Pesquisa na Biblioteca Nacional resgata nomes da literatura feminina

escritoras75208

A escritora carioca Albertina Bertha (1880-1953) publicou diversos romances e obras filosóficas. Também colaborou com diversos periódicos da imprensa da sua época. Em palestras, falava sobre divórcio, voto feminino e casamento por escolha. “Era uma mulher muito à frente do seu tempo. Ela tem um discurso feminista e intelectual e conta com uma produção intensa e rica”, explica Anna Faedrich, pesquisadora residente da Biblioteca Nacional.

Desde outubro do ano passado, Anna Faedrich vem resgatando nos arquivos, livros e jornais da Biblioteca Nacional essas escritoras pioneiras que abriram caminho para autoras consagradas como Raquel de Queiroz e Clarice Lispector. O objetivo é estudar mulheres escritoras da virada do século 20 para o 21 e entender por que ficaram desconhecidas ao longo do tempo.

O interesse de Anna pelo assunto surgiu durante sua tese de mestrado, em Porto Alegre (RS). “É incrível pensar numa mulher, como Albertina, falando sobre isso naquela época e para vários homens. Dava palestras até em Paris, vinha de uma família rica, era filha do conselheiro Lafayette Stockler”, explica ela, que desenvolve a pesquisa “As mulheres do século 19 e a imprensa periódica”.

Esquecimento cultural

Além de Albertina, a pesquisadora pretende identificar a participação das autoras em jornais e periódicos e resgatar do esquecimento esses nomes importantes do espaço literário da época. Nesse levantamento, outras escritoras já chamam a atenção da pesquisadora.

São os casos de Adelina Amélia Lopes Vieira, que escreveu poemas, contos infantis e peças de teatro, e de Narcisa Amália de Campos, considerada a primeira jornalista profissional no Brasil. Natural de São João da Barra (RJ), Narcisa defendia a abolição da escravatura, as mulheres e os excluídos na sociedade. Também escreveu diversos poemas.

Segundo a pesquisadora, essas mulheres foram apagadas da história da literatura e são desconhecidas do grande público.

“Acredito que há um cânone literário predominantemente masculino, mas também acredito que o teor das obras literárias influencia a sua permanência ou não neste cânone”, afirma. “Obras literárias da linhagem da introspecção acabam sendo desvalorizadas em relação às obras de linhagem sociológica e histórica, que tratam da formação do Brasil.”

Para realizar a pesquisa, Anna conta com amplo acervo da Biblioteca Nacional e seus recursos tecnológicos. “A hemeroteca (sistema online gratuito de busca e de acesso a periódicos nacionais) é um achado, uma grande ferramenta com sistema de busca altamente qualificado”, afirma.

“Tenho acesso a jornais antigos e posso ver e pesquisar sem destruir. A leitura em OCR (tecnologia de reconhecimento óptico de caracteres) permite fazer a busca por palavras, ampliando a capacidade de pesquisa e reduzindo tempo de busca por informações”, elogia.

Fonte: MinC, com informações do Portal Vermelho

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.