Presidente da Comissão de Mortos diz que antecessora cometeu ‘desmandos’ porque investigou mortes na ditadura

Foto: Arquivo pessoal do Facebook

Do Estadão: Em representação à Corregedoria Nacional do Ministério Público contra sua antecessora – a procuradora da República Eugênia Gonzaga -, o presidente da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, Marco Vinícius Pereira de Carvalho, chamou de ‘desmandos’ investigações abertas para apurar assassinatos e torturas durante a ditadura militar. Ele também questiona a distribuição de certidões de óbito a familiares de mortos no período (1964-1985), e despesas com eventos.

Segundo Carvalho, que foi indicado pela ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, o reconhecimento da morte das pessoas ‘em tais circunstâncias é por demais temerário’. Ele avalia que familiares usem os documentos para pedir indenizações à Comissão de Anistia. No documento, se pronuncia contra a instauração de procedimentos sem que haja pedidos dos familiares.

Ato do Dia Internacional da Mulher no oeste catarinense. Acompanhe ao vivo!

Eugênia presidiu a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos de 2014 até agosto de 2019, quando foi exonerada após ter se manifestado publicamente em defesa da família e da memória do desaparecido político Fernando Santa Cruz, em razão do ataque do presidente Jair Bolsonaro ao presidente da OAB.

Ela rebate Carvalho, e ressalta que ainda não foi intimada. “Não satisfeitos em frustrar, acho que eles querem criminalizar quem atuou em sentido contrário. Para mim, improbidade é assumir uma Comissão e acabar com o sentido dela. Você não está para acabar com ela”.

(…)

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.