Reajuste de 16% a procuradores da República ultrapassa teto constitucional

36184793645_0669d0a1e5_z
Proposta orçamentária foi acordada entre Rodrigo Janot e Raquel Dodge / Antonio Cruz/Agência Brasil

Em um contexto de cortes em gastos estatais, o Conselho Superior do Ministério Público Federal, instância máxima de deliberação do órgão, aprovou reajuste salarial de 16,75% para os membros da carreira. A proposta orçamentária elaborada pela instituição deve ainda ser aprovada pelo Congresso Nacional. Caso isso ocorra, os vencimentos de procuradores da República irão ultrapassar o teto constitucional para o funcionalismo público.

O reajuste não constava na proposta orçamentária originalmente desenhada por Rodrigo Janot, atual procurador-geral da República. A medida foi incluída após sugestão de subprocuradores-gerais e com o aval de Raquel Dodge, sucessora de Janot no cargo.

O reajuste, aprovado por unanimidade dos conselheiros, custará R$ 116 milhões em 2018. Para caber na verba prevista para o MPF no próximo ano, serão necessários cortes em outras áreas da instituição. O subprocurador-geral Carlos Frederico chegou a propor que nenhum corte em verbas de manutenção de unidades do órgão fosse autorizado para que a realocação ocorresse, mas Dodge se opôs. A posição do Conselho é de que não haverá limites por área para que os cortes aconteçam.

No total, um orçamento de R$ 3,8 bilhões para o MPF foi aprovado. A proposta segue para apreciação do Ministério do Planejamento, que a enviará ao Congresso.

Limite

Atualmente, o salário médio de um procurador da República é de R$ 28.947,55. Caso o aumento de 16,7% seja aprovado, chegaria a R$ 33.781,79. A cifra é maior que os salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), teto para o funcionalismo público estabelecido na Constituição.

Se o salário dos integrantes do STF não sofrer alterações, o aumento para o MPF deverá ser considerado inconstitucional.

Comparativo

Em relação a outros países, o Brasil tem um alto custo para a manutenção do Ministério Público – incluindo também as promotorias estaduais – em comparação ao seu Produto Interno Bruto (PIB). O país empenha o equivalente a 0,32% de toda riqueza gerada no custeio dessas instituições. A título exemplificativo, a Espanha gasta 0,02%.

Em comparações internas, o salário atual de procuradores – R$ 28.947,55 – equivale a 30 salários mínimos. Em relação ao piso do magistério na educação básica, os vencimentos iniciais do MPF são 12 vezes maior. Pensando na remuneração de um cargo que exige o mesmo nível de titulação acadêmica, a de professor auxiliar de universidade federal (R$ 3117,22), os membro do Ministério Público Federal ganham o equivalente a 9 vezes tal montante.

O valor equivale a 15 vezes ao salário médio nacional em 2016, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, no patamar de R$ 1.853.

Extras

Os valores totais recebidos por procuradores, entretanto, já ultrapassam atualmente o teto constitucional, através de verbas “indenizatórias”, não sujeitas ao limite. Cerca de 30% da folha de pagamento do MPF se refere a esses valores, de acordo com levantamento do Valor Econômico. Em alguns casos, o montante recebido quadruplicam o valor do salário.

Recentemente, por exemplo, a carreira passou a receber auxílio-moradia no valor de R$ 4.377. Somado ao auxílio alimentação, a quantia chega a R$ 5.261.

Além dos referidos acima, ainda há possibilidade de receber auxílio-natalidade, mudança, abono pecuniário, auxílio pré-escolar e conversão de licença-prêmio em pecúnia.

A reportagem enviou questionamentos às assessorias de imprensa da Procuradoria-Geral da República e da Associação Nacional dos Procuradores da República, mas não obteve retorno até o fechamento desta matéria.

 

Edição: Luiz Felipe Albuquerque.

Fonte: Brasil de Fato.

1 COMENTÁRIO

  1. Infelizmente esses sujeitos(procuradores, juízes, desembargadores e etc*), são na minha opinião, um bando de analfabetos sociais. Vivem em uma bolha. Nunca entraram em uma favela com a “bala comendo”. Não fazem a menor ideia do que é viver com um salário mínimo em um lugar sem esgoto encanado, sem iluminação adequada, sem segurança, sem transporte, sem educação, ou seja, sem o básico. Simplesmente não conhecem a realidade do Brasil. Pois uma coisa é ver na TV, outra é conhecer esse universo que é paralelo a eles. Um sujeito desse olha o noticiário na TV e diz: “Poxa vida, deve ser difícil mesmo ser pobre no Brasil, heim.” e a vida que segue.

    Se essas criaturas quando jovens, fizessem “um estágio” nas favelas, isto é viver um mísero mês em uma favela, eu duvido que seriam tão analfabetos assim. É um paradoxo, tão técnicos, mas tão analfabetos.

    No “Brasil que deu certo”, também conhecida como austrália, um juiz ganha em média 1,2 vezes o que a média salarial. Já no brasil passa para o patamar de 32 vezes!!

    https://s17.postimg.org/9zb3uckxr/salario_juizes.jpg

    Escutei uma vez de uma amiga minha que trabalha com um procurador: “Eu perguntei para ele o que ele achava da PEC do teto dos gastos público, e sabe o que ele respondeu? – Eles podem fazer o que quiser, portanto que não mexam no meu salário.” Daí fui ver quanto esse analfabeto social ganha, consultando a site da transparência do MP. Pasmem, mais de MEIO MILHÃO por ano. NADA justifica um salário desse em um país onde a média é salarial é um pouco mais de R$2000.

    Vergonha demais.

    * Na verdade todos que ganham salários exorbitantes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.