Por que Bolsonaro não vai participar dos debates de segundo turno?

Foto de Haddad: Ricardo Stuckert

Por Jair de Souza, para Desacato.info.

Terminado o primeiro turno da eleição presidencial, todos esperávamos a realização dos tradicionais debates entre os dois candidatos que restaram para a disputa final. Pois, diferentemente dos debates televisivos do primeiro turno, nos quais uma dezena de candidatos se atropelam sem que ninguém consiga concluir uma ideia sequer, no segundo turno o confronto de opiniões e programas entre apenas dois concorrentes permitiria que o público assistente pudesse tirar conclusões bem mais fundamentadas sobre os contendores e seus planos de governo.

No entanto, o candidato que alcançou o primeiro lugar na fase inicial já demonstrou que não deseja participar em nenhum dos debates da fase decisiva. Mas, como pode ser assim?

Bem, não é muito difícil entender as razões para tal. Ponhamo-nos por um momento no lugar de Bolsonaro e dos coordenadores de sua campanha. Ora, eles estão cansados de saber que uma das principais razões para que Bolsonaro tenha tido uma votação expressiva se deve à capacidade que ele e sua equipe tiveram para esconder dos eleitores quase tudo de importante de seu programa de governo. Ao mesmo tempo, por meio de correntes robotizadas do whatsapp, facebook e outras redes, deslancharam uma monstruosa campanha de notícias falsas e instigação ao ódio para insuflar preconceitos sedimentados na mente da população e deixá-la completamente alienada das discussões sobre as coisas que mais pesam em sua vida. Como no whatsapp, no facebook e meios similares ele não precisa se confrontar com ideias diferentes e nem dar embasamento lógico às suas, fica tudo muito mais fácil para ele.

Agora, imaginem que, num desses debates televisivos, Fernando Haddad questione Bolsonaro sobre sua posição com relação a questões tão importantes para a maioria da população como as seguintes:

a) Bolsonaro ainda mantém sua posição de eliminar as leis de proteção trabalhista contidas na CLT, ou passou a entender que devemos revigorá-las? Será que já não pensa que os trabalhadores não precisam de leis para protegê-los da ganância de patrões inescrupulosos? Ainda acha que o trabalhador não deveria receber adicional de férias, nem a multa na rescisão de contrato ao ser despedido sem justa causa? Será que a opinião de seu vice, general Mourão, contrária ao 13º salário não é também a sua?

b) Quais são as propostas de Bolsonaro para atender as necessidades de educação pública de nosso povo, tanto com respeito aos estudantes como aos professores e demais profissionais da educação, além, claro, de sua posição sobre o famoso, mas nunca visto, kit gay? Será que ele mantém seu apoio às posições de seus mentores ideológicos de que a educação deveria ser inteiramente privatizada, como foi feito no Chile de Pinochet?

c) Como Bolsonaro pretende tratar o problema da saúde pública que tem enorme relevância para a esmagadora maioria de nossa população? Também continua defendendo as propostas de privatização emitidas por seu guru econômico, com a ênfase sendo dada aos planos de saúde particulares?

d) E a questão da moradia popular? Bolsonaro pretende manter o programa Minha Casa Minha Vida, ou tem algum outro ainda mais benéfico para o povo? Ou será que pretende simplesmente eliminá-lo?

e) Em relação à segurança pública, será que Bolsonaro tem planos e propostas que vão além de baixar a maioridade penal, autorizar as polícias a matar com menos constrangimento e dobrar ou triplicar o número de detentos no país? Ou será que já compreendeu que sem uma política de inclusão social, sem uma economia que procure incluir as populações marginalizadas, e não excluí-las, não será possível diminuir os níveis de criminalidade? Bolsonaro já entendeu que tão somente com a repressão policial e com a distribuição de armas para quem puder comprá-las, em lugar de diminuir, a violência e a criminalidade só tendem a aumentar?

f) Bolsonaro continua concordando com o congelamento por 20 anos dos recursos públicos destinados a programas sociais para, com isto, liberar recursos para pagar os banqueiros possuidores de títulos da dívida pública, ou mudou de ideia a respeito?

g) No tocante ao patrimônio público, Bolsonaro continua apoiando a entrega do pré-sal às multinacionais petroleiras e o desmonte da Petrobrás? Ele ainda apoia a transferência da Embraer para o grupo estadunidense Boeing, ou já reconhece que sem uma infraestrutura nacional forte o Brasil nunca poderá avançar como nação no contexto mundial?

h) Bolsonaro mantém sua confiança em seu mentor econômico, Paulo Guedes, que defende uma completa privatização das empresas públicas, incluindo a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil, a Petrobrás, a Telebrás, etc, ou já se deu conta de que elas são muito importantes para gerar uma política que defenda nossa soberania e expanda a economia e, consequentemente, o nível de empregos para nosso povo?

Estas são apenas algumas das perguntinhas que lhe poderiam ser feitas nos debates. Mas, pensando bem, o que Bolsonaro tem para dizer abertamente para os eleitores brasileiros sobre estas questões? Ou seja, vendo as coisas do ponto de vista de Bolsonaro e de seus chefes de campanha, nada seria pior para ele que levar ao conhecimento dos eleitores o que ele realmente deseja para o país.

Em razão da carência de meios de informação plurais e democráticos, assim como pela vida de penúria a que está submetido, nosso povo tem grandes dificuldades para se informar conscientemente, mas, sem nenhuma dúvida, quando tem a possibilidade de conhecer o que pretendem fazer com ele, nunca faz a opção por aquilo que vai desgraçar a sua vida, a vida de seus filhos e netos, e a vida da maioria de seus compatriotas. É por tudo isto que Bolsonaro não deseja revelar o que realmente pretende implementar em seu governo, no caso de que fosse eleito. Em outras palavras, Bolsonaro sabe que precisa fugir dos debates.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.