Reforma do Ensino Médio é a  privatização da escola pública

Por Sérgio Homrich.

A Reforma do Ensino Médio, transformada na Lei 13.415/2017 pelo governo Temer, não passa de uma enganação para privatizar o ensino público. A afirmação é da professora da rede pública estadual de Santa Catarina e secretária de formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Marta Vanelli. Ela esteve em Jaraguá do Sul na noite de terça-feira (dia 12 de junho) , no auditório do STIVestuário, a convite do Sinte Regional, para explicar aos professores estaduais da região o que está por trás da reforma do ensino médio e quais as conseqüências para os estudantes e professores.

Na avaliação da professora Marta Vanelli, o que está em jogo é o futuro dos jovens, que terão um ensino restrito apenas às disciplinas de Português e Matemática, tornando optativas as matérias de conhecimentos gerais, como História e Geografia, e da área de Humanas, como Filosofia, Artes e Sociologia. “É preciso revogar a Reforma do Ensino Médio e impedir a aprovação da proposta da BNCC- Base Nacional Comum Curricular – que tem como objetivo formar mão de obra barata para atender ao mercado, muito diferente da ideia de formação global que constrói sujeitos e cidadãos”, adverte a professora.

Marta Vanelli explica que a proposta da Reforma foi construída por especialistas muito bem pagos, mas sem nenhuma experiência em sala de aula. Entre os aspectos dessa reforma, a professora cita o aumento da carga horária de 2.400 para 4.200 horas, sendo que parte dessas horas pode ser cumprida com trabalho voluntário na comunidade; a inclusão de área técnica profissional, que vai diminuir a pressão por vagas nas universidades públicas porque o jovem já vai sair do ensino médio direto para o mercado de trabalho, sendo que essas disciplinas técnicas podem ser oferecidas pela iniciativa privada, mas com dinheiro público; a educação pode ser a distância, o que é uma contradição com o projeto de escola em tempo integral, previsto nessa Reforma.

Marta Vanelli lembra que, até então, “tínhamos 13 disciplinas com conteúdos diferentes, que ajudavam a formar nossos jovens, a fazê-lo pensar”. Agora, “o governo quer apenas que o jovem tenha um curso técnico, aprenda uma profissão para o mercado de trabalho e não um estudante que tenha capacidade de refletir sobre a realidade brasileira e os fatos que acontecem no país. O governo quer desmontar o nosso ensino médio, ao pensar sob a lógica do mercado e da Educação enquanto mercadoria”. Atualmente, a reforma do Ensino Médio vem sendo implantada de forma piloto em 30 escolas estaduais de Santa Catarina. “Queremos uma escola em tempo integral, mas com condições de atuação e todas as disciplinas que forneçam capacidade de formação crítica para os nossos jovens”, reforça Marta Vanelli.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.