PIB brasileiro recua 0,2% no primeiro trimestre de 2019

Com o recuo do PIB (Produto Interno Bruto), o dólar à R$3,98 e a destruição das indústrias nacionais, o governo Bolsonaro se mostra incapaz de resolver os principais problemas do país.

No primeiro trimestre, o desemprego atingiu, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o desemprego atingiu 12,4%, o que equivale à 13 milhões de pessoas desempregadas.

Redação São Paulo de A Verdade.


O IBGE informou na quinta-feira (30) um recuo expressivo do PIB brasileiro de 0,2%, no período de janeiro a março de 2019 que, em comparação com o 1º quadrimestre de 2018, determina ao Brasil um período de completa estagnação e recessão.

Dentro desta realidade, destaca-se a destruição do complexo industrial brasileiro. Segundo o economista da USP Paulo César Morceiro, autor do livro “Desindustrialização na economia Brasileira no período 2000-2011: abordagens e indicadores”, o papel da indústria nacional recuou de 11,3% em 2018 para 10,4%, ou seja, um recuo de 0,7% de acordo com a nova pesquisa levantada sobre o IBGE.

Ainda segundo Paulo Morceiro, a participação da indústria no PIB nacional será abaixo dos 10% já em 2020, devido ao processo de desindustrialização vertiginoso que vem acontecendo desde a ditadura militar brasileira. Em contraposição, o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP) diz somente que teremos uma recuperação baixa da indústria em 2021, quando talvez teremos o mesmo número de pessoas empregadas na indústria de transformação semelhante a 2011. O que, para a classe operária, não é nenhum motivo de comemoração, pois representa a repetição da pobreza, baixos salários e medos que os trabalhadores da indústria sofriam em 2011.

A administração burguesa da economia se mostra ineficiente para suprir as necessidades de desenvolvimento nacional. Ora, um responsável pelo recuo de 0,7% da participação da indústria se deve à queda do setor extrativo, que marcou uma queda de gigantes 6,3% por conta do rompimento da barragem de brumadinho.


Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Dessa forma, vemos a incompetência e como a administração da burguesia é ultrapassada diante das atuais necessidades dos trabalhadores e do desenvolvimento nacional. Os trabalhadores hoje sentem-se desamparados e revoltados diante dessa crise que não tem sinais de melhoras. Ora, se a administração burguesa não é capaz de se sustentar, como vem mostrando desde 2008, então a classe operária deve fazer uma revolução, com o objetivo de expropriar os meios de produção e controlar a economia do Brasil. E, assim, controlar a crise, reorganizar as prioridades e atender os interesses imediatos de todos os trabalhadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.