Onde estão os bichos de nossos provérbios?

Fato curioso: apenas cinco deles correspondem a quase metade dos ditos populares com animais. Com êxodo rural e envelhecimento, espécies selvagens sumiram. Mas as domésticas continuam – atualizadas com gírias e “tempero” moderno

Imagem: Pixabay.

Por Silvio Reis.

“Toda pessoa é mais parecida com a sua época do que com o seu pai”, segundo um provérbio árabe. “Um país pode ser avaliado pela qualidade de seus provérbios”, defendem os alemães. Portugueses acreditam que “um provérbio não mente”. Para o dramaturgo austríaco Karl Kraus, “um aforismo não deve necessariamente ser verdadeiro, mas deve superar a verdade”. Iorubás nigerianos têm outra visão: “um provérbio é o cavalo que pode levar alguém rapidamente à descoberta de ideias”.

Com a ideia de registrar animais em provérbios, o jornalista Cristovam Araújo lançou o livro Os bichos nos Provérbios, em 1950. Quase 70 anos depois, o êxodo rural, o envelhecimento populacional e outros fatores resultaram no desuso de provérbios e ditados populares no Brasil. A extinção animal no mundo só afeta bichos selvagens. Os domesticáveis, que  representam a maior parte das expressões populares, são protegidos.
Segundo o historiador Luís da Câmara Cascudo, “Os ditados populares sempre estiverem presentes ao longo de toda a História da humanidade. Dos egípcios, no terceiro milênio a.C (…) foram objeto de educação na Idade Média e bem utilizados nas navegações dos séculos XV e XVI”.

No Antigo Testamento, o Livro dos Provérbios ou Provérbios de Salomão defendeu valores morais que tiveram efeito milenar. Mas nem todos funcionaram na prática. O capítulo 15:17 sugere vegetarianismo:  “Melhor é um prato de hortaliça, onde há amor, do que o boi gordo, e com ele o ódio”. No Livro dos Mil Provérbios (1302), o teólogo catalão Raimundo Lúlio divide, simbolicamente, os carnívoros: “A besta que não come carne não faz companhia à besta que come.”

Na Idade Média, o pintor holandês Pieter Bruegel reforçou o cristianismo na pintura Provérbios Flamengos (1559) e incluiu animais para divulgar uma conduta correta de vida. Em mais de cem provérbios pintados, três animais estão entre os cinco mais citados em provérbios e expressões populares de vários países, em diferentes épocas.

Influenciado pela Revolução Francesa e a Revolução Industrial Inglesa, o londrino William Blake escreveu O Casamento do Céu e do Inferno (1790) para criticar o pensamento cristão. Na ideologia antibíblica do autor, os animais do poema Provérbios do Inferno são, em sua maioria, selvagens e bem diferentes do quinteto domesticado que lidera as expressões populares: “Os tigres da ira são mais sábios que os cavalos da educação”.

No contexto alemão e político de 1812, os irmãos Grimm destacaram na fábula Os Músicos de Bremen quatro dos cinco animais mais proverbianos. Jumento, cachorro, gata e galinha querem se libertar do trabalho escravo. O texto ganhou adaptação teatral italiana e chegou ao Brasil em 1977. Os Saltimbancos  foi traduzido por Chico Buarque há mais de 40 anos.

No Brasil, uma recente pesquisa jornalística com 2.500 provérbios, ditados e expressões populares com animais revelou que apenas cinco bichos respondem por 43,68% do total de frases. Com exceção da zebra, os equinos lideram com uma dose cavalar de 343 termos, ou 13,72% das expressões. Um provérbio explica essa identidade: “Cavalo é como gente: engana que é uma barbaridade”.

Em segundo lugar nesse ranking estão os cães“Para o cachorro que tem dinheiro, os homens dizem ‘meu senhor cão’”. Sem os búfalos, bovinos ocupam a terceira posição: “Parece sempre à vaca velha que nunca foi bezerra.” Galináceos vêm depois: “Galo fecha os olhos quando canta porque sabe a música de cor”. Em quinto lugar, os gatos: “Livros, gatos e meninas loiras são a melhor decoração para um quarto” (ditado francês).

Entre os 150 animais pesquisados, quase a metade, 74, têm apenas uma ou até duas expressões. Este desequilíbrio é uma forma de dominação. Com a interferência humana, o bicho mais fraco, fisicamente, se torna o mais forte, simbolicamente.

