Pesquisadores pedem cuidados com o patrimônio cultural do Contestado

A decisão de elaborar uma “Carta” alertando para a necessidade de preservação do patrimônio material e imaterial do Contestado marcou o encerramento do Simpósio do Centenário do Contestado – Sessão Florianópolis, realizado entre 29 de maio (terça) e 1º de junho (sexta-feira) nas dependências da UFSC.

O anúncio da “Carta” foi feito pelo coordenador do evento, professor Paulo Pinheiro Machado (UFSC), que fará parte da comissão de elaboração do documento ao lado de Delmir José Valentini (UFFS) e Márcia Janete Espig (UFPel), entre outros pesquisadores do tema.

A preocupação é com os locais de combates, redutos e cemitérios, as fontes e cruzeiros, locais de oração e a religiosidade de São João Maria, entre outros sítios e manifestações. Serão buscados os apoios da Associação Nacional de História (Anpuh) e de outras instituições ligadas à preservação da memória.

O Simpósio em Florianópolis reuniu 36 pesquisadores de vários estados e dois da Argentina, levando Pinheiro Machado a destacar uma “nacionalização” do tema Contestado, antes restrito a Santa Catarina e estados vizinhos. A próxima sessão do Simpósio será em Pelotas-RS (UFPEL, 29 a 31 de agosto) e Chapecó-SC (UFFS, de 18 a 22 de outubro).

“Rede de estudiosos”

Confira abaixo a mensagem encaminhada pelo professor Paulo Pinheiro Machado aos participantes do Seminário na UFSC:

Prezados colegas,

É com muita satisfação que agradecemos ao empenho e ao especial esforço de todos na primeira sessão do Simpósio do Centenário do Contestado, realizado em Florianópolis, na UFSC, entre 29 de maio e 1 de junho. Foram apresentados os trabalhos de 36 pesquisadores (em Conferências, Mesas de Comunicação de Trabalhos e banners de estudantes de Iniciação Científica) e – em que pese a greve dos transportes públicos – a inscrição de 100 ouvintes (entre estudantes de graduação, pós-graduação e profissionais).

Nossas próximas sessões de Pelotas (UFPEL, 29 a 31 de agosto) e Chapecó (UFFS, de 18 a 22 de outubro) deverão dar continuidade ao processo de debate e formação de uma rede de estudiosos sobre o Contestado e a História, a Memória, a Economia, a Cultura e a Sociedade do Brasil Meridional agregando, além de um grupo de participantes da sessão de Florianópolis, novos pesquisadores sobre estas temáticas.

Renovamos nosso reconhecimento às Instituições apoiadoras: CAPES, Programa de Pós-Graduação em História da UFSC, Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFSC, PET-História da UFSC, UFPEL e UFFS.

Atenciosamente,

A Comissão Organizadora.

Fonte: http://www.daquinarede.com.br/

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.