O risco da normalização da misoginia

Associar a cena a que foi submetida Patrícia Arce aos suplícios a que eram submetidas as mulheres condenadas como bruxas é uma forma de alerta para o risco que o patriarcado e o capitalismo representam às várias gerações de mulheres.

Prefeita de Vinto, Patricia Arce, fala à imprensa após ser atacada e humilhada em público. 6 nov. 2019.  Foto: Jorge Abrego/EPA-EFE

Por Lídice Leão.

A imagem da política boliviana Patrícia Arce cercada por homens mascarados, conduzida compulsoriamente dentro de um cordão de isolamento, descalça e com tinta derramada por todo o corpo tomou a internet nos últimos dias. Arce, prefeita do município de Vinto, de 60 mil habitantes, pertencente ao departamento de Cochabamba, teve os cabelos cortados à força e seguiu xingada durante todo o trajeto que foi obrigada a fazer. Na entrevista que deu após ser resgatada por policiais, deixou clara sua intenção de resistir: “sou livre, não vou me calar; se querem me matar, que me matem”. O fato se repete: mais uma vez, uma mulher que resiste é alvo de ameaças, ataques e atos violentos.

A cena da mulher agredida, rendida, cercada por homens – só homens – armados com paus e aos gritos, remete aos casos de caça às bruxas abordados por Silvia Federici em Calibã e a bruxa e, mais recentemente, Mulheres e caça às bruxasem que ela lembra que as acusadas eram expostas em seu estado mais abjeto: “presas por correntes de ferro e entregues ao fogo”. Quando a prefeita Patrícia Arce avisa, após sofrer todos os ataques, que é livre, não vai se calar e se a quiserem matar, que a matem, expõe ao mundo o risco a que a mulher resistente corre, desde o século XVI: à morte. Lá nos séculos XVI e XVII, as acusadas de serem bruxas eram mulheres que não se resignavam à subordinação ao mundo masculino, condição imposta pelo capitalismo emergente pós-feudalismo. O poder dessas mulheres podia “contaminar” uma sociedade patriarcal que nascia aos poucos e era um risco para o então incipiente capitalismo. Afinal, para que a propriedade privada e a cultura do lucro vingassem, as mulheres deveriam ficar confinadas em casa, cuidando dos homens que gerariam riquezas – para ele ou para os patrões – e reproduzindo, ou seja, gerando a prole para aumentar a mão de obra.

Leia mais: Líder golpista que foi recebido no Itamaraty, Camacho afirma que pode ser candidato à Presidência da Bolívia

Se o destino daquelas mulheres era a fogueira – não sem antes terem os corpos desnudados, depilados e perfurados com longas agulhas por toda parte em busca de uma suposta “marca do diabo”, geralmente diante de homens notáveis e sacerdotes, como escreve Silvia Federici em Mulheres e caça às bruxas –, o roteiro escrito para a boliviana Patrícia Arce pelos homens mascarados que a cercaram foi o que ilustrou a cena descrita no começo desta texto: agressões físicas, xingamentos, sujeira do corpo com o derramamento de tinta e o corte de cabelo, como símbolo reconhecido da misoginia.

O que aconteceria com a prefeita de Vinto se não tivesse sido socorrida, resgatada? Impossível não considerar a hipótese da sua morte. Impossível não considerar que os mascarados que a raptaram não parariam no suplício a que a expuseram. Impossível não lembrar de Foucault e da sua definição de morte-suplício: a arte de reter a vida no sofrimento. Ele escreveu que o suplício repousa na arte quantitativa do sofrimento; o suplício faz correlacionar o tipo de ferimento, a qualidade, a intensidade, o tempo dos sofrimentos com a gravidade do crime, a pessoa do criminoso, o nível social de suas vítimas. Foucault não fala em gênero, mas o diálogo entre essa reflexão e a misoginia é possível quando a associamos aos ataques proferidos contra Patrícia Arce. O suplício a que foi submetida contou com a sujeira do corpo da mulher e com o corte de cabelo, “penas” aplicadas à acusada por ser mulher. Como as bruxas que eram desnudadas, depiladas e perfuradas diante dos homens.

O sofrimento faz parte da penalidade imposta às mulheres vítimas de ataques de misoginia desde o século XVI. É como se fosse uma etapa pré-morte. Também sem abordar o gênero, mas com uma associação possível, o antropólogo árabe Talal Asad analisa o sofrimento e a dor dos corpos no contexto da colonização europeia mundo afora que nos faz refletir sobre a normalização de ataques como o sofrido por Patrícia Arce e por milhares de mulheres. Ele afirma que somos inclinados a pensar que, ao menos em sociedades em vias de humanização – ele se refere aqui aos povos colonizados pelos europeus, que só consideravam humanizadas as sociedades já colonizadas – uma variedade cada vez maior de dores infligidas tende a ser considerada inaceitável com o passar do tempo. Entretanto, prossegue, em alguns casos, o comportamento que já foi chocante por causar dor pode não mais sê-lo. Como exemplos, cita as prisões: quando mais e mais pessoas são colocadas nas celas, o sofrimento a que são submetidas passa a ser outro, é como se o grau pudesse ser aumentado; também, durante as guerras, há a imposição de formas crescentes de sofrimento nos campos de batalha. Uma hipótese de dedução: quanto mais se sofre, mais o sofrimento é normalizado.

Portanto, é urgente a atenção para a normalização – ou até para a normatização, já que, em muitos casos, o próprio estado é o agente da crueldade – do sofrimento das mulheres diante das mais diversas situações de misoginia. Associar a cena a que foi submetida Patrícia Arce aos suplícios a que eram submetidas as mulheres condenadas como bruxas é uma forma de alerta para o risco que o patriarcado e o capitalismo representam às várias gerações de mulheres.

***

Lídice Leão é jornalista, articulista do Jornal do Brasil, mestranda em Psicologia Social na USP e integrante do LAPSO – Laboratório de Estudos em Psicanálise e Psicologia Social do Instituto de Psicologia da USP.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.