Para exigir melhorias na educação, Sem Terrinha participam de audiência com a Casa Civil amanhã, quarta-feira

Publicado em: 10/10/2017 às 16:55
Para exigir melhorias na educação, Sem Terrinha participam de audiência com a Casa Civil amanhã, quarta-feira

Por Catiana de Medeiros.

Comissão de crianças do MST vai se reunir às 16 horas com representantes do governo Sartori no Palácio Piranti, em Porto Alegre (RS)

Para exigir uma série de ações do poder público referente à educação, acampamentos e assentamentos da Reforma Agrária, nesta quarta-feira (11), a partir das 16 horas, crianças Sem Terrinha participam de uma audiência com o chefe da Casa Civil do governo José Ivo Sartori (PMDB) no Palácio Piratini, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. A atividade integra a programação do Encontro Regional dos Sem Terrinha da Região Metropolitana de Porto Alegre, que acontece nesta quarta e quinta-feira (12) no Assentamento Capela, em Nova Santa Rita.

As crianças, de 7 a 12 anos de idade, filhos e filhas de trabalhadores acampados e assentados, entregarão uma pauta que trata de reivindicações de todas as regiões do estado, principalmente na área da educação. Educadores de escolas localizadas em assentamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e o presidente do Parlamento gaúcho, deputado Edegar Pretto, também vão acompanhar a atividade.

Conforme a educadora Josene Aparecida dos Santos, os encontros dos Sem Terrinha não só acontecem para comemorar o Dia das Crianças, mas também para que eles se mobilizem e reivindiquem seus direitos. “As crianças querem que o governo cumpra sua responsabilidade com a educação do campo, que garanta o direito de ter uma escola com qualidade e vinculada às suas realidades. Elas estão em luta pela alimentação saudável, agroecologia e continuidade da política de Reforma Agrária no estado”, explica.

Na audiência com a Casa Civil, os Sem Terrinha se posicionarão contra a reforma do ensino médio e a Lei da Mordaça. Denunciarão que a política de fechamento de escolas do campo, adotada pelo governo Sartori, está ancorada a outras estratégias que precarizam a educação, como o fechamento de turmas, os processos de enturmação e nucleação e a falta de professores e investimentos.

Também reivindicarão ao governo estadual a retomada dos processos administrativos para construção de seis escolas e reforma de duas, para que tenham condições de permanecer estudando nos assentamentos onde moram. Ainda pedirão mais segurança e qualidade nos transportes escolares, garantia de fiscalização dos veículos e melhoria das estradas.

Outra pauta diz respeito à alimentação escolar, que em muitas situações é a principal refeição dos educandos. As crianças querem que 80% dos alimentos adquiridos para a merenda venham da agricultura familiar. Também reivindicam que o valor repassado para a alimentação seja superior a R$ 1,00 para todas as escolas, independente do número de educandos.

Os Sem Terrinha exigirão ainda medidas do governo para assentar famílias acampadas e para proibir a pulverização aérea e combater o uso abusivo de agrotóxicos, especialmente em áreas próximas às escolas. A pauta também traz como reivindicação a ampliação do acervo literário das escolas e a garantia de professores para todas as turmas e áreas de ensino.

Encontros regionais

A audiência na Casa Civil faz parte da 19ª Jornada dos Sem Terrinha do Rio Grande do Sul. Até a próxima sexta-feira (13), acontecerão encontros em cinco regiões do estado onde o MST está organizado, com tema “Reforma Agrária Popular e Agroecologia”. A previsão é que cerca de 1 mil crianças estejam mobilizadas em várias atividades, entre elas a preparação ao 1º Encontro Nacional dos Sem Terrinha, que ocorrerá em maio de 2018 em Brasília.

Em Santana do Livramento e em São Gabriel, na Fronteira Oeste, terá caminhadas e entregas de reivindicações locais ao Ministério Público e órgãos ligados à educação. Já as regiões Norte e Centro do estado terão encontros dos Sem Terrinha no mês de novembro.


Confira o que já foi realizado e o que está previsto em cada região:

Região Metropolitana de Porto Alegre

Local: Assentamento Capela, em Nova Santa Rita
11 de outubro

Manhã — Recepção aos Sem Terrinha
Tarde — Orientações para o 1º Encontro Nacional dos Sem Terrinha, oficinas pedagógicas (maracatu, agroecologia, jogos matemáticos, palhaços, etc.) e audiência com a Casa Civil em Porto Alegre
12 de outubroManhã — Palestra sobre alimentação saudável e cuidados com a terra, visita às unidades de produção da Cooperativa de Produção Agropecuária Nova Santa Rita (Coopan) e trabalhos em grupos
Tarde — Confraternização do Dia das Crianças

Região da Campanha
Local: Centro de Educação Popular e Pesquisa em Agroecologia (CEPPA), no Assentamento Roça Nova, em Candiota.

11 de outubro 

Manhã — Recepção às caravanas das escolas, trabalho temático “Sem Terrinha na agroecologia e as sementes” e montagem do “Varal dos Sem Terrinha”
Tarde — Oficinas pedagógicas (filtro dos sonhos, quadro de sementes, iogurte natural, dança, desenhos, etc.)


Região das Missões
Local: Assentamento Novo São Miguel, no município de São Miguel das Missões
12 de outubro

Manhã — Recepção aos Sem Terrinha
Tarde — Recreação, atividades práticas de biofertilizantes com profissionais técnicos e comemoração ao Dia da Criança

13 de outubro

Manhã — Estudo sobre alimentação saudável

Fronteira Oeste — São Gabriel
Local: Entreposto de resfriamento de leite

11 de outubro

Manhã — Marcha até o Ministério Público e a prefeitura para entrega das pautas de reivindicações
Tarde — Palestra sobre alimentação saudável e sessão de cinema no entreposto de resfriamento de leite

12 de outubro

Manhã — Gincana e entrega de brinquedos às crianças

Fronteira Oeste — Santana do Livramento
Local: Assentamento Sepé Tiaraju

10 de outubro

Teve atividades de formação, com oficinas e brincadeiras

11 de outubro

Manhã — Visita ao Acampamento Gladiadores Sem Fronteira e entrega de pauta de reivindicações à Secretaria Municipal de Educação e 19ª Coordenadoria Regional de Educação

Fronteira Oeste — Manoel Viana
Local: Escola Paulo Freire, no Assentamento Santa Maria do Ibicui

10 de outubro

Foi realizada uma recepção aos Sem Terrinha e debatidas as demandas da escola e do Assentamento Santa Maria do Ibicui

11 de outubro

Manhã — Trabalho com a revista Sem Terrinha, debate em preparação ao 1º Encontro Nacional dos Sem Terrinha e estudo sobre a alimentação saudável e agroecologia
Tarde — Entrega de pauta de reivindicações para autoridades na escola

Região Sul

6 de outubro

Crianças caminharam pelas ruas da cidade de Canguçu em defesa da saúde, por educação de qualidade e melhorias das condições para viver no campo. Ocorreu também entrega de carta às autoridades locais, com as principais pautas dos Sem Terrinha. A programação contou ainda com oficinas de pintura no rosto, teatro e argila.

Deixe uma resposta