Pais, alunos e professores de escolas particulares aderem à paralisação em defesa da educação

Protestos foram marcados em todo o País contra o bloqueio de verbas, ataques contra universidades e cursos de humanas.

A reportagem é de Isabela Palhares, publicada por O Estado de S.Paulo, 14-05-2019.

Pais, alunos e professores de dezenas de colégios particulares de todo o País decidiram aderir à paralisação desta quarta-feira, 15, em defesa da educação. Em São Paulo, segundo o Sinpro-SP (Sindicato dos Professores da Rede Privada), ao menos 25 unidades terão as atividades alteradas ou interrompidas para a manifestação organizada por entidades estudantis e de educadores.

Entre os que tiveram adesão de algum dos grupos estão colégios tradicionais da capital, como o Santa CruzVera CruzOswald de AndradeEquipeSão DomingosEscola da Vila Gracinha. Na tarde desta terça-feira, 14, a federação de escolas particulares (Fenep) encaminhou ofício recomendando aos colégios que não paralisem as atividades e que descontem o salário de professores que não comparecerem às aulas.

A manifestação foi marcada após o anúncio do Ministério da Educação de bloqueio de 30% do orçamento das universidades federais, da educação básica e corte de bolsas para pesquisa. Também é contra os ataques que foram feitos pelo ministro Abraham Weintraub contra as universidades e cursos da área de humanas. Ele ainda protestam contra projetos como o Escola sem Partido.

colégio Santa Cruz suspendeu as aulas após os professores decidirem, em assembleia, aderir à paralisação. E informou que , oportunamente, comunicará como será a reposição das aulas desse dia. Um grupo de alunos da unidade publicou uma carta defendendo a participação na manifestação.

No colégio Vera Cruz, após decisão dos professores de paralisar, um grupo de pais e alunos se manifestou a favor da decisão e anunciou que também irá participar do protesto. “Indignados com as recentes medidas do atual governo federal e os ataques constantes que a educação nacional vem sofrendo nos últimos anos, consideramos crucial que as múltiplas camadas da sociedade se posicionem em defesa da educaçãoem todos os seus níveis (…) O momento exige posicionamento e nós não iremos nos furtar a ele”, diz a carta dos pais.

Para não prejudicar as famílias que não tiverem com quem deixar os filhos, o grupo de pais diz ter organizado uma rede solidária para cuidar de crianças menores.

Outros colégios, como o São Domingos, apoiaram a decisão dos alunos em assembleia e vão paralisar completamente as atividades. O bloqueio de verbas para as universidades e educação básica, a suspensão de bolsas para pesquisa, a “tentativa de desqualificação das humanidades“, a “incitação de descrédito no trabalho de educadores” são alguns dos motivos citados pelo colégio para explicar a importância da manifestação.

“Estão na contramão do que realmente o setor necessita e ainda revelam retrocesso significativo de nosso País em relação à ordem democrática – valor que nossa escola cultiva desde a origem”, diz carta da escola aos pais.

Em São Paulo, o ato está marcado para as 14h na avenida Paulista, em frente ao Masp.

Convocação

A greve foi convocada pelas maiores entidades estudantis e sindicais do País, como a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE). Ao menos 75 das 102 universidades e institutos federais do País também convocaram protestos para esta quarta-feira, em resposta ao bloqueio de 30% de seus orçamentos.

As universidades estaduais de diversos estados também decidiram pela paralisação – em São Paulo, por exemplo, os reitores das três instituições paulistas, UspUnicampUnesp, convocaram docentes e alunos para “debater” os rumos da educação no País – depois do anúncio do corte de bolsas para educação e pesquisa. Cientistas e pesquisadores de diversas instituições e estudantes de faculdades privadas também vão ao protesto. É o caso, por exemplo, da PUC-SP e Mackenzie.

Além da comunidade do ensino superior, a rede básica também aderiu a paralisação. A Apeoespsindicato dos professores da rede estadual de São Paulo, o maior da América Latina, convocou os professores para a manifestação. Os sindicatos da rede municipal também aderiram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.