Polícia encontra cocaína em blocos de mármore, em caso semelhante ao do Helicoca

Por Joaquim de Carvalho.

A imagem é impressionante. A retroescavadeira levanta uma bola de concreto e solta num bloco de mármore. Na primeira vez, nada acontece. Na segunda, o bloco de mármore, de 22 toneladas, se parte. O braço mecânico do trator sacode o bloco de mármore e se vê lá dentro, como o recheio de um ovo de páscoa, tabletes de pasta pura de cocaína. “Ele botam isopor, mano!”, constata um dos que gravam a cena, provavelmente policial.

A operação foi em uma marmoraria de Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo, conduzida pela Policia Federal na semana passada. Foi o desdobramento de uma operação que guarda semelhanças com o caso dos 445 quilos de pasta base de cocaína apreendidos em novembro de 2013 num helicóptero da família do senador Zezé Perrella.

A operação, chamada Blockbuster, localizou traficantes mexicanos instalados em Belo Horizonte e Nova Lima, Minas Gerais, que usavam o porto de Vila Velha, no Espírito Santo, para transportar cocaína produzida na Colômbia. Segundo o chefe da Delegacia de Repressão a Drogas da Polícia Federal, Leonardo Damasceno, em geral, os blocos saíam do Porto de Vitória, seguiam para Santos, no litoral de São Paulo, de onde eram levados para o continente europeu.

No caso, segundo a polícia, a cocaína seria transportada para a Bélgica. A rota não é a única coincidência com o caso que envolveu o helicóptero da família do senador — que foi inocentada pela Polícia Federal, que, com base na investigação, concluiu que o piloto dos Perrella usou a aeronave sem o consentimento dos proprietários.

Outra coincidência é a quantidade de droga — quase meia tonelada — e o mármore. Um dos envolvidos no caso Helicoca, o empresário Elio Rodrigues, declarou à polícia que uma de suas fontes de renda era a marmoraria Arte Rochas, em Itapemirim.

Em outro depoimento no processo, Elio Rodrigues é apresentado como dono de uma empresa de granito em Cachoeiro de Itapemirim — além do mármore, a PF encontrou droga escondida em granito. Elio chegou a ser indiciado, denunciado e processado por tráfico de drogas, apontado como a pessoa que comprou a fazenda onde o helicóptero pousou.

Existe imagem da presença dele numa agência bancária, em que faz o depósito do sinal para a compra da fazenda. Com a quebra de sigilo telefônico, descobriu-se que Elio também trocou mensagens com o empresário Robson Ferreira Dias, este preso em flagrante, quando ajudava a descarregar a droga do helicóptero e colocar em seu carro.

No depoimento, Elio contou que conheceu Robson por tratativas para a negociação de um jogador de futebol profissional para o Desportiva Ferroviária, de Vitória. Mas negou participação no tráfico de cocaína.

Com a descoberta de utilização de marmoraria para ocultar cocaína transportada para a Europa, a suspeita sobre Elio poderia aumentar.

Mas Elio já foi excluído do processo por decisão judicial, que aceitou o pedido da defesa de que não havia provas suficientes sobre o envolvimento dele com a droga apreendida no helicóptero.

Por enquanto, apenas quatro pessoas respondem pela apreensão da droga transportada no helicóptero — dois pilotos, o empresário Robson e um jardineiro, contratado para fazer o trabalho braçal.

Quase quatro anos depois, eles ainda não foram julgados. Também não se sabe quem são os reais proprietários da cocaína. No processo, o nome que aparece é Halley, que ninguém sabe quem é.

Fonte: Diário do Centro do Mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.