Os desaparecidos do México marcam presença em livro nas Jornadas Bolivarianas na UFSC

Foto: Luara Wandelli Loth/Ítalo Padilha

O livro Sepultura de palavras para os desaparecidos – Histórias dos buscadores do México, da jornalista Luara Wandelli Loth, publicado pela Editora Insular, e que aborda o drama das famílias dos desaparecidos na busca de fossas clandestinas, será disponibilizado, em primeira mão, na 14ª edição das Jornadas Bolivarianas, evento internacional organizado pelo Instituto de Estudos Latino-americanos da UFSC (IELA), marcado para o auditório da Reitoria no período de 7 a 9 de maio. Nesta segunda-feira, dia 7, a partir das 19 horas, a autora estará presente para autografar ou conversar sobre a pesquisa.

O livro também enfatiza o sequestro e desaparecimento, em 2014, de 43 alunos da Escola Normal Rural Raúl Isidro Burgos, no vilarejo de Ayotzinapa, no estado mexicano de Guerrero, cujos corpos ou restos mortais jamais foram encontrados. A tragédia, que continua mobilizando famílias e movimentos sociais, provocou o surgimento de grupos de buscadores de valas e fossas clandestinas por todo país. A divulgação, na opinião da autora, pode ser considerada uma “arma contra a banalização dos desaparecimentos, já que a violência manteve curva crescente, mesmo após o escândalo de Ayotzinapa.

Os grupos de buscadores, embora politicamente divididos, desafiam um Estado dominado pelo narcotráfico, onde polícia, políticos e organizações criminosas andam de mãos dadas ou atadas.

A autora, na época estudante de Jornalismo da UFSC e intercambista da Universidade Estadual do México (UEM), testemunhou o desaparecimento dos 43 normalistas. A violência indignou e chamou a atenção do mundo. De volta ao Brasil, Luara não teve dúvidas: escolheu a tragédia dos desaparecidos como tema para desenvolver o seu trabalho de conclusão de curso.

Retornando ao México em 2015, onde permaneceu até março de 2016, a jovem exerceu perigosamente o jornalismo investigativo, acompanhando pessoalmente o trabalho do grupo de buscadores. São histórias, fotos e depoimentos que emocionam até os leitores mais insensíveis.

A grande reportagem, ora transformada em livro pela Editora Insular, denuncia e reabre uma ferida que nunca vai cicatrizar e para qual a humanidade jamais poderá fechar os sentidos. Até porque, como avisa a autora, o mundo não conseguirá dormir um “sono tranquilo” enquanto não devolver os corpos dos normalistas e demais desaparecidos. Essa é, aliás, a pena que o livro Sepulturas de palavras sentencia para a humanidade!

O trabalho que resultou em livro foi orientado pelo professor Carlos Locatelli, do curso de Jornalismo da UFSC. Com apresentação do historiador Waldir Rampinelli e “orelha” da professora de Jornalismo Daise Vogel, o lançamento oficial de Sepulturas de palavras ainda não tem data definida.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.