Protesto nos EUA pede saída de Temer e entrega carta à Embaixada do Brasil

Publicado em: 02/06/2017 às 15:31
Protesto nos EUA pede saída de Temer e entrega carta à Embaixada do Brasil
 Nessa quinta-feira (1º), coletivos brasileiros se mobilizaram em frente à Embaixada do Brasil nos Estados Unidos, em Washington D.C, em uma ação de denúncia à criminalização dos movimentos sociais, em especial, aos ataques às comunidades indígenas, às manifestações pacíficas e aos assassinatos de trabalhadores rurais e ativistas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Durante a ação, Medea Benjamin, co-fundadora do Codepink: Women For Peace, entregou uma carta ao diplomata William Santos, denunciando as violações e o desgoverno do presidente golpista Michel Temer.

A Codepink é uma organização de mulheres que luta por direitos humanos e combate o militarismo e as guerras promovidas pelos Estados Unidos.

No documento, é enumerado o avanço da violência contra movimentos populares no Brasil: “Levantamento da Comissão Pastoral da Terra (CPT) informa que, em 2015, 50 trabalhadores rurais foram assassinados em conflitos relacionados à Reforma Agrária. Em 2016, 61 ativistas foram assassinados devido à conflitos no campo e somente nos cinco primeiros meses de 2017, 36 pessoas já foram assassinadas.”

Por fim, os assinantes demandam “a volta da democracia no Brasil e o direito a eleições diretas já”.

Confira a íntegra da carta:

Parem a criminalização dos movimentos sociais no Brasil

Nós, ativistas, professores, estudantes, representantes da sociedade civil organizada, sindicatos, movimentos sociais, coletivos internacionais, bem como profissionais de diferentes áreas e experiências, denunciamos o atual governo do Brasil e o golpe parlamentar que levou Michel Temer à presidência. Nós denunciamos as reformas laborais regressivas impostas ao país pelo governo não-eleito de Michel Temer. Nós também denunciamos a violenta repressão de civis, trabalhadores e estudantes que estavam protestando contra o governo nas ruas de Brasília em 24 de maio. Naquela ocasião, o não-eleito Temer promulgou um Decreto presidencial invocando as Forças Armadas a usar medidas repressivas contra os 200.000 manifestantes. As forças de segurança atacaram civis que protestavam pacificamente com gás lacrimogêneo, bombas de efeito moral e armas de fogo. Nós condenamos os atos de Temer e declaramos que o chamado das Forças Armadas e os ataques violentos contra os manifestantes é inadmissível e repugnante. Ademais, nós defendemos fortemente os direitos civis de liberdade de expressão, integridade física, dignidade e segurança pessoal.

O governo ilegítimo também aumentou a repressão a movimentos sociais e de trabalhadores. Nós condenamos a criminalização de movimentos sociais no país, e os assassinatos de trabalhadores rurais lutando por seu direito constitucional à posse da terra. Nós também denunciamos o aumento da violência estatal e os abusos contra os direitos humanos das populações vulneráveis. Entre muitos outros, nós nos referimos ao ataque no estado do Maranhão, que deixou 16 indígenas feridos, incluindo 3 que tiveram suas mãos mutiladas.

A violência contra movimentos populares no Brasil vem evoluindo em velocidade sem precedentes. Levantamento da Comissão Pastoral da Terra (CPT) informa que, em 2015, 50 trabalhadores rurais foram assassinados em conflitos relacionados à Reforma Agrária.

Em 2016, 61 ativistas foram assassinados devido à conflitos no campo e somente nos cinco primeiros meses de 2017, 36 pessoas já foram assassinadas. Em 24 de maio, forças de segurança atacaram um grupo de trabalhadores rurais, matando 10 pessoas. Os sobreviventes testemunharam que os trabalhadores rurais foram torturados antes de serem assassinados. Esse é o segundo ataque mais sangrento da história do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra do Brasil (MST). O primeiro, conhecido como

“Massacre de Eldorado dos Carajás”, aconteceu em 1996 e deixou 17 ativistas mortos e muitos outros feridos. A mídia tradicional brasileira está flagrantemente ignorando esses massacres.

O encarceramento injustificado e a perseguição de manifestantes, membros do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra do Brasil (MST) e outros ativistas sociais reflete a clara intenção das forças de segurança do Estado de criminalizar movimentos de justiça social no Brasil, no contexto do ressurgimento das forças conservadoras durante o processo de impeachment contra Dilma Rousseff. O que nós vemos hoje no Brasil é uma clara expressão da luta de classes no país, profundamente enraizada em seu passado colonial. Nós nos solidarizamos com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra do Brasil (MST) e com o povo brasileiro. Nós demandamos a volta da democracia no Brasil e o direito a eleições diretas já.

Fonte: RedeMundoNoticias

Deixe uma resposta