Organizações sociais argentinas repudiam anúncio de Macri: não ao uso das forças armadas para a repressão interna

Foto: Casa Rosada

Entre as múltiplas vozes – as quais se soma a da Agência Pressenza – que repudia o anúncio do presidente argentino sobre sua intenção de habilitar as Forças Armadas para atuar em “tarefas de segurança interna”, recebemos desde a articulação social “Diálogo 2000” – Jubileu Sul Argentina o seguinte comunicado que reproduzimos na íntegra:

Entre muitas(os) levantamos a voz no sábado passado, na marcha “Nunca mais ao FMI, Ao Pagamento da Dívida Fraudulenta e ao G20”: este modelo de economia especuladora, extrativista e excludente, reforçado agora pelo Acordo Macri-FMI de ajuste, pilhagem e dívida, não fecha sem maior repressão. Por isso também convocamos a seguirem mobilizado contra o acordo e a presença do FMI e do G20, por um bloqueio independente dos povos e países para recuperar o que tem sido cobrado ilegitimamente, e por um estrondoso “NÃO” à repressão, às bases militares estrangeiras e ao uso das forças armadas argentinas em tarefas de segurança interna. Neste mesmo espírito assinamos a declaração do Encontro Memória, Verdade e Justiça, e convidamos a todas as organizações a se pronunciar e a se mobilizar a respeito.

NÃO AO USO DAS FORÇAS ARMADAS PARA A REPRESSÃO INTERNA

Macri anunciou hoje eu plano de reformas para as Forças Armadas. Em um ato realizado no Campo de Maio, apresentou a proposta em marcha da reforma do Sistema de Segurança Nacional, onde as Forças Armadas cumpiriam uma nova legislação, com ênfase na luta contra o narcotráfico e o terrorismo. Para que fique claro, Macri afirmou que a Argentina necessita de “Força armadas que sejam capazes de enfrentar os ‘desafios e ameaças’ do século XXI, como o narcotráfico e o terrorismo internacional”.

O governo que disse que Santiago Maldonado estava no Chile, o governo que protegeu a prefeitura frente o assassinato pelas costas de Rafael Nahuel, o governo que reprimiu a trabalhadores, legisladores e vizinhos com panelas, que se opunham à reforma prisional, o governo que reivindica a teoria de Chocobar [jovem morto pela polícia] e o gatilho fácil, o governo desde sua suposição nega o genocídio, impulsiona o 2×1 para crimes de lesa humanidade e respalda a prisão domiciliar dos genocidas, nos disse de sua maneira “modernizante” para os tempos que vem é voltar a habilitar as forças armadas para a repressão interna, como nas épocas da ditadura. Não podemos deixar que este plano avance.

Desde o Encontro Memória, Verdade e Justiça convocamos a todas as forças, sociais, políticas, estudantis e de direitos humanos a expressar nosso profundo repúdio a estas medidas e o compromisso de luta para que este plano nefasto não avance.

ENCONTRO MEMÓRIA, VERDADE E JUSTIÇA

Buenos Aires, 23 de julho de 2018.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.