Por que deixamos a racionalidade de lado quando se trata da terra? Por Claudia Baumgardt.

Foto: Arquivo Jornal Comunitário.

Por Claudia Baumgardt, para Desacato.info.

Há um tempo que para a “terra” é reservado o espaço de propriedade, de provedora de riquezas. Ainda por muitos é tratada desta forma. Há os que acreditam que ela precisa ser banhada com rios de veneno para produzir plantas inférteis, há os que dela sugam até tirar sua fertilidade e ainda os que nela derramam o sangue de seus filhos para tão somente arrancar de seu ventre a vida.

Arrisco-me a falar que da terra vem o grito de misericórdia que o ser humano não parece ser evoluído o suficiente para compreender. Na história da evolução, da tão louvável característica de raciocinar do animal humano, me questiono por que deixamos a racionalidade de lado quando se trata da terra, da luta por ela ou ainda do seu manejo?

A história da humanidade gira em torno de como o ser humano se adaptou à terra e ao clima em diferentes regiões do planeta, e como que se relacionando com ela conseguiu sobreviver, se estabilizar e gerar grandes riquezas.

Podemos dizer que o grande declínio da “humanidade” do ser humano, surgiu com a propriedade privada. Vejamos, no primórdio da evolução do ser humano, a terra e a natureza lhes serviam, e estes de forma organizada e equilibrada utilizavam dos recursos que estas lhes forneciam tão prontamente em meio a diversos percalços encontrados. Relação esta com a terra que os povos indígenas resistentemente procuram manter.

Leia mais: Pensar diferente em tempos bolsonaristas.

Com jornalismo e ficção, o Documento Audiovisual “QUARENTA”, pra não esquecer, vai contar o que viveram e sentiram os moradores de Florianópolis e Região durante a ditadura militar, mais precisamente no fato conhecido como Novembrada que, no dia 30 de novembro, completa 40 anos. Saiba mais em https://www.catarse.me/quarenta

Com a sedentarizarão e formação das primeiras sociedades no planeta, surge um sentimento de individualismo que matou desenfreadamente muitos que ousaram questionar esta situação ao longo da história .

Quando se reconhece a terra tão somente como uma propriedade se perde a clareza de como o ser humano se constituiu parte dela, dependente dela e não dono dela.

E são estes dois lados que marcam a luta pela terra na América, dos que dela querem sugar sua seiva e depois descartar, que só visam lucrar, e dos que nela veem a sobrevivência, a esperança da igualdade, uma vida com dignidade.

E assim como o grito de ordem da Pastoral da Juventude Rural aborda, “Da mãe terra, luta e resistência!” são muitos os que foram esquecidos que desenham esta luta e resistência ao longo da nossa história… Então, que os esquecidos gritem!

Até a próxima.

Claudia Baumgardt, professora de história na rede municipal de Santana do Livramento – RS,  Militante do coletivo da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) e da Pastoral da Juventude Rural (PJR), editora do JTT Indigenista.

A opinião do/a autor/a não necessariamente representa a opinião de Desacato.info.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.