Pobreza cresce na América Latina e já atinge 184 milhões de pessoas

A pobreza extrema na América Latina aumentou e é a maior desde 2008. O dado é do relatório Panorama Social 2018, divulgado ontem, quarta-feira (16/01) pela Comissão Econômica da América Latina e do Caribe (Cepal).

Imagem: Pixabay.

O levantamento aponta que o número de pessoas vivendo na pobreza em 2017 chegou a 184 milhões, o que representa 30,2% da população da região. Destas, cerca de 62 milhões de pessoas (10,2% da população) se encontravam na extrema pobreza, o maior índice desde 2008.

Apesar da taxa geral da pobreza, que é medida pela renda, ter se mantido estável em 2017, a proporção de pessoas em situação de extrema pobreza continuou crescendo, seguindo uma tendência observada desde 2015. Coincidentemente, foi a partir deste mesmo período que governos com perfil de centro-esquerda e maior comprometimento com questões sociais passaram a ser substituídos em muitos países da região por governos direitistas alinhados com o neoliberalismo.

“Ainda que a região tenha atingido importantes avanços entre a década passada e meados da presente, desde 2015 foram registrados retrocessos, particularmente em matéria de extrema pobreza”, explicou a secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena.

Frente a este desafio, Alícia acredita que os países da região precisam dedicar esforços a melhorar as políticas públicas complementares de proteção social e inclusão no mercado de trabalho, bem como impulsionar políticas de redistribuição de renda.

Diferentes níveis de pobreza

O estudo do Cepal indica que há diferenças sobre os níveis de pobreza e de pobreza extrema entre os países da América Latina. No Chile e Uruguai, por exemplo, a taxa de pobreza é inferior à 15% da população. Já em outros sete países, a taxa fica entre 15% e 25%, sendo que em seis nações a pobreza afeta mais do que 25% da população.

A expectativa da Cepal é que um provável crescimento do PIB em 2018 possa contribuir para uma pequena redução na taxa de pobreza, embora acreditem que a taxa de pobreza extrema deva se manter igual.

Relação entre pobreza e pobreza extrema

Os números apresentados no relatório também indicam uma relação direta entre as taxas de pobreza e de pobreza extrema. Argentina, Chile, Costa Rica e Uruguai têm taxas de extrema pobreza abaixo de 5%, Brasil, Equador, El Salvador, Panamá, Paraguai, Peru e República Dominicana têm taxas entre 5% e 10% e o restante dos países apresentam taxas acima de 10%.

Ao analisar os países que obtiveram as maiores reduções da pobreza entre os anos de 2012 e 2017, percebe-se que em países como o Chile, El Salvador e República Dominicana o aumento da renda do trabalho nos domicílios com menores recursos foi a fonte que mais contribuiu para essa diminuição. Já na Costa Rica, Panamá e Uruguai os principais fatores que contribuíram foram as pensões e transferências recebidas pelos domicílios com menores recursos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.