Pilhagem da água da América do Sul

Cataratas do Iguaçu

Por Elliott Gabriel.

No Brasil, o lobby intenso está em andamento desde, pelo menos, 2016 e estima-se que atinja o aquífero Guarani e outros, como o de  Alter do Chão no estado do Para. Esses esforços caíram sob o destaque no mês passado no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, onde  foram relatadas conversas privadas entre o presidente do Brasil, Michel Temer, e uma série de altos executivos com interesses nos aquíferos, incluindo o CEO da Nestlé, Paul Bulcke, Anheuser-Busch O CEO da InBev, Carlos Brito, o CEO da Coca-Cola, James Quincey, e o CEO da Dow Chemical, Andrew Liveris.


Como o principal ativista brasileiro de direitos de água Franklin Frederick  observou no Brasil de Fato , essas empresas pertencem ao 2030 Water Resources Group (2030WRG), um consórcio transnacional que inclui AB Inbev, Coca-Cola, Dow, Nestlé e PepsiCo. 2030WRG conta-se como “uma colaboração única público-privada-sociedade civil” e esconde sua intenção de privatizar os recursos hídricos das nações em desenvolvimento, alegando “facilitar processos de diálogo abertos e baseados em confiança para impulsionar a reforma dos recursos hídricos em países estressados ??pela água nas economias em desenvolvimento “e” reduzir o fosso entre a demanda e a oferta de água até o ano de 2030 “.

O golpe de Temer e o “novo Brasil”

Um índio guarani mantém uma bandeira que lê em português "Agora!", Durante um protesto contra o plano do presidente Michel Temer para restringir os títulos de terra às comunidades indígenas, em Brasília, Brasil, 30 de agosto de 2017. (AP / Eraldo Peres)

O presidente não eleito do Brasil, Temer, não é estranho aos poderes de poder radicais: o chefe de Estado profundamente impopular chegou ao poder em agosto de 2016 por um golpe legislativo que depôs sua antecessora, Dilma Rousseff. Desde então, seu governo implementou uma ampla reestruturação da maior economia da América Latina e reverte as políticas progressistas estabelecidas pelo governo anterior do Partido dos Trabalhadores, como proteções ambientais, programas de redução da pobreza, proteções trabalhistas e barreiras à privatização de recursos naturais .

De acordo com o Correio do Brasil , as negociações entre figuras golpistas e conglomerados transnacionais sobre a privatização do Aquífero Guarani começaram antes que o julgamento (golpe vendido como impeachment) da ex-presidenta eleita Rousseff tivesse começado. Em um  artigo de agosto de 2016 intitulado “Multinacionais querem privatizar o uso da água e Temer negocia”, um alto funcionário da Agência Nacional de Águas do Brasil observou que uma audiência pública sobre a privatização da água foi adiada no mesmo dia em que o processo de impeachment começou, porque as negociações Entre Temer, Coca-Cola e Nestlé já estavam “avançando” em um ritmo acelerado.

O jornal notou:

Os representantes de [Nestlé e Coca-Cola] realizaram reuniões com as autoridades governamentais para formular procedimentos de exploração por empresas privadas de fontes de água, especialmente no Aquífero Guarani, em contratos de concessão por mais de 100 anos – acrescentou o alto funcionário.

No fórum de Davos, Temer anunciou o histórico de 20 meses de seu governo de transformar o Brasil em um país facilmente explorável, rico em oportunidades para as elites capitalistas transnacionais:

O novo Brasil que está de volta aos negócios … é um país mais próspero e mais aberto – um país com mais oportunidades de investimento, mais oportunidades para comércio e negócios … Neste curto período de tempo, conseguimos mudar radicalmente o rosto do Brasil “.

A riqueza de água do Brasil tem sido uma fonte de lucro para as indústrias de exportação do país, que lidam com commodities como carne bovina, biocombustíveis, arroz e petróleo e gás extraídos através de fraturamento hidráulico. No entanto, a desregulamentação do controle público sobre o uso da terra e o gerenciamento de recursos resultou na pilhagem imprudente de recursos hídricos, poluição grave e pechinchas de terra que afetam as nações indígenas e os rurais pobres da região.

