Poder 360: Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e João Doria estão fora da sucessão de Temer

Publicado em: 19/05/2017 às 09:09
Poder 360: Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e João Doria estão fora da sucessão de Temer

Todos os operadores da política ligados ao governo disseram ao Poder360 que ficou insustentável a permanência de Michel Temer (PMDB). Eventual queda do presidente levará a uma nova eleição, direta ou indireta. É questão de horas ou dias, no máximo, o desfecho.

Nomes em profusão têm aparecido. Porém, há 1 óbice importante: a lei complementar 64 determina que só pode concorrer quem estiver fora de cargos no Executivo, no Judiciário e no Ministério Público há, pelo menos, 6 meses. Por exemplo, nenhum ministro de Estado, prefeito, governador ou magistrado pode disputar a sucessão de Temer nesse momento.

UMA LEGIÃO FICA DE FORA

Não podem concorrer, por exemplo:

  • Cármen Lúcia, presidente do STF
  • Gilmar Mendes, presidente do TSE
  • João Doria, prefeito de São Paulo
  • Geraldo Alckmin, governador de São Paulo
  • Sérgio Moro, juiz da Lava Jato
  • Rodrigo Janot, procurador-geral da República
  • todos os ministros de Estado
  • todos os governadores
  • todos os prefeitos
  • todos os juízes
  • todos os integrantes do Ministério Público

QUEM ESTÁ DENTRO?

São elegíveis para a cadeira de Michel Temer deputados federais e senadores, por exemplo. Ou qualquer brasileiro com 35 anos de idade ou mais e que neste momento não esteja exercendo cargo eletivo em algum posto no Poder Executivo, no Ministério Público nem seja magistrado. Também é necessário estar filiado a 1 partido político há 6 meses. Estão nessa categoria, entre outros:

  • Lula, ex-presidente
  • Nelson Jobim, ex-ministro da Justiça
  • Marina Silva, ex-ministra e hoje líder da Rede
  • Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente
  • Jair Bolsonaro, deputado federal (PSC-RJ)
  • Rodrigo Maia, deputado (DEM-RJ) e presidente da Câmara
  • Eunício Oliveira, senador (PMDB-CE) e presidente do Senado
  • Joaquim Barbosa, ex-ministro do STF, foi relator do mensalão
  • Luciano Huck, apresentador da Rede Globo (se tiver filiação partidária)
  • Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo
  • Ciro Gomes, ex-governador do Ceará

COMO SERÁ A ESCOLHA DO SUCESSOR

Aqui está uma simplificação, mas também 1 bom resumo: 1) se Michel Temer renunciar, haverá uma eleição indireta, no Congresso, em 30 dias; 2) se o TSE cassar a chapa Dilma-Temer, devem ser realizadas eleições gerais, diretas. O Poder360 detalhou esses cenários neste post.

PODER360 ANALISA

As forças que comandam o país junto com Michel Temer preferem uma eleição indireta. Entrarão em confronto com as ruas, que vão pressionar por uma escolha direta. É cedo para saber o desfecho. Depende de quem será apresentado como candidato do establishment e da força com que os movimentos de oposição mobilizarão os brasileiros nos próximos dias.

NÃO HÁ TEMPO PARA IMPEACHMENT

Apesar de os pedidos terem começado a chegar ao Congresso, o Poder360 avalia que 1 impeachment não será considerado como saída para a atual crise. Michel Temer sairá da cadeira 1) por renúncia ou 2) via cassação da chapa Dilma-Temer, no TSE.

Fonte: Poder 360.

Deixe uma resposta