Por que não cortar ministros?

Cronopiando por Koldo Campos Sagaseta.
(Português/Español)

Agora que os cretinos e delinquentes que governam o Estado espanhol, em seu afã por manter sua nojenta bagunça e seguir cortando os mais elementais direitos humanos, já não cuidam as formas, já não têm vergonha nem receio; agora que essa banda de honoráveis ladrões de galinha na Audiência, essa caterva de gatunos com gabinetes no Palácio e cadeira no Congresso já não têm ao alcance da mão mais direitos para rebaixar, limitar, reduzir; agora que os cortes levaram embora até a água de graça nos hospitais, … por que não cortar, também, a sua prepotência, essa tosca ignorância com a que vão e vêm entre coices e taças?

Bastaria com que cortasse sua insolência quem responde como ministro do Interior espanhol, ante a sentença do Tribunal Europeu de Direitos Humanos que condenou por unanimidade o Estado espanhol a liberar uma mulher basca presa ilegalmente e indenizá-la com 30 mil euros. E são mais 60 presos bascos os que esperam sentença e indenizações semelhantes enquanto o Estado espanhol desacata a decisão final de um tribunal do qual é signatário. Em redor de dois milhões de euros, além das custas dos processos, e se deveria somar a outras sentenças e indenizações anteriores por detenções improcedentes e torturas, custará ao Estado espanhol sua metida arrogância.

Por que não, então, cortar bravatas, ridículos, vexames, fantasmadas, abusos, proibições, atropelos, torturas…? Por que não cortar ministros?  

Tradução: Projeto América Latina Palavra Viva.

¿Por qué no recortar ministros?

Cronopiando por Koldo Campos Sagaseta. 

Ahora que los cretinos y delincuentes que gobiernan el Estado español, en su afán por sostener su mugriento tinglado y seguir recortando los más elementales derechos humanos, ya no cuidan las formas, ya no tienen vergüenza, ya no estiman reparos; ahora que esa recua de honorables chorizos en Audiencia, esa caterva de mangantes con despacho en Palacio y asiento en el Congreso ya no encuentran a mano qué otro derecho pueda ser rebajado, limitado, reducido; ahora que los recortes se han llevado hasta la gratuidad del agua en los hospitales, … ¿por qué no recortar, también, su prepotencia, esa burda arrogancia con la que van y vienen entre coces y copas?

Bastaría con que recortara sus desplantes quien responde como ministro del Interior español, ante la sentencia del Tribunal Europeo de Derechos Humanos que ha condenado por unanimidad al Estado español a liberar a una mujer vasca presa ilegalmente y a indemnizarla con 30 mil euros. Y son 60 presos vascos más los que esperan sentencia e indemnizaciones semejantes mientras el Estado español desacata el fallo de un tribunal del que es signatario. Alrededor de 2 millones de euros, amén de los gastos que se deriven de los juicios, y que habría que sumar a otras sentencias e indemnizaciones anteriores por detenciones improcedentes y torturas va a suponerle al Estado español su chulesca arrogancia.

¿Por qué no, entonces, recortar bravatas, ridículos, vejaciones, fantasmadas, abusos, prohibiciones,  atropellos, torturas…? ¿Por qué no recortar ministros?  

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here