Enquanto um terço do Aquífero Guarani está além das fronteiras do Brasil, os governos de direita da vizinha Argentina e Paraguai também concordaram em conceder concessões de 100 anos às empresas que desejam explorar o aquífero, com apenas o governo do centro do Uruguai se recusando para aprovar a aprovação.

Militarização e roubo imperialista dos recursos da América Latina

Os manifestantes indígenas de vários grupos étnicos carregam caixões que representam os índios mortos na demarcação da terra, enquanto exigem a demarcação de terras indígenas, fora do Congresso Nacional em Brasília, Brasil. Em maio, o Congresso aprovou duas medidas que convertem cerca de 1,4 milhão de acres de terras protegidas, a grande maioria da Amazônia, em áreas abertas para exploração madeireira, mineração e uso agrícola. (AP / Eraldo Peres)

O empurrão para privatizar o Aquífero Guarani vem em meio a uma militarização crescente da região pelo Pentágono.

Em maio de 2016, o governo neoliberal do presidente argentino, Mauricio Macri, concordou em conceder permissão aos militares dos EUA para construir uma base na região da selva, conhecida como a Triple Border (tríplice fronteira, Argentina/Brasil/Paraguai), que fica diretamente sobre o Aquífero Guarani nas fronteiras da Argentina, Brasil e Paraguai. Funcionários dos EUA e figuras da mídia reivindicaram há muito tempo que a área é um viveiro de supostas atividades criminosas, como o narcotráfico e a contra facção, destinados a levantar fundos para o movimento de resistência libanesa Hezbollah.

Já em 2004, críticos como Elsa Bruzzone, do grupo de veteranos progressistas da Argentina, CEMIDA, acusaram os EUA de alegar uma “presença terrorista” na região “para que eles possam instalar uma base militar e exercer controle sobre a água”.

+ Privatização do aquífero Guarani, nossa maior reserva de água, será da Coca-Cola ou da Nestlé

Relativamente a uma percepção comum, o observador Vincent Lofaso do Conselho sobre Assuntos Hemisféricos também  observa que o interesse de Washington na Triple Fronteira pode ter mais a ver com as abundantes reservas de água do aquífero do que com o chamado “terrorismo internacional” e diz que os novos EUA A base privará as comunidades indígenas locais de acesso a fontes de água limpas, pesca e liberdade para navegar em sua região.

Sob Temer, os estabelecimentos de defesa dos Estados Unidos e do Brasil formaram uma relação cada vez mais próxima, lembrando laços estreitos entre Washington e São Paulo durante a ditadura militar de 21 anos  que governou o país após o golpe de direita de 1964. Em novembro passado, o pessoal militar dos EUA participou de exercícios militares na Amazônia brasileira envolvendo 2.000 soldados do Brasil, Colômbia e Peru – todos os países que têm governos de direita que avançaram políticas corporativas de linha dura.

+ Nestlé admite envolvimento em trabalho escravo

À medida que a chamada “maré rosa” dos governos eleitos progressivos na América Latina recua e os EUA  reafirmam uma Doutrina Monroe reivindicando soberania sobre as Américas, o mundo enfrenta um perigo cada vez maior de que nosso ambiente compartilhado inestimável cairá como fruta madura no mãos de corporações transnacionais obcecadas com ganhos de curto prazo em vez de proteger as necessidades básicas da humanidade para as gerações presentes e futuras.

Top Photo | Os turistas visitam as Cataratas do Iguaçu no Brasil. As quedas fazem parte do maior reservatório de água doce do mundo, conhecido como o Aquífero Guarani. Eles estão no meio da selva espessa que tem mais de 1.000 plantas e centenas de espécies animais., 15 de março de 2015. (AP / Jorge Saenz)

Elliott Gabriel é ex-escritor da equipe para teleSUR English e um colaborador da MintPress News, com sede em Quito, Equador. Ele tomou uma parte extensa em advocacia e organização nos movimentos pró-trabalhistas, de justiça migrante e de responsabilidade policial do sul da Califórnia e da Costa Central do estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here