Poeta brasileiro doa honorários à causa antiterroristas cubanos

Prensa Latina.- O poeta brasileiro Thiago de Mello doou hoje os honorários que receberia por participar da I Bienal do Livro do Amazonas à causa pela libertação dos cinco antiterroristas cubanos, presos injustamente nos Estados Unidos.

Em declarações à Prensa Latina por telefone desde Manaus, capital do estado brasileiro do Amazonas, Mello ressaltou que seu gesto não é pessoal, mas sim da poesia brasileira e que o mesmo busca criar consciência para que muito mais pessoas se somem à batalha pela libertação de Gerardo Hernández, Antonio Guerrero, René González, Ramón Labañino e René González.

Explicou que pediu à empresa Fagga/GL Exhibitions, organizadora da I Bienal, que deposite na conta dos Cinco – como são conhecidos no mundo -, no Banco Financeiro de Cuba, o dinheiro que receberia por suas conferências e por um recital no evento do livro, que iniciou-se hoje e deve terminar no dia 6 de maio.

Nascido em Barreirinha, um município do interior de Amazonas, no dia 30 de março de 1921, Thiago de Mello é um dos poetas mais influentes e respeitados do Brasil, reconhecido como um ícone da literatura regional. Algumas de suas obras foram traduzidas para mais de 30 idiomas.

Mello tornou público o anúncio de sua doação à causa dos Cinco durante a inauguração do encontro, ao participar de um Tacacá Literário – em homenagem a um prato típico amazonense – sobre a importância da leitura no fortalecimento da cidadania.

Afirmou que ao revelar sua decisão recebeu um caloroso aplauso dos presentes e então pediu-lhes que utilizem todas as vias possíveis para pressionar o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a libertar e permitir o regresso a Cuba dos cinco cubanos, lutadores contra o terrorismo.

O poeta, um dos milhares de brasileiros presos durante a ditadura militar (1964-1985), afirmou que sua doação é uma modesta contribuição à campanha mundial que se desenvolve no mundo para acabar com a injusta prisão a qual foram submetidos os cinco cubanos, que já dura quase 14 anos.

Depois de assegurar que leva Cuba em seu coração, o afamado poeta amazonense afirmou que a melhor notícia é que, ao conhecer seu gesto, a editora de seus livros manifestou sua disposição de seguir seu exemplo e fazer também uma contribuição à causa dos antiterroristas.

Os Cinco foram presos no dia 12 de setembro de 1998 na cidade estadunidense de Miami. Um processo irregular celebrado ali condenou-os em 2001 a sentenças que vão até a dupla prisão perpétua mais 15 anos.

Personalidades e organizações mundiais têm defendido estes lutadores, que apenas vigiavam atividades extremistas de grupos violentos de origem cubana em Flórida para alertar seu país sobre ações terroristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here