Pobreza Política

pobreza-polPor Thiago Burckhart, para Desacato.info.

Em um de seus escritos mais conhecidos Hannah Arendt definiu a política como a convivência entre diferentes. A humanidade se organiza politicamente para certas finalidades em comum num espaço em que a pluralidade é a base. Para a pensadora, a humanidade se realiza na política no tocante aos direitos iguais que os mais diferentes garantem a si próprios. É exatamente neste ponto, na garantia e concessão voluntária de uma reivindicação juridicamente equânime entre todos, que se reconhece e se concretiza a pluralidade da humanidade.

A comum diferença na humanidade – que é o que atribui a sua própria existência – é a marca do pensamento político de Hannah Arendt. A política, nesse contexto, é a arte de se relacionar com o diferente em pé de igualdade. Trata-se do desafio do reconhecimento e da alteridade enquanto prática política, ideário que pontua grande parte do pensamento moderno e ainda se coloca como questão chave do nosso tempo. Igualdade e diferença ainda são reivindicações políticas, sociais e morais contemporâneas. São elevados a um caráter de centralidade na atualidade, em que se convive com a ascensão social e política de autoritarismos, fundamentalismos e fascismos.

Política como reconhecimento

A pobreza política, nas palavras de Pedro Demo, é uma tragédia histórica, na mesma direção da pobreza socioeconômica, e se demonstra, dentre outras coisas, na incapacidade de institucionalização da democracia. A pobreza política guarda profunda relação com a pobreza socioeconômica, de modo que existe uma tendência – que nem sempre é totalmente certa – do sujeito economicamente pobre ser também politicamente pobre. Para Pedro Demo, a pobreza política está relacionada com a incapacidade de estabelecer vínculos de cidadania, de ser capaz de ter consciência política e de se organizar para a defesa de seus direitos.

No entanto, a pobreza política também se manifesta na incapacidade de compreensão da política enquanto relação de diferentes, implicando na subalternização de determinadas diferenças. Quando se nega direitos de igualdade a alguém pelo simples fato de ser “diferente” – de acordo com o padrão estético do poder – também há aí a construção de uma relação de pobreza política, onde a política é reduzida à violência e discriminação.

Nesse contexto, grande parcela da população mundial vive imersa em contextos de subcidadania e pobreza política. As reivindicações por reconhecimento, marcas do nosso tempo, ainda ocorrem porque os ideais não foram plenamente efetivados, e se encontram em risco de ser ainda mais negligenciados – como demonstrou recentemente a Womens’ March nos Estados Unidos, mas também de diversos outros movimentos no Brasil, América Latina e Europa.

Pensando o contexto brasileiro

Recente pesquisa realizada pela Latinobarómetro e publicada em setembro de 2016 demonstrou que o apoio à democracia na América Latina caiu novamente em 2016. O respaldo ao ideário democrático entre latino-americanos passou de 56% a 54%. Cresceu na mesma proporção o percentual de pessoas que se consideram “indiferentes” ao fato de um regime ser democrático ou não, passando de 20% para 23%. O Brasil é o país que lidera o pessimismo com a democracia, tendo o apoio à democracia caído de 54% (2015) para 32%.

Além disso, somos um dos países mais violentos do mundo. De acordo com dados da ONG Anistia Internacional publicados em 2015, o Brasil mata mais que regiões de guerra e vive uma crise na segurança pública. Também é um dos países que mais mata LGBTs, marcado por repressão a protestos e violência policial, onde a tortura cresceu mais na democracia formal que no período de ditadura, que convive com uma realidade de criminalização do aborto, da pobreza, impunidade histórica aos detentores do poder político e econômico e relação difícil entre Estado e minorias étnico-raciais.

Os dados são preocupantes para o país e demonstram que o Brasil convive com uma democracia de baixa (ou baixíssima) intensidade, marcada por uma profunda desigualdade econômica, onde a política se reduz (em muitos casos) a pura violência. Eles ainda evidenciam que o não reconhecimento é uma construção sociocultural que pode ser projetada nas instâncias políticas. O contrário da pobreza política é a cidadania organizada, que compõe a formação de organizações fortes e ativas, movimentos sociais, pressão política, consciência sobre sua dinâmica e não-subalternização. Nesse sentido, o reconhecimento da pobreza política é o primeiro passo para superá-la e para construir laços de emancipação subjetiva e objetiva. É somente mediante essa tomada de consciência que será possível reverter este quadro preocupante que marca a realidade brasileira.

Thiago Burckhart é Pesquisador e Mestrando em Direito pela UFSC.

Imagem: Livro Pobreza Política, de Pedro Demo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.