O Teatro de Guerrilha

Imagem: Erik Weber/Reprodução.

“O guerrilheiro precisa da ajuda total da população… Desde o início da luta, tem em vista a destruição de uma ordem injusta e, por conseguinte, a intenção mais ou menos clara de substituir o novo pelo velho”.

Che Guevara

Estar vivo é condição pra tudo na vida. O presente, o agora, exige sangue correndo nas veias, de modo que aos que vivem tudo é possível, apesar de nem tudo ser permitido. Augusto Boal escreveu, ao definir o Teatro do Oprimido, que todos os seres humanos são atores, porque agem, e expectadores, porque observam. Seguindo em linha reta e sem freios o fluxo do pensamento de Boal é possível afirmar, embora não sem topar com discordâncias, que todo ser humano está apto à atuação e à criação teatral a partir do momento em que começa a agir, contracenar, com o meio onde vive e as pessoas com as quais convive, e a observar, presenciar, o resultado dessas ações e interações. Portanto, e a grosso modo, segundo o gênio nascido nos subúrbios da Penha, a única condição para se fazer teatro é “estar-se vivo”.

Viver é dose, dói e dá trabalho. Pois se o sossego é próprio da morte, a vida só pode ser movimento, como o teatro. Portanto, e novamente a grosso modo, pode-se chegar à conclusão de que a vida também é um palco. R. G. Davis, até onde sei, não teve contato com Boal nos anos 60. No entanto, a concepção de teatro de ambos é parecidíssima. Enquanto Augusto desenvolvia uma metodologia a respeito do Teatro do Oprimido, que seria lançado em 71 através de sua primeira técnica chamada Teatro Jornal, Davis lançava, em 66, junto a outros membros do San Francisco Mime Troupe, o manifesto Teatro de Guerrilha, tema da coluna dessa semana.

O fim do teatro comercial

“A asneira é um luxo a que só podem dar-se os espetáculos comerciais”.

Peter Bay

É impossível compreender o Teatro de Guerrilha sem antes compreender o teatro a que ele se opõe. Para tanto, é necessário saber que a idéia central dele é combater o teatro comercial que, segundo Davis, contribui para a alienação da população, anestesiando o seu espírito e ensinando-a somente a obedecer e a seguir em frente, rumo ao abismo, conforme o passo do rebanho. De acordo com o manifesto, “o teatro é uma entidade social: tanto pode adormecer o espírito do cidadão, apagar nele qualquer sentido de culpa, ensinar a todos como integrar-se na grande sociedade e no modo de vida americano, como procurar transformar esta sociedade. E isso é política”.

Na contramão do teatro comercial, o Teatro de Guerrilha propõe aos homens uma força vinda da revolta e da imaginação. Através de uma realidade límpida, escarrada, a ordem estabelecida é colocada em xeque e diante da fantasia já não pode mais usar do domínio da força ou da proibição para coibir as massas. Segundo Davis, a crítica, a discussão, a tomada de posição sobre os problemas que se põem à sociedade têm o poder de despertar uma mudança adormecida no peito de toda humanidade.

Na contramão do teatro comercial, o Teatro de Guerrilha propõe aos homens uma força vinda da revolta e da imaginação.

Dinamitar os teatros

A ruptura com o teatro estabelecido exige radicalidade, por isso o Teatro de Guerrilha não rompe apenas com os métodos do teatro comercial, mas também com suas certezas, suas verdades, seus espaços, seus profissionais e até mesmo com seu público. As instituições teatrais fixas são completamente dinamitadas pelo grupo.

O espetáculo de guerrilha é um acontecimento: ao invés de ocupar um espaço definido, com hora e local estabelecidos, ele surge subitamente, tomando a cidade de assalto e fluindo junto ao trânsito por seus vasos que se comunicam com os cidadãos e os edifícios. Não existe uma companhia teatral, existem pessoas que agem simultaneamente sobre o público. Nada de atores profissionais, para Davis e sua trupe os profissionais do teatro buscam uma espécie de consagração que se traduz, normalmente, em sucesso comercial, reconhecimento de críticos e conquista de prêmios.

Dar um novo sentido ao amadorismo no teatro é devolvê-lo ao rito, além de uma forma de criar novos “homens de teatro” para quem a consagração consiste em afrontar a hipocrisia reinante na sociedade.

A procura por um novo público

O Teatro de Guerrilha, que nasce da resistência, busca se expandir através da conquista de “contingente”, ou de um novo público. Oras, se a busca dele é fundar uma nova sociedade, o meio de se chegar a essa sociedade é transformar o homem, por isso é preciso ir ao encontro das pessoas onde quer que elas estejam: nas fábricas, comércios, periferias, bares, centros comerciais, jardins públicos, praças; em síntese: onde houver público deve haver teatro, por isso não existe espaço que o teatro não possa ocupar.

Segundo o Mime Troupe, é preciso fazer com que as pessoas se encontrem novamente, incitá-los à cólera e ao sonho, levá-los ao afrontamento e, principalmente, ao desejo de se entregar ao teatro novamente. O Teatro da Guerrilha acredita que o público é o início da transformação e não seu mero espectador.

Isso aqui é uma guerra

Mais de cinqüenta anos se passaram desde que Davis e sua turma se rebelaram contra o teatro. São estrangeiros, é bem verdade, e suas aflições talvez não falem a nós brasileiros, ainda mais meio século depois da primeira batalha. Tão urgente quanto a necessidade do Teatro de Guerrilha nos tempos atuais é a percepção de que ele só é possível se negar, e se levantar contra, o colonizador.

Hoje, nesse país barco furado comandado por fanáticos religiosos, senhores de engenho e mega empresários, o teatro talvez corra riscos. Os ataques à cultura não cessam, por isso, enquanto acendo um cigarro olhando pro horizonte enegrecido pela tristeza, penso que a escuridão de uma trincheira talvez não seja tão diferente da escuridão de um palco. Se a guerra é um fantasma eterno, se o tiroteio de uma forma ou de outra é sempre no nosso quintal, a única saída é resistir. É travar uma luta por espaço, braço a braço, luta de guerrilheiro. É isso ou nada. É morrer de pé, resistindo, ou viver de pra sempre de joelhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.