PF de Moro vaza conversa de Manuela com hacker para o Estadão

O site do Estadão, que foi porta-voz da Lava Jato durante toda a operação, vazou conversa de Manuela com Walter Delgatti para tentar intimidar Glenn Greenwald e a ex-deputada

Foto: Divulgação/@manueladavila

A Polícia Federal do ministro da Justiça e ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro, divulgou seletivamente ao jornal Estadão um inquérito sigiloso sobre as conversas entre a ex-deputada Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) e Walter Delgatti, hacker que teve acesso às mensagens de Telegram de procuradores e demais autoridades da Lava Jato.

A matéria “Nove dias de diálogo entre Manoela e o hacker ‘Vermelho’”, publicada nesta terça-feira (1), revela conversas superficiais e de pouca relevância no âmbito da Vaza Jato. Entre comentários sobre a grafia do nome da ex-deputada e menções ao aplicativo de relacionamento Tinder, a reportagem do Estadão assume clara tentativa de incriminar o contato entre os dois.

A reportagem cita que os diálogos estão anexados ao inquérito da Operação Spoofing, com 38 prints de conversas. “A organização das mensagens foi feita pela própria defesa de Manuela e mostram que o diálogo entre os dois continuou mesmo depois que as mensagens roubadas de procuradores da Lava Jato”, diz a matéria.

Leia mais: 10 diferenças entre o fascismo (e o nazismo) e o socialismo

Um dos destaques da reportagem aos diálogos vazados está em uma fala de Delgatti, que demonstra desejo de expor o teor das conversas interceptadas para “fazer justiça”. “Quero Justiça, não quero dinheiro. Desculpa eu entrar no seu Telegram, foi um mal necessário”, afirmou, acrescentando o fato de ter, segundo ele, “oito Teras (bytes) de coisa errada”.

Em outra parte das conversas, Manuela disse que Glenn era a “melhor pessoa” para ter repassado o conteúdo hackeado. Delgatti, por sua vez, disse que não havia pensado no nome do jornalista antes, mas depois reconheceu ter sido esta a “melhor saída”.

Manuela também se mostrou preocupada com o fato de o celular do então deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) ter recebido uma ligação, do seu Telegram, sem que ela de fato tivesse efetuado tal chamada. “Oi, você ligou para o Jean do meu Telegram?”, questionou Manuela. Walter, imediatamente, respondeu: “Liguei no dia hahahaha. Para tentar falar com ele. Aí quando falei com você. Eu saí e não liguei mais”, diz ele, sugerindo: “Diz que foi um equívoco”.

Na semana passada, mais duas instituições confirmaram seu apoio à docuficção “Quarenta”: o Sinasefe e o Sindsaúde. Você também pode fazer parte da campanha de financiamento coletivo. Para contribuições individuais, clique em  catarse.me/quarenta

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.