Cinderela recebe amigos e amigas de outros contos na FNSL

Foto: Elissandro Santana

Por Elissandro Santana, para Desacato.info.

Lá estava em minha práxis na Faculdade Nossa Senhora de Lourdes ontem à noite, aos 12 dias do corrente mês e ano, que poderia ser somente mais um dos encontros rotineiros de construção do saber-sabor literário, quando, de repente, pronto para retornar ao meu lar odisseico felino, fui convidado pela Diretora da Instituição – Ana Joaquina – profissional movida à poesia, para uma apresentação teatral do componente curricular de Matemática: conteúdo e método, de Pedagogia III.

Ao chegar ao recinto, todo colorido e festivo, de imediato, encantei-me, em sentido lato sensu, com toda a estética do espaço. Dos adornos da sala, o tapete vermelho dava suntuosidade ao evento e as crianças ao fundo se mostravam curiosas, sorridentes. Um lócus todo enfeitado e vivaz. Teatro improvisado acalentador. Não havia dúvida de que ali a Literatura seria o chamariz, mas não seria somente isso…

Na primeira fileira de cadeiras, nada proposital, sentei-me ao lado da amante poética de Pessoa e da Professora da disciplina – Maiana Santos Araújo Miranda (que a partir de ontem, deixou de ser somente Mai para converter-se, como nos contos de fada, em Poética. Charles Perrault a chamaria assim, não tenho dúvida!).

De repente, Poética se levantou e foi à frente para mencionar que daquele momento em diante a turma se apresentaria. Em seguida, sentou-se, tranquila, silente, compenetrada, engajada, observadora e com os olhos brilhantes como de estrelas em noite sem lua, processando o feito catártico. A literatura a estava invadindo, tomando…

A apresentação começou…

Cinderela entrou radiante para esperar os/as amigos/as de outros contos. Eloquente, recebