Queermuseu estreará no Rio e já enfrenta ataques: Malafaia pede classificação indicativa

Após muita pressão de setores reacionários a primeira exibição da mostra foi suspensa em setembro do ano passado. Obras foram censuradas diretamente, inclusive com ofensivas e lunáticas afirmações do MBL , que nas redes sociais rotulava a exposição de “depravada” , “pornográfica” e “imoral”.

Depois de toda a polêmica e o cancelamento da exposição, o MPF reconheceu em ofício “que as obras que trouxeram maior revolta em postagens nas redes sociais não tem qualquer apologia ou incentivo à pedofilia,” e afirma “que o precedente do fechamento de uma exposição artística causa um efeito deletério a toda liberdade de expressão artística, trazendo a memória situações perigosas da história da humanidade”, referindo-se a destruição de obras consideradas “Arte Degenerada” (Entartete Kunst) sob o regime nazista.

Agora o pastor Silas Malafaia contra-ataca: pediu ao Ministério Público do Rio de Janeiro que haja uma classificação indicativa de 18 anos quando for aberta a exposição na capital fluminense, no próximo dia 18, que somente será reaberta devido a realização de uma campanha de crowdfounding.

Não está prevista na legislação a obrigatoriedade da classificação indicativa para exposições e mostras de artes visuais. O que existe é uma portaria do Ministério da Justiça que tem como função regular as obras audiovisuais, cênicas e videogames.

Silenciar a arte em suas mais diversas manifestações é não encarar de frente os debates que se colocam através da arte e dos diálogos e reflexões que esta descortina. Sobretudo, a igreja tentar com tanta força colocar a mão da censura e falsa moral nas produções artísticas denota não somente a intenção clara de manutenção do pensamento conservador bem como a tentativa clara de paralisar quaisquer manifestações que apontem para a desnaturalização dos absurdos que a burguesia, a igreja e os patrões tentam a todo custo impor.

Fabio Szwarcwald, diretor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, disse à Folha de São Paulo que tudo está sendo feito conforme o ECA e a Constituição. “A gente vai deixar em todas as entradas das salas um aviso bem grande falando sobre o conteúdo da exposição e aconselhando menores de idade a entrarem acompanhados de seus pais e responsáveis” .

O conteúdo do aviso será: “Esta exposição contém obras de arte com conteúdo sexual e uso de simbologia religiosa que poderão ofender os valores morais de alguns. Recomendamos levar isso em consideração antes de entrar na sala de exposição. O conteúdo desta exposição não é recomendado para menores desacompanhados de seus pais ou responsáveis. Proibido fotografar”.

Agora o MP já tem um inquérito aberto para acompanhar realização da mostra. O órgão tem recolhido informações para que a mostra ocorra sem violação de direitos de crianças. “Mas esse inquérito era desnecessário, já íamos cumprir a lei. Imagino que em breve seja arquivado”, afirma Demian Guedes, da assessoria jurídica do Parque Lage.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.