Projeto de Lei visa passar gestão de creches e UPAs para Organizações Sociais em Florianópolis

Por Maria Fernandez, Redação do UàE.

O prefeito Gean Loureiro encaminhou, em regime de urgência, à Câmara de Vereadores Projeto de Lei que visa passar a gestão de creches em construção e UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do continente a Organizações Sociais (OS). A proposta entregue na sexta-feira, 06 de abril, é baseada na Lei federal 13019/2014 e abre caminho para que outros serviços públicos também tenham sua gestão repassada para iniciativa privada.

Juntamente com o projeto de Lei, o prefeito encaminhou uma campanha publicitária homônima: “Creche e Saúde Já”. De forma a distorcer a opinião pública, a prefeitura pretende convencer a população que esta é a única maneira de ampliar serviços de saúde e educação sem ultrapassar o limite de gastos.

Gean declarou que a gestão via OS permitirá a contratação de novos profissionais e que terá custo inferior ao da gestão pública. Certamente estas novas contratações não serão via concurso público. É notório que esta é mais uma forma de repassar recurso público para iniciativa privada, fazendo algumas poucas empresas lucrarem com os serviços que a princípio são obrigação do Estado garantir à população.

O Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal (Sintrasem) já se manifestou contrário à proposta. Os trabalhadores estão sendo chamados para uma assembleia na quarta-feira, dia 11 de abril, às 13h30min que discutirá esse projeto, além da data base da categoria. A deliberação de greve está prevista para esta assembleia.

+ Gean encaminha projeto que abre caminho para as OSs privatiza serviço público de Florianópolis

Aceitar a gestão pública via OS é muito grave, e pode ser o início de um caminho sem volta no sucateamento dos serviços públicos mais essenciais à população. Não há motivo para terceirizar a responsabilidade estatal com a saúde e educação. E embora o discurso favorável ao projeto afirme que a gestão via OS manterá a qualidade do serviço, sabemos que em longo prazo o que se delineia é a extinção do serviço público como o conhecemos.  Em curto prazo a precarização do contrato dos trabalhadores e incerteza quanto a manutenção da proposta pedagógica das creches e perspectiva da atenção em saúde pelo SUS já estão postas.

Saúde e educação não são mercadorias, são direito e devem ser garantidos para todos pelo Estado. Os trabalhadores da prefeitura precisarão de solidariedade de toda a população na defesa desses direitos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.