Pacientes Cepon exigem que Governo de SC mantenha serviço funcionando

Por Marcelo Luiz Zapelini, para Desacato. info.

Cerca de 100 manifestantes exigiram, hoje, 19, que o Governo de Santa Catarina pague a dívida acumulada com o Cepon (Centro de Pesquisas Oncológicas). O valor chegou em R$ 40 milhões e ameaça serviços essenciais como terceiro turno de radioterapia e o ambulatório de intercorrências oncológicas.  

“São duas tragédias. A omissão criminosa do governador está matando catarinenses”, denunciou João Vianei, paciente do Cepon desde 2010 e líder da manifestação que iniciou em frente ao hospital e seguiu até o Centro Administrativo de SC.

Sem o turno extra, há risco de retorno da fila de espera para o tratamento, que havia sido zerada. Com o fechamento do ambulatório, os pacientes não internados que sofrem com as consequências do tratamento precisam recorrer a unidades de saúde não especializadas.  

Até mesmo o lanche oferecido aos pacientes vindos do interior precisou ser cancelado. Os alimentos que recebem agora são provenientes de doações de apoiadores do Cepon. 

A chefe do Cepon, Maria Tereza Evangelista Schoeller, garantiu que a diretoria está empenhada em manter todos os serviços. “Já existe um certo nível de desabastecimento, mas estamos reivindicando diariamente que esses materiais sejam repostos e que os recursos cheguem”, explicou. 

A falta de recursos obriga que a população busque soluções alternativas. Familiares e amigos de Cleia Beduschi, paciente de câncer falecida em outubro passado criaram uma associação. Mara e Claudete Beduschi realizaram um primeiro bazar ainda ano passado com os objetos que a irmã possuía em casa. Elas já arrecadaram mais de 60 mil reais usados para aquisição de lençóis e realização de exames.  

“Realizamos bingos, bazares e eventos para poder arrecadar dinheiro para poder usar para a saúde das mulheres e portadores de câncer em geral. O objetivo do último bazar foi conseguir recursos para exames que o próprio SUS não está conseguindo realizar”, explicou Mara. 

Documento 

Depois de um ato e de um abraço simbólico ao hospital, os manifestantes seguiram em dois ônibus e carros particulares até o Centro Administrativo do Governo de SC. Nenhum membro da equipe do governador Raimundo Colombo (PSD) os recebeu.  

“Eu choro sem derramar lágrimas porque é um descaso para com a população. Ele não teve a sapiência e a retidão de pelo menos um assessor seu nos receber”, lamentou Ivar Luis dos Santos, presidente da Aspac (Associação Amigos e Pacientes de Câncer de Santa Catarina), cujo pai faleceu com a doença. 

Apenas oito representantes foram autorizados a entrar no prédio para protocolar um documento. 

Nele, a comissão de pacientes pede que o governador mantenha “as atividades desenvolvidas de forma tão humana, integral e de extrema qualidade prestadas pelo Cepon aos pacientes oncológicos”. 

Relatam que o cancelamento do terceiro turno do serviço de radioterapia vai deixar de atender “40 pacientes/mês, o que irá resultar em fila de espera, o que já ocorria antes”.  

O fechamento do período noturno do ambulatório obrigará os pacientes “já sofridos e maltratados pela doença, a procurarem atendimento em emergências das demais unidades hospitalares não especializadas em oncologia”. 

O lanche de café e bolachinhas “representa muitas vezes a única refeição diária” aos pacientes vindos de cidades do interior e que “permanecem no Cepon durante todo o dia”. 

A “falta de medicamentos resulta na insegurança dos pacientes em relação à continuidade ou não do seu tratamento”. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.