Professora acusada de incentivar homossexualidade em aula sobre gênero será indenizada

Para juiz, ao usar o "tribunal das redes sociais", o homem expôs a professora publicamente.

Foto: Analu Agency

O irmão mais velho de um aluno de uma escola em Novo Hamburgo (RS) terá de indenizar a professora do Ensino Médio por dizer que ela incentivou a homossexualidade e o adultério em aulas sobre questões de gênero e identidade. A decisão foi da 2ª Turma Recursal Cível, dos Juizados Especiais Cíveis (JECs) do Rio Grande do Sul.

Ao julgar o recurso, o colegiado manteve a condenação ao homem que publicou ofensas à docente no Facebook. O valor da indenização, contudo, foi reduzido de R$ 5 mil para R$ 3 mil.

A professora pediu para ser ressarcida por danos morais após ser difamada após uma aula sobre gêneros. De acordo com o relato, ela foi ofendida em uma rede social interna da escola, acessada por pais e demais professores, no dia seguinte à aula.

O irmão de um aluno também postou uma mensagem no Facebook que teve maior repercussão. A professora alegou que o texto provocou constrangimento e incitou a violência e o preconceito.

O réu, por sua vez, afirmou que seu irmão mais novo questionou a docente a respeito da “ideologia de gênero“. Segundo ele, a professora teria feito uma fala de incentivo à homossexualidade e ao adultério. Ele também alegou que não usou palavras de baixo calão, xingamentos ou qualquer outro tipo de ofensa.

Para o relator do recurso, juiz Roberto Behrensdorf Gomes da Silva, o réu não provou o conteúdo da fala da professora e não usou o canal adequado, no caso, a direção da escola, para reclamar da aula. Ao usar o “tribunal das redes sociais”, o homem fez a exposição pública da docente.

“Embora inegável, o direito constitucional de liberdade de expressão deve ser exercido com a cautela de não atingir a reputação de honra de terceiros, sobretudo quando inexistentes provas das práticas descritas nas publicações feitas pelo demandado em rede social”, afirmou o relator. O voto foi acompanhado pelas duas outras juízas da turma.

Na primeira instância, o juiz leigo Denis Augusto de Oliveira condenou o réu por ter exposto a professora à sociedade da cidade onde mora e trabalha. ”É preciso pensar e ter discernimento antes de tomar qualquer atitude. A conduta do réu é imprópria, inconveniente e totalmente desproporcional”, escreveu o magistrado da vara dos Juizados Especiais Cíveis de Novo Hamburgo.

Oliveira também defendeu que a reclamação fosse feita na direção da escola. “Mostra-se claro, pois, que o objetivo primeiro do réu não era o de alertar os pais pela suposta má conduta da autora, mas sim denegrir a sua imagem”, completou. O entendimento do juiz foi homologado pelo juiz de carreira Vinícius Tatsch dos Santos, titular da vara.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.