Por reforma, Temer demite 3 ministros por 1 dia

10

Por Josias de Souza.

Os ministros Mendonça Filho (Educação), Bruno Araújo (Cidades) e Fernando Bezerra Filho (Minas e Energia) foram devolvidos à Câmara por Michel Temer. Exonerados por um dia, reforçarão a infantaria governista na votação da reforma trabalhista, prevista para esta quarta-feira. Deve-se o movimento a uma contraofensiva do Planalto para tentar atenuar a traição do PSB.

Embora ocupe o cobiçado Ministério das Minas e Energia, o PSB decidiu obrigar sua bancada federal a votar contra as reformas trabalhista e previdenciária. Aprovou em sua Executiva Nacional algo que no jargão dos partidos é chamado de “fechamento de questão.” O deputado que desrespeitar sujeita-se à expulsão. Abespinhado, Temer abriu sua caixa de ferramentas. E o PSB já ensaia um recuo. Os governadores da legenda, Rodrigo Rollemberg (DF) e Paulo Câmara (PE), muniram-se de panos quentes.

Temer achou mais prudente não esperar sentado. Os suplentes de Mendonça Filho (DEM-PE) e de Bruno Araújo (PSDB-PE) são do PSB pernambucano: Creuza Pereira e Severino Ninho. Devolvendo os titulares aos respectivos mandatos, Temer desligou da tomada dois potenciais traidores. Fernando Filho, o representante do PSB na Esplanada, era líder da bancada do partido na Câmara antes de virar ministro. Retorna à Casa por 24 horas com a missão de produzir uma adesão à reforma tão grande que impeça a expulsão dos governistas.

A bancada do PSB tem 35 votos. Na votação da reforma trabalhista, o Planalto espera amealhar os votos de pelo menos metade desses votos. Se conseguir, desmoralizará qualquer tentativa de punir os partidários das reformas. Dificilmente a legenda mostraria a porta de saída para tantos deputados. A bancada federal serve de parâmetro para o cálculo do Fundo Partidário. Quanto maior a bancada, mais dinheiro o partido recebe. O PSB adota um comportamento errático. Mas seus dirigentes não rasgam dinheiro.

Fonte: UOL.

Você precisa estar logado para postar um comentário Login