O rastro de destruição deixado por transnacionais na América Latina

O que a luta por justiça na Amazônia equatoriana tem a ver com os movimentos por justiça ambiental e direitos humanos no Brasil? Em artigo, Diana Aguiar, da FASE, responde a essa questão apontando para a impunidade de empresas em todo continente

Por Diana Aguiar¹, na FASE.

O crime da Samarco/Vale/BHP na bacia do Rio Doce, que teve seu estopim no rompimento da bacia de rejeitos de mineração em Mariana (MG) em 5 de novembro de 2015, sem lugar a dúvidas, se somou ao rol dos maiores crimes ambientais dos últimos 50 anos, juntando-se aos da Chevron na Amazônia equatoriana, da Shell no território Ogoni, na Nigéria, dentre outros. E, assim como no caso desses outros crimes emblemáticos causados pelas operações de transnacionais, a resolução do caos gerado, a reparação ao meio ambiente e a necessidade de acesso à justiça para os povos atingidos está longe de encontrar um desfecho razoavelmente digno.

Após desastres como estes, onde vidas e territórios são devastados, a reparação plena não é um horizonte possível. Em todos esses casos, são gritantes os maus-tratos às vítimas, a impunidade das empresas e o não estabelecimento de marcos que visem a evitar a repetição de crimes similares. Se o tempo não dá marcha a ré, olhar no retrovisor de forma detida e cuidadosa deveria garantir o papel da memória em inspirar o sentido futuro dos sistemas de Justiça.

Tendo em vista esta tarefa, e diante da falência dos sistemas de justiça de diversos países de fazer frenteaos crimes e violações em seus territórios, organizações comunitárias, movimentos sociais e articulações de atingidas e atingidos têm documentado casos para sistematizar o aprendizado das resistências. Ainda que a maior parte dos casos permaneça invisibilizada e seja constantemente naturalizada, a experiência mostra similaridades aterradoras no modus operandi de grandes empresas, dos Estados e da Justiça.

Durante três audiências (Viena em 2006, Lima em 2008 e Madrid em 2010), o Tribunal Permanente dos Povos (TPP) ouviu 48 casos de violações de direitos humanos e dos povos, perpetrados por transnacionais na América Latina. O veredito final aponta para: o caráter sistemático destas violações; a repetição de padrões das operações violadoras de direitos; a persistência da impunidade; a tolerância e cumplicidade dos Estados sede das empresas investidoras e dos Estados receptores dos investimentos; o papel das estratégias de responsabilidade social das empresas em dotá-las de uma fachada de legitimidade; e a interdependência e o tráfico de influência entre os setores público e privado, que geram uma aliança que tem se traduzido, ao longo dos anos, em uma verdadeira arquitetura institucional da impunidade.

Esta arquitetura da impunidade se assenta não somente sobre a assimetria de poder entre as grandes empresas e os povos que resistem e sofrem as espoliações causadas por megaprojetos de investimento, mas também sobre a assimetria de poder entre essas empresas e muitos Estados receptores de investimentos². Uma arquitetura que possibilita e favorece a injustiça sistêmica, a continuidade dos padrões observados nos casos apresentados e a certeza de impunidade por parte das empresas.

Nesse contexto, a judicialização frequente dos conflitos ambientais, ao invés de demonstrar a pujança de um sistema de Justiça, é antes um sintoma de que as violações de direitos são cada vez mais inerentes à atuação das empresas nos territórios e de que o Estado, em suas diferentes instâncias, tem sido frequentemente cúmplice – por omissão ou ação – dessas violações.

Não à toa, a luta por justiça dos 30 mil atingidos e atingidas pela Chevron na Amazônia equatoriana se tornou uma referência para movimentos sociais de justiça ambiental e de direitos humanos. Enfrentar uma batalha jurídica contra uma gigante petroleira é uma tarefa hercúlea. Mais ainda, fazê-lo ao longo de duas décadas mantendo a coesão comunitária e a firmeza de propósito, mesmo com todas as perseguições e tentativas de difamação por parte da empresa, é algo digno da admiração que a União de Atingidos e Atingidas pela Petroleira Texaco (UDAPT) tem despertado ao redor do mundo. Apesar deste ser o caso mais grave e emblemático da atuação da Chevron, a resistência à petroleira já demonstrou que suas características expressam um modo de operar da empresa³.

Ao longo de quase 30 anos de operação no Equador, a Texaco (atual Chevron) utilizou tecnologia então obsoleta para a extração de petróleo e tratamento dos resíduos, derramando 60 bilhões de litros de rejeitos tóxicos de petróleo em cerca de 1000 “piscinas”, que contaminaram um total de 480 mil hectares de floresta amazônica. A UDAPT, depois de um litígio iniciado nos anos 90 em cortes estadunidenses e depois equatorianas, obteve uma decisão favorável às vítimas, que determinou o pagamento pela empresa de 9,5 bilhões de dólares a um fundo de reparação ambiental a ser gerido pela população atingida. Desde então, a empresa tem dedicado uma soma enorme de recursos em advogados, lobby, propaganda e perseguições para evitar pagar a reparação. Como não existem mais ativos da Chevron no Equador, a UDAPT decidiu buscar a homologação da sentença em outros países.

Um destes países é o Brasil. O caso encontra-se em avaliação no Superior Tribunal de Justiça (STJ). O sistema de Justiça brasileiro tem a oportunidade histórica de fazer valer a justiça para os 30 mil atingidos e atingidas da Amazônia e abrir um importante precedente para as vítimas de crimes socioambientais, que buscam um amparo legal para as violações que sofreram. Ao participar do Tribunal dos Direitos da Natureza durante a COP 21 em Paris, em dezembro de 2015, Pablo Fajardo, advogado da UDAPT,  ele mesmo originário da região atingida, fez comovida referência ao crime ambiental da Samarco/Vale/BHP na bacia do Rio Doce no Brasil, ocorrido um mês antes da realização do evento. Pablo e a UDAPT, além de serem importantes referências na luta global por justiça diante da impunidade corporativa, têm atuado em solidariedade com outras comunidades atingidas que enfrentam crimes ambientais e violações cometidas pelas empresas.

No aniversário de um ano do crime socioambiental da Samarco/Vale/BHP, Robinson Yumbo, presidente da nacionalidade indígena Cofan, uma das cinco nacionalidades atingidas pela Chevron na Amazônia equatoriana, compôs a delegação da Articulação Internacional de Atingidos e Atingidas pela Vale em uma Marcha e Encontro dos Atingidos que percorreu toda a Bacia do Rio Doce, de Regência (ES) a Mariana (MG), em solidariedade aos atingidos pela Samarco/Vale/BHP. Essa atividade, assim como outras, têm demonstrado que  o desmantelamento da arquitetura da impunidade que favorece as empresas é uma luta que une a todas as vítimas de violações e crimes corporativos e aos povos resistindo a megaprojetos espoliadores em todo o planeta. É embebido deste espírito que a UDAPT – juntamente com a FASE e mais de 200 movimentos, redes e organizações de todo o mundo – compõem o esforço coletivo da Campanha Global para Desmantelar o Poder Corporativo e Parar a Impunidade.

Notas:

[1] Edição de artigo de Diana Aguiar, integrante do Grupo Nacional de Assessoria (GNA) da FASE. O texto original foi publicado pela Fundação Rosa Luxemburgo Brasil no boletim Ponto de Debate junto a a outro elaborado por Pablo Fajardo, da UDAPT.

[2] Das 100 maiores economias do planeta, 59 são países e 41 são empresas transnacionais. Diversas empresas são maiores do que a economia de países, que muitas vezes escolhem flexibilizar legislações ambientais, trabalhistas e sociais e mecanismos de proteção de suas populações em nome da atração de investimentos. Fonte: Planeta Tierra: un Mundo Corporativo, em TransnationalInstitute: Estado del Poder, 2012.

[3] A Planet in Danger: the World of Chevron (EjaAtlas).

Imagem: Chevron contaminou floresta no Equador. (Foto: Vermelho/Reprod)

O rastro de destruição deixado por transnacionais na América Latina

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.