Estátua Os Músicos de Bremen, norte da Alemanha, com quatro dos cinco animais mais popularizados em provérbios

Minhocas na cabeça

A pesquisa surgiu de “minhocas na cabeça”. Cerca de vinte livros impressos e digitais, entre outros acervos, foram consultados. O levantamento priorizou expressões ocidentais, com abertura para provérbios de diversos países que se propagaram no Brasil. Não por acaso, o Leão foi 15º mais bem pontuado. O camelo chegou ao 18º lugar.

Se aumentar a quantidade e diversidade das 2.500 expressões avaliadas, a classificação dos animais será alterada. Se forem incluídos termos de duas publicações macaenses, como o Dicionário Comparado de Provérbios e Ditos Populares Brasileiros e Chineses e o Dicionário Trilíngue de Ditos e Provérbios, a abordagem oriental pode alterar a predominância dos domesticados.

Na pesquisa, mais de 10% de frases são da categoria Generalizados, em que a espécie animal não é informada. Predominam termos abrangentes como pássaros, aves, peixes, animais, répteis, insetos, caçadores.

Outra conclusão relevante é que os ovinos, em 7º lugar, e caprinos em 10º, reforçam a grandeza quantitativa da família Bovidae, que inclui os bovinos. Por outro lado, cães foram prejudicados pelo fato de a raça canina galgo ter sido excluída, por não ser muito conhecida no Brasil.

Lobo e cobra foram os selvagens mais pontuados. Ratos ocupam a 11ª posição na pesquisa e, curiosamente, são os animais secundários com maior quantidade de expressões: 26. Secundários ou terciários são aqueles que aparecem na frase depois de um animal principal. Esta análise específica não fez parte da pesquisa para evitar repetição de frases.

O bicho vai pegar

A produção de novas expressões populares com animais, nos últimos 50 anos, ainda é um acervo inexpressivo no Brasil e não se limita a publicações tradicionais. O blog bem-humorado Confraria do Zé Japé, que se autodenomina Uma Faixa de Gaza no Nordeste, divulga dizeres antigos e novos: “Leva mais chifre do que pano de toureiro”. Em Ditados e Adágios Gaúchos, “Pode tomar o mate que os micróbios são de casa.”

Numa microrregião do Sul de Minas Gerais, caracterizada pelo agronegócio, dois livretos Boca a Boca foram publicados em 2006 e 2007. Em mais de mil expressões coloquiais, não chega a 5% a quantidade de citações animais: “Atropelei uma plantação de minhocas”. Muitos bichos nativos dessa região, principalmente pássaros, mudaram de endereço.

O Brasil (Imperial) foi o segundo país do mundo a lançar selos postais e destacou três animais: Olho de Boi, de Cabra e de Gato. O país acertou na escolha popular dos 25 representantes do Jogo do Bicho, criado em 1892.  Apenas três bichos tiveram menos de cinco expressões proverbiais na pesquisa. Os demais alcançaram média e alta pontuação. Detalhe: o jogo tem dois equinos, burro e cavalo, e dois bovinos: touro e vaca.

O surgimento de expressões populares  também passa pela recriação. Um provérbio haitiano ganhou modernidade tecnológica ao ser recriado: “O peixe que está sendo microondas não teme o relâmpago”.

Algumas versões de “pagar o pato” tiveram diferentes sentidos. Em Portugal, jogadores montados em cavalos deveriam arrancar de uma só vez um pato preso a um poste. Pagava o pato quem não conseguisse pegar a ave. Outro provérbio português diz que “sempre sai caro o barato, sempre o tolo paga o pato”. Em 1908, o filólogo João Ribeiro registrou no livro Frases Feitas: “São muitas as histórias que se contam; mais numerosas são ainda as que se podem inventar para ir ter à conclusão de que alguém pagou o pato sem o comer”.

Ao acrescentar gírias entre as expressões populares, o quinteto proverbial da pesquisa é substituído pela diversificação animal: bicho-grilo, lesma, mico, ficar de bode, abelhudo, tapa na pantera, tromba de elefante, fazer um gato, pé de galinha (rugas), pular um tubarão (séries televisivas), negociar com tubarões, chupeta de baleia, deu zebra, o bicho vai pegar…

O Wikipédia informa que o provérbio mais antigo do mundo, criado por volta de 1800 a.C., foi gravado em uma tabuleta de argila suméria: “A cadela por sua atuação apressadamente trouxe o cego”.  Não é de hoje que equinos, cães, bovinos, galináceos e gatos disputam popularidade no formigueiro humano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.