Queiroz alegou que “gerenciava” salários em gabinete de Flávio, diz jornal

Foto: Reprodução/Facebook

O motorista Fabrício Queiroz, que foi assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), quando o parlamentar era deputado estadual no Rio de Janeiro, se manifestou pela primeira vez ao Ministério Público sobre as suspeitas sobre o antigo gabinete de Flávio, informa o jornal ‘O Estado de S. Paulo’.

Segundo o Estadão, Queiroz fez uma defesa por escrito, depois de ter recusado quatro convites para depor pessoalmente. No documento, o assessor conta que fazia o “gerenciamento financeiro” dos salários dos demais servidores da equipe de Flávio, mas negou ter se apropriado indevidamente de qualquer valor.

Queiroz afirmou ao MP, de acordo com o jornal, que o dinheiro recolhido por ele com os colegas era usado “para ampliar a rede de colaboradores que atuavam junto à base eleitoral do parlamentar fluminense”.

A investigação sobre o gabinete começou com um dado revelado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), de que o ex-assessor movimentou R$ 1,2 milhão em sua conta bancária no período de um ano, de janeiro de 2016 a janeiro de 2017.

No documento ao MP, o ex-assessor alega ter feito este “gerenciamento” sem o conhecimento de Flávio Bolsonaro, porque acreditava estar agindo de forma lícita. Segundo o Estadão, Queiroz disse que “nunca reputou necessário expor” ao então deputado “a arquitetura interna do mecanismo que criou”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.