Quem “somos” todos São Miguel do Oeste?

Por Claudia Weinman, para Desacato. info. 

É como se fosse uma criança de uns dois anos. Vamos imaginar que tivesse sido adotada por uma família. Essa criança tem uma história, mas essa história é expropriada dela. A memória do que ela viveu antes de conhecer essa outra realidade, a cultura, o contexto social em que ela participou, vivenciou, é como se tudo isso não existisse. Assim vem sendo contada a história de São Miguel do Oeste ao longo dos anos. Dessa maneira a cristalização histórica sobre a formação do território do Oeste Catarinense formou-se.

Essa criança não tem mais na memória a história de sua origem. É como se toda construção da família partisse de determinada data, de quando os carros chegaram na sua rua, de quando o mercado abriu para a comunidade, de quando o facão do seu avô abriu a estrada coberta de árvores e outras plantas. Como se a primeira colheita da família fosse à única, divina, a mais importante. A criança perde a sua identidade quando lhe falta a narrativa a partir do seu nascimento e de toda gestação que a conduziu para a vida atual.

Até aí a participação dos atores sociais que existiram antes dessa nova família é totalmente ignorada. Então vão surgindo outros elementos que vão cristalizando ainda mais essa ideia de que a vida da criança começou a partir dos seus dois anos de idade. Mas quem é afinal essa criança? Que família é essa?

Já vamos chegar nesse ponto.  Hoje o Jornal dos/as trabalhadores/as que foi ao ar às 10h no Portal Desacato, mostrou uma entrevista com o professor de história Adriano Larentes da Silva. Ele escreveu um livro denominado: “Fazendo Cidade” – Memória e urbanização no Extremo-oeste Catarinense. Nele, o historiador conta sobre a chegada das companhias colonizadoras, fala da “nova família”, essa, que adotou a criança e contou para ela apenas uma parte de sua história. Que triste, não?

A fragmentação da história em contextos desconectos da realidade vivida por quem antes habitava a região Oeste e Extremo-oeste Catarinense tem refletido também, além da perda da identidade da criança, em páginas tabuladas de jornais. O midiativismo, a rapidez, a utilização constante de releases interferem significativamente na transmissão da mensagem, não sendo possível passar para o público leitor, uma visão dos diferentes.

Há na maioria das vezes, uma repetição de discursos que tendem a cristalizar cada vez mais a imagem dos marginalizados pela imprensa e o sistema capitalista. Essa mesma cristalização que, movida pela indústria cultural, tende a fazer com que diversos grupos de  pessoas não questionem a sociedade, o sistema, a forma de trabalho, as desigualdades sociais. Mas reflete na competição entre o melhor e o pior, sem refletir sobre o porquê existe essa naturalização das coisas.

O culto à personalidade, o endeusamento a pátria, o ufanismo, a história é narrada na mídia tradicional conforme seus objetivos e mediante interesse de quem a coordena. Não há um estudo aprofundado na maioria dos casos, e a cada dia surgem novos heróis. Marcondes Filho (2009, p. 117) já dizia que “[…] a história é feita por homens como Napoleão, Bismarck ou Hittler, como se eles não fossem componentes de uma classe e não agissem de acordo com os objetivos dela”.

Vemos uma criança triste. Ela pode não se considerar assim, mas é. Porque a ela foi ensinado que a sua história é a melhor, de quem trabalhou e venceu na vida. Que a culpa da pobreza de outras crianças vem da falta de vontade e capacidade das demais famílias.

Hoje, dia 15 de fevereiro é feriado em São Miguel do Oeste/SC. O município completa 64 anos de emancipação político-administrativa. Tem crianças que não conhecem a sua história. Hoje a logomarca oficial da cidade é: “Somos todos São Miguel do Oeste”, mas, será que “somos”? “Quem somos”?

_

Claudia Weinman é jornalista, diretora regional da Cooperativa Comunicacional Sul no Extremo Oeste de Santa Catarina. Militante do coletivo da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) e Pastoral da Juventude Rural (PJR).

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.