Os Estados Unidos, ditadura democrática

Os EUA, “Ditadura Democrática” a Caminho de um Estado Totalitário Mlitar

Por Miguel Urbano Rodrigues.

O Presidente Barack Obama ofereceu ao povo norte-americano no dia 31 de Dezembro um presente envenenado para 2012: a promulgação da chamada Lei da Autorização da Defesa Nacional.
O discurso que pronunciou para justificar o seu gesto foi um modelo de hipocrisia.
O Presidente declarou discordar de alguns parágrafos da lei. Sendo assim, poderia tê-la vetado, ou devolvido o texto com sugestões suas. Mas não o fez.
No dia 24 de Janeiro, o Senado vai votar um projecto, o SOPA, que autoriza a Secretaria de Justiça a criminalizar qualquer Web cujo conteúdo seja considerado ilegal ou perigoso pelo governo dos EUA. De acordo com o texto em debate, a simples colocação de um artigo numa rede social pode motivar a intervenção da Justiça de Washington.
A iniciativa foi já definida por alguns media como um terramoto político.
•    O pânico que provocou foi tamanho que a Netcoalitioncom , aliança que agrupa gigantes digitais como Facebook, Twitter, Google, e Yahoo, AOL e Amazon admite um «apagão colectivo» durante horas se o Congresso aprovar o projecto.A lei, teoricamente motivada pela necessidade de combater a pirataria digital, será de aplicação mundial. Por outras palavras, se uma Web europeia, asiática ou africana publicar algo que as autoridades norte-americanas considerem «perigoso» pode ser bloqueada nos EUA por decisão da Justiça de Obama.

Despojada da retórica que a envolve, a Lei da Autorização da Segurança Nacional, ora vigente, revoga na prática a Constituição bicentenária do país.
Afirma Obama que a «ameaça da Al Qaeda à Segurança da Pátria» justificou a iniciativa que elimina liberdades fundamentais. A partir de agora, qualquer cidadão sobre o qual pese a simples suspeita de ligações com «o terrorismo» pode ser preso por tempo ilimitado. E eventualmente submetido à tortura no âmbito de outra lei aprovada pelo Congresso.
Comentando a decisão gravíssima do Presidente, Michel Chossudovsky lembra que ela traz à memória o decreto de Hitler para «a Protecção do Povo e do Estado» assinado pelo marechal Hindemburgo em 1933 após o incêndio do Reichstag.
A escalada de leis reaccionárias nos EUA assinala o fim do regime democrático na grande Republica.
O discurso em que Obama justificou há dias o Orçamento de Defesa, veio confirmar o crescente protagonismo do Pentágono – agora dirigido por Panetta, o ex director da CIA – na definição da estratégia de dominação planetária dos EUA. Ao esclarecer que a prioridade é agora a Ásia, o Presidente afirmou enfaticamente que os EUA são e serão a primeira potência militar do mundo. Relembrou o óbvio. O Orçamento de Defesa norte-americano supera a soma dos dez maiores que se seguem.
A degradação do regime tem-se acentuado de ano para ano. A fascizaçao das Forças Armadas nas guerras imperiais é hoje inocultável.
Observadores internacionais respeitados, alguns norte-americanos, comentando essa evolução, definem os EUA neste início do terceiro milénio como «ditadura democrática»
Chossudovsky vai mais longe, enuncia uma evidência dolorosa ao escrever que nos EUA se acentua a tendência para «um Estado totalitário militar com traje civil».
Desmontar-lhe a fachada é uma exigência para quantos identificam no imperialismo uma ameaça à própria continuidade da vida. Tarefa difícil, mas indispensável
Significativamente, as leis fascizantes comentadas neste artigo passaram quase desapercebidas em Portugal. Os analistas de serviço da burguesia e os media ditos de referência ignoraram o tema, numa demonstração da vassalagem neocolonial da escória humana que oprime e humilha Portugal.

Vila Nova de Gaia, 6 de Janeiro de 2012

1 COMENTÁRIO

  1. O regime tirânico, ditatorial, imperialista e ilusório “democrático” dos Estados Unidos da América do Norte, é um simulacro de processo democrático. Nos Estados Unidos da América do Norte, a população é enganada com a politica da ditadura de dois partidos do capital monopolista, os quais se alternam no poder e em consenso, enganam e iludem a maioria da população, quando representam a camada social que detém privilégios.
    Os Partidos Democrata e Republicano são partidos que estão comprometidos com os donos do capital, que visam exclusivamente enriquecer ou atender a seus próprios interesses.
    Os partidos do Regime dos EUA, não acrescentam em nada para maioria e ainda disfarçam, simulando a existência de posição de oposição – porém, a essência é sempre imutável – mudam os rostos mais o figurino é o mesmo – ou seja – sempre um regime truculento, beligerante e imperialista. Os dois partidos do regime ditatorial estadunidense, tem grande espaço nos meios de Comunicação Social e nas Agências de Publicidade – as quais representam um poderoso meio de influência ideológico para o Regime. Os eleitores são induzidos ao erro de forma eficaz ao pensarem que decidindo por um ou outro dos dois partidos análogos haverá mudanças, mas nada altera e a natureza é sempre imutável.
    Diante disso, nada difere o caráter opressor, hostil, agressivo, prepotente e obsessivo da politica expansionista imperial dos EUA, e basta que se observe no modo como o nefando Império estadunidense conduz uma negociação em que fazem diplomacia de gângster; no qual blefam, intimidam, ameaçam e mentem a Comunidade Internacional e o mundo livre, pois, o império sempre cobiça os recursos naturais de outras nações.
    A manipulação da consciência da população aplica-se em larga escala no regime dos EUA, com objetivo de que o povo eleja sempre políticos astutos que representem os interesses dos poderosos do Capital, para assim, e em todo tempo, decidirem as leis a favor dos proveitos da classe privilegiada.
    E, para manipular a consciência das massas populares, a propaganda do Regime Ditatorial estadunidense utiliza amplamente uma linguagem política especial que deturpa e obscurece os sentidos dos acontecimentos reais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.