Paulo Guedes indica liberal Castello Branco para chefiar Petrobras

Foto: Reprodução Portal Vermelho.

Ex-integrante do governo Sarney (1985), Castello Branco já vinha colaborando com a equipe de Bolsonaro durante a campanha presidencial. Ele deve assumir a pasta em janeiro de 2019, até lá a Petrobras será conduzida pelo atual presidente Ivan Monteiro que, segundo informações da imprensa, pode assumir o Banco do Brasil no ano que vem. 

Ex-diretor do Banco Central, da mineradora Vale, Castello Branco é hoje diretor da Fundação Getulio Vargas (FGV), egresso da Universidade de Chicago, de pensamento liberal. Em declaração, disse que “é inaceitável manter centenas de bilhões de dólares alocados a empresas estatais em atividades que podem ser desempenhadas pela iniciativa privada”.

Em artigo publicado na Folha de S.Paulo em junho onde defende a privatização da estatal também destaca a necessidade “de várias empresas privadas competindo nos mercados de combustíveis”.

Com a escolha de mais um defensor da venda do patrimônio brasileiro para o capital internacional, a polêmica se instalou nas redes sociais. Manifestações contrárias ao governo Bolsonaro, apontaram o “nacionalismo de araque” do futuro governo que pretende vender a preço de banana as empresas estatais do Brasil.

Um dos assuntos mais comentado no Twitter com a #Petrobras, personalidades políticas, como os presidenciáveis, Marina Silva e Guilherme Boulos, comentaram sobre a indicação.

Para Marina, “Roberto Castello Branco na presidência da Petrobrás é parte do “Plano Guedes” de privatização da empresa, contrariando a expectativa dos brasileiros de valorização e gestão técnica e eficiente desse patrimônio que deve estar a serviço dos interesses do país”.

Sobre a indicação, Boulos postou que “a retórica de defesa da pátria esconde no projeto de Bolsonaro o entreguismo mais abjeto”.

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann ironizou “A raposa tomando conta do galinheiro!”. Segundo ela, Castello Branco vai para a Petrobras defender sua privatização. “É a entrega do Brasil ao sistema financeiro internacional”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.