Política neoliberal coloca a economia em estado de agonia. Por José Álvaro Cardoso.

Imagem Ilustrativa: Pixabay.

Por José Álvaro Cardoso.

O IBGE divulgou, no dia 04.03, que a economia brasileira apresentou crescimento de 1,1% em 2019, chegando a R$ 7,3 trilhões de valor da produção de bens e serviços finais. Esse crescimento é inferior aos observados nos dois anos anteriores, quando a economia brasileira expandiu a taxas de 1,32% e 1,31%, respectivamente. Ou seja, no primeiro ano de Bolsonaro, o crescimento conseguiu ser ainda pior do que nos dois anos anteriores, do governo Temer, que já tinham sido muito baixos. Pelo lado da demanda, o consumo das famílias expandiu 1,8% ao longo do ano passado, o pior desempenho em três anos. Esse item, que tem o maior peso na composição do PIB (64,9%), havia apresentado uma elevação de 2% em 2017 e de 2,1% em 2018. Do lado da oferta, o crescimento foi liderado pelo setor de serviços (1,3), com a indústria de transformação permanecendo estagnada, com “crescimento” de 0,1% no ano passado.

Nesse quadro o PIB per capita variou meros 0,3% em termos reais, alcançando R$ 34.533 em 2019. A taxa de investimentos em 2019 (a chamada Formação Bruta de Capital Fixo) foi de 15,4% do PIB, permanecendo praticamente estagnada em relação aos anos anteriores. As informações dos sofríveis resultados do PIB haviam sido antecipadas pelos dados do Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), divulgados pelo Banco Central em 14.02.20, que apontou um crescimento do produto em 0,89% em 2019, em relação ao ano anterior. Já se sabia que a economia havia desacelerado em 2019, mesmo em relação ao mísero crescimento do último ano do governo Temer, de 1,3%.

Os resultados do PIB desmistificaram a teoria, de alguns “formadores de opinião” do mercado, que a economia estaria retomando, após a gravíssima recessão de 2015/2016. Segundo essa hipótese – que se trata de um desejo, mais do que uma análise calcada em indicadores – o capital externo estaria retornando, o emprego formal estaria se recuperando, o que tenderia a reanimar demais indicadores econômicos, especialmente os de crescimento do produto. Face aos números das contas nacionais, a expectativa inicial de crescimento de 2% do PIB para este ano, ficou mais uma vez otimista e está sob revisão – para baixo, claro.

O surto de coronavírus ampliou o risco de uma grave crise na economia global. Percebe-se que muito governos, no mundo todo, estão perdidos, sem entender a gravidade do problema. Ao contrário do que alguns imaginam, o surto da doença não se limita à China, em alguns países da Europa já se verifica vários casos, especialmente na Itália. O efeito do surto sobre a economia está sendo imediato. A previsão é de que no primeiro trimestre do ano o crescimento será afetado em muitos países do mundo, especialmente na China. Os economistas preveem que o PIB chinês pode reduzir 2% no primeiro trimestre em função do vírus, pelas restrições à circulação de produtos industriais e os serviços de uma forma geral. Em muitos aglomerados urbanos, por exemplo, as pessoas estão circulando o mínimo possível, o que afeta a economia de uma forma geral, como a movimentação em restaurantes, centros de compras, cinemas, teatros, etc.

Se o PIB chinês cair significativamente no primeiro trimestre, a taxa de crescimento prevista anteriormente, de 6%, ficará muito difícil de ser alcançada. Isto deverá afetar o crescimento mundial como um todo. Um crescimento da economia chinesa entre 3% e 4% em 2020, como têm alertado os especialistas em economia global, significaria na prática uma recessão para a China, em face do desempenho do seu PIB nas últimas décadas.

Numa hora como essa, políticas públicas adequadas, encaminhadas rapidamente, especialmente nos campos fiscal e monetário, seriam fundamentais. Porém a margem de manobra para tais políticas, na maioria dos países, é pequena. Além do mais o tempo de tomadas das decisões políticas em cada país, é muito mais lento que o tempo de disseminação do vírus. Como alerta o economista Nouriel Roubini, boa parte das economias europeias já precisavam de políticas fiscais vigorosas, antes mesmo da crise da coronavírus. A Itália, por exemplo, o país mais atingido pelo surto na Europa, já estava quase em recessão antes do coronavírus. É o caso também da Alemanha, considerado o motor da economia europeia, que cresceu meros 0,6% em 2019, uma notável desaceleração em relação a 2017 (2,5%) e 2018 (1,5%).

O pior é que a maioria dos países não poderá utilizar os juros para reativar suas economias, já que em boa parte dos países aqueles já são muito baixos, frequentemente negativos. É o caso dos juros europeus e do Japão, que já estão em território negativo. O economista Roubini tem alertado que a crise atual é um choque de oferta que, diferentemente da crise de 2008, não pode ser combatida com políticas monetárias ou fiscais. É como diz o economista: se você não tem alimentos e água garantidos, não tem políticas monetárias e fiscais que resolvam.

Como desgraça pouca é bobagem, há o risco de uma grande recessão global, dentre outras razões porque o mercado imobiliário dos EUA está atravessando uma bolha, como aconteceu em 2007. O capitalismo não consegue escapar da sua atual vocação financeiro/especulativa. Há previsões que os preços das ações de empresas globais tenham perdas entre 30 e 40% neste ano. O mercado acionário brasileiro já teve um aperitivo do que pode suceder ao longo do ano: em fevereiro o Ibovespa apresentou perdas de 8,43% — maior queda desde maio de 2018 (-10,87%).

Também como sintoma da incerteza que predomina nos mercados especulativos o dólar vem batendo sucessos recordes de valorização em relação ao real (hoje, 06.03, a cotação está em R$ 4,65). Outro sintoma de pânico nos mercados é o verdadeiro dilúvio de capitais internacionais que escapam do Brasil. A saída líquida de dólares da economia brasileira no ano passado (entradas menos saídas) foi de US$ 44,77 bilhões, maior evasão de divisas do Brasil em toda a série histórica, iniciada em 1982. Os grandes “investidores” (que foram os que fugiram do Brasil no ano passado) têm grande sede de lucros e pernas longas. Têm também informações privilegiadas, as quais nós, meros vendedores da força de trabalho, não temos acesso. O recorde anterior de fuga de capitais tinha sido registrado em 1999, quando o saldo cambial (diferença entre as entradas e saídas de dólares) ficou negativo em US$ 16,18 bilhões.

Se vier uma crise financeira agora, de grandes proporções como se está desenhando, pegaria o Brasil no contrapé, já que, a partir do golpe em 2016, o pais aumentou muito sua fragilidade externa. Por exemplo, o governo está queimando as reservas internacionais deixada pelo governo Dilma Roussef, na tentativa de deter o aumento do câmbio. Outro risco não desprezível é a possibilidade da elevação da inflação, em função da pressão do câmbio. A desvalorização do real ameaça contaminar os preços internos, via importações de insumos e outros, e haver uma elevação significativa da inflação. Um aumento da inflação em meio a uma estagnação econômica monstruosa como a atual, poderia significar o fim do governo Bolsonaro.

O fato concreto é que os próprios eixos de política econômica do governo, por si, são fontes de enorme insegurança para investidores. Entrega de riquezas e mercados e grandes ataques aos direitos dos trabalhadores, só interessam aos países ricos e às multinacionais. Mas os super ricos que vivem no Brasil não têm o que reclamar do governo Bolsonaro. Por exemplo, o lucro líquido dos 4 maiores bancos do país, com ações na Bolsa cresceu 18% em 2019, na comparação com o ano anterior. Os ganhos acumulados desses 4 bancos, no ano passado, somaram R$ 81,5 bilhões ante R$ 69,1 bilhões em 2018. Isto num ano em que a economia como um todo cresceu meros 1,1%, a indústria permaneceu estagnada, e os indicadores de desigualdade explodiram.

_

José Álvaro Cardoso é economista e supervisor técnico do DIEESE em Santa Catarina.

 

 

A opinião do/a autor/a não necessariamente representa a opinião de Desacato.info.

#RedeDeJornalismoSolidário

#SomandoVozes

_____________
Assista hoje ao #JTTDiário #6, 18 h. Desacato.info e redes sociais:

Hoje no #JTTDiário #6: Dia Internacional da Mulher em Florianópolis

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.