Oscar Wilde e o socialismo

“A maioria dos homens arruínam suas vidas por força de um altruísmo doentio e extremado – são forçados, deveras, a arruíná-las. Acham-se cercado dos horrores da pobreza, dos horrores da fealdado, dos horrores da fome. É inevitável que se sintam fortemente tocados por tudo isso. As emoções do homem são despertadas mais rapidamente que sua inteligência; e, como ressaltei há algum tempoem um ensaio sobre a função da crítica, é bem mais fácil sensibilizar- se com a dor do que com a idéia. Consequentemente, com intenções louváveis embora mal aplicadas, atiram-se, graves e compassivos, à tarefa de remediar os males que vêem. Mas seus remédios não curam a doença: só fazem prolongá-la. De fato, seus remédios são parte da doença.
Buscam solucionar o problema da pobreza, por exemplo, mantendo vivo o pobre; ou, segundo uma teoria mais avançada, entretendo o pobre.
Mas isto não é uma solução: é agravamento da dificuldade. A meta adequada é esforçar-se por reconstruir a sociedade em bases tais que nela seja impossível a pobreza.”

Oscar Wilde em “A Alma do Homem Sob o Socialismo”, Porto Alegre: L&PM, 2003, pags. 15/16.

Encaminhado para Desacato por Clôvis Campelo.

COMPARTILHAR
Artigo anterioraa
Próximo artigoA regulamentação da Voz do Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.