Possibilidades do Brasil: está escuro, mas seguimos cantando

Foto Lula Marques/Agência PT

Por José Álvaro Cardoso.

Uma das indagações recorrentes nos debates sindicais é: quais as razões centrais que levaram os principais blocos de interesses a dar o golpe de Estado no Brasil? Do ponto de vista mais geral, pode-se destacar três fatores principais: a) acesso a matérias-primas (petróleo, água, nióbio, grafeno, ferro, etc.); b) destruição ou redução de direitos sociais e trabalhistas; c) geopolítica. Em um plano mais específico, é possível também listar alguns dos motivos mais importantes:

a) O Brasil havia anunciado, em 2006, a maior descoberta de petróleo dos últimos 30 anos e tinha sido aprovada a Lei de Partilha. Como até as pedras já sabem, o petróleo está no epicentro do golpe; 

b) a mais grave crise da história do capitalismo, iniciada em 2007, no centro da economia mundial, reduziu taxas de lucros ao nível internacional e era fundamental abrir os caminhos para as principais fontes de matérias primas e de patrimônio público (como as estatais estratégicas e rentáveis);

c) a presidente Dilma Roussef abriu uma frente de lutas contra os banqueiros, em 2012, exigindo a redução da taxa Selic para níveis “civilizados”, sem mobilizar para o tema a população, o que foi fatal;

d) a guerra dos EUA contra os seus principais inimigos se acirrou, e tornou-se estratégico desarticular os governos progressistas da América Latina. Daí o endurecimento com a Venezuela, golpe em Honduras, Paraguai e Brasil, intensificação do financiamento da direita no continente, uso de técnicas de guerra híbrida, e assim por diante;

e) aproximação do Brasil com os principais inimigos dos EUA, via Brics. Este bloco, entre outras medidas, planejou substituir gradativamente o dólar como moeda de referência nas transações internacionais. Isto eles não podiam perdoar. A hegemonia mundial dos EUA, embora esteja estremecida, está diretamente relacionada, em boa parte, ao fato de poder emitir dólar à vontade e esta ser a moeda utilizada no grosso do comércio internacional.

Governos na América Latina que façam reformas a favor da maioria, mesmo bastante moderadas, enfrentam dura oposição dos setores conservadores. Além disso, o Brasil é um país de história política extremamente conservadora, tendo sido o último país do mundo, inclusive, a abolir a escravidão. Os conservadores sempre dominaram as ações e durante muitos anos o Brasil foi a nação mais desigual do mundo, e hoje continua sendo uma das mais desiguais.

As políticas adotadas antes do golpe, mesmo que moderadas, foram muito importantes para a população. Os ganhos reais do salário mínimo, a melhoria da distribuição de renda, a ampliação da rede de ensino público, a ampliação dos gastos com saúde e educação, a elevação do crédito público, a colocação da riqueza do pré-sal a serviço da população (Lei de Partilha), a retirada do Brasil do Mapa da Fome, a geração de milhões de empregos, todas políticas realizadas nos marcos legais, tiveram enorme repercussão para o país e para a esmagadora maioria da população.

Tais políticas, além de possibilitarem um apaziguamento social, em regra, tinham custo baixo no orçamento, em termos relativos. Por exemplo, o que representa o gasto com o Programa Bolsa Família (0,4% do PIB), comparado com o custo elevadíssimo da dívida interna brasileira, de interesse de 10.000 famílias de super ricos? É uma fração absolutamente ridícula. Só se entende a interrupção do processo no Brasil, se levarmos em conta que hoje quem comanda as ações do empresariado é o capital financeiro, que, no mundo todo, é contra até mesmo pequenas melhorias para a maioria da sociedade. O projeto do capital financeiro é extremamente conservador, e contrário ao desenvolvimento e a distribuição de renda. E isso é assim no mundo todo, como se pode observar pelo processo atual de concentração de renda, verificado também nos países desenvolvidos.

Com o golpe foi interrompido um processo de construção de um projeto nacional de desenvolvimento, ainda que com uma série de limitações, mas fundamental para o país. Por isso foi atropelado. Essa experiência recente do Brasil, de melhoria dos indicadores, apesar do desfecho extremamente amargo e perigoso, foi uma amostra de quanto o Brasil pode ser uma grande nação. A partir do momento em que desenvolver uma política soberana, voltada para os interesses da maioria da população, isso tende a acontecer, ainda que não seja inexorável. Por isso, apesar da total escuridão do momento, e das sombrias perspectivas de curto prazo, vale a pena cantar e trabalhar pelo futuro, conforme nos ensinam os versos do poeta Thiago de Mello.

_

José Álvaro Cardoso é economista e supervisor técnico do DIEESE em Santa Catarina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.