PSOL representa contra Promotor Henrique Limongi em Florianópolis

O PSOL em Florianópolis protocolou na quinta-feira (28/06), Dia do Orgulho LGBT, uma representação contra o titular da 13ª Promotoria da Capital, Henrique Limongi. O PSOL acusa o promotor de improbidade administrativa por tentar impedir ou anular 112 casamentos entre pessoas do mesmo sexo nos últimos cinco anos.

Para o partido, a conduta do promotor não está fundamentada em uma interpretação propriamente jurídica, mas sim em sua crença pessoal. “Valendo-se da estrutura do Ministério Público para fazer prevalecer suas convicções morais e ideológicas individuais, o ora Representado viola frontalmente o princípio da impessoalidade”, afirma o partido, no documento. “Sequer se tratam de situações contenciosas: não existe um conflito de direitos que ele pretenda dirimir por meio da ação do Poder Judiciário; ao contrário, o que existe é a insistência na negativa de direitos de uma coletividade por parte do órgão que tem como função e prerrogativa a fiscalização da Lei”.

+ Dois promotores do Ministério Público catarinense defendem a manutenção de uma sociedade homofóbica e machista

+ Florianópolis: Promotor quer anular casamento de Adrieli e Anelise – e já tentou fazer isso com outros 68 casais LGBTQ

“No ímpeto de afirmar sua moral pessoal por meio deste órgão, o Sr. Henrique Limongi deu início a não menos do que cem ações judiciais desnecessárias e cujo desdobramento já é conhecido, uma vez que os tribunais superiores já consolidaram entendimento diverso. Portanto, após anos de tramitação (o Promotor tem recorrido das decisões de primeira instância), os processos chegarão ao STF e terão reafirmada a tese contrária à do ora Representado. Assim, restam desatendidos os princípios da eficiência, economicidade, proporcionalidade e razoabilidade”, defende o partido.

Dia do orgulho, dia de luta

“Hoje o dia do Orgulho LGBT tem um peso especial para nós, que estamos lutando para manter nosso casamento civil! Não é fácil ser quem você é numa sociedade que vive tentando te tolher direitos e te tratar como cidadão de segunda classe. A certeza é que o amor vence!”, afirmou a engenheira civil Adrieli Nunes Schons, uma das vítimas da atuação do promotor. Limongi tentou impugnar o casamento de Adrieli com Anelise, em dezembro, sem sucesso. Agora, o promotor recorreu à segunda instância para anular o matrimônio.
Segundo o presidente do PSOL, Leonel Camasão, a atuação de Limongi deve ser impedida. “Não é cabível que a sociedade pague quase R$ 30 mil mensais para um promotor prestar um desserviço público dessa magnitude. Por isso, entramos com essa representação para que se faça Justiça e se encerre essa perseguição institucionalizada à comunidade LGBT”, concluiu.

A OAB de Santa Catarina também criticou a conduta do promotor e lamentou os fatos. “A Vara de Sucessões e Registros Públicos da Capital possui atualmente, segundo levantamento do próprio Judiciário, cerca de dez mil processos em andamento. Assim, é papel dos representantes do MPSC, atentarem aos casos e tutelas urgentes, colaborando em prol do correto funcionamento da Justiça. Qualquer repercussão sobre assunto já pacificado no âmbito da jurisprudência pelo STF torna-se inócuo e incabível”, afirmou a entidade.

A representação do PSOL foi endereçada à 27ª Promotoria de Justiça de Florianópolis sob o comando de Rosemary Machado Silva.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.