedade –o dos sem-teto– organize na Esplanada dos Ministérios, diante do Congresso Nacional, uma “solenidade popular” de vigília para a greve geral agendada para a 6ª feira (28.abr).

A greve geral convocada para o dia 28 recebeu apoio decidido de professores de escolas particulares do Rio de Janeiro e de São Paulo. Certamente os sindicatos de professores de escolas privadas de outras capitais como Belo Horizonte, Brasília, Recife, Salvador, Fortaleza e Porto Alegre adiram –numa solidariedade impactante para a classe média que não ocorria desde os anos 1980. Metroviários, motoristas de ônibus e diversos outros setores da sociedade– em algumas cidades, comerciários –estão intensa e silenciosamente mobilizados e devem parar 6ª feira. Se a greve furar o duro bloqueio que há na mídia tradicional, também ela mobilizada numa espécie de “ordem unida” para evitar chamar atenção para a convocação de paralisações, a crise política que é agravada e agravante, ao mesmo tempo, da crise econômica, ganha de vez novo ingrediente: a rua.

Além de tudo isso, haverá ainda movimentações processuais dentro dos inquéritos da Lava Jato e, do ponto e vista palaciano, a mais constrangedora delas é o pedido de informações feito pelo ministro Luiz Edson Fachin para que o procurador-geral Rodrigo Janot explique por que não pediu investigações em torno da figura e Michel Temer. Janot, que ainda embala o sonho de uma nova recondução ao comando da Procuradoria Geral da República, terá de explicar com todas as letras e sem tergiversações esses porquês. Tudo se passa em dias que tendem a se agravar com a busca, já pública, de novo nome para o Ministério da Justiça: Osmar Serraglio, investigado na Operação Carne Fraca, mimetizou o nome da espetaculosa ação deflagrada para desbaratar uma quadrilha de vendedores de facilidades a frigoríficos e é ele mesmo um pedaço fraco de carne vagando qual zumbi pelos corredores ministeriais. O Planalto analisa currículos para a cadeira de Serraglio, que vagará.

A semana que começa hoje (24.abr) será a mais longa desse grupo –não necessariamente a melhor. Ela não se encerrará nem mesmo no 1º de maio, quando sindicalistas voltam às ruas para fazer cobranças e protestos na data quase universal do Dia do Trabalho. A agonia só terá fim, com roteiro ainda incerto, depois do depoimento do ex-presidente Lula em Curitiba diante do juiz Sérgio Moro. A oitiva está agendada para a tarde de 3 de maio. Ou será o epílogo de uma quadra sensível para Temer e seu governo, ou se está escrevendo o prólogo de novos e insondáveis capítulos da República.

Fonte: Poder 360.

Deixe uma resposta