Paraguai protesta contra exclusão nas reuniões do Mercosul e Unasul

O parlamentar paraguaio Ignacio Mendoza Uzain, vice-presidente do Parlasul, foi impedido de entrar à Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul, que começa nesta quinta-feira (28/06) em Mendoza, no oeste da Argentina. O encontro ocorre juntamente com a reunião de chefe de Estado da Unasul (União de Nações Sul-americanas)
Membro da Unace (União Nacional dos Cidadãos Éticos), partido do ex-general Lino Oviedo, acusado de tramar um golpe de Estado em 1996, Ignacio defendeu a constitucionalidade do processo de destituição de Lugo  “O impeachment foi feito de acordo com a Constituição paraguaia, ainda que com alguns erros e imperfeições”.
Ignacio também afirmou que o Congresso paraguaio rejeita a entrada da Venezuela no Mercosul por questões relativas a “direitos humanos, liberdade de imprensa e liberdade de expressão” . Ao mesmo tempo, qualificou como “normal” a demissão do diretor da TV Pública do Paraguai. “É natural que um presidente demita um diretor que é da oposição”, defendeu.
O parlamentar criticou a interferência dos países do Mercosul e da Unasul no processo político paraguaio e disse ser um “despropósito”que funcionários paraguaios sejam impedidos de participar das reuniões. “Fala-sede integração, mas não podemos entrar sequer para dialogar”.
Nota
Em comunicado, o Ministério de Relações Exteriores do Paraguai afirmou que “não aceita” a decisão da Unasul de excluí-lo de da cúpula em Mendoza. Para o governo, a decisão “foi tomada sem base jurídica alguma”, informou nesta quinta-feira o Ministério das Relações Exteriores do país.
Em comunicado, a Chancelaria criticou o fato de a decisão ter “sido adotada sem observar as disposições do Tratado Constitutivo da União de Nações Sul-americanas”, em virtude do qual a convocação “só pode ser realizada através da Presidência temporária”, que atualmente é exercida pelo próprio Paraguai.
“A Presidência pró tempore deve preparar e presidir tais reuniões”, mas “foi desconhecida”, de modo que a reunião de Mendoza, realizada em conjunto com uma cúpula do Mercosul que também excluiu o Paraguai, “foi convocada por um procedimento não previsto nem autorizado no Tratado” da Unasul, segundo a nota oficial.
A Chancelaria lamentou que os chefes de Estado e governo da Unasul pretendam debater a crise no Paraguai “sem dar oportunidade ao governo paraguaio de dar sua versão sobre os últimos eventos”, uma semana depois da missão de ministros do bloco que foi a Assunção.
A exclusão da cúpula “não respeita a soberania do Paraguai, desqualifica – indevidamente e sem competência para fazê-lo – o funcionamento de suas instituições democráticas, e desatende a decisão declarada de construir” um espaço de integração sul-americana, acrescenta o texto.
O Ministério das Relações Exteriores do Paraguai citou a falta de base jurídica para a decisão da Unasul, alegando que “não existe norma vigente que autorize a excluir um Estado membro, nem seus representantes” das reuniões do bloco.
“Pelo contrário, no artigo 2 do Tratado Constitutivo se indica claramente que a Unasul tem como objetivo construir, de maneira participativa e pactuada, um espaço de integração e união entre os Estados” membros, mencionou.
A Chancelaria criticou também que seus parceiros da Unasul invoquem, para excluir o Paraguai da reunião de Mendoza, um protocolo sobre compromisso com a democracia que “não está vigente” para os países membros da organização, pois não soma suficientes ratificações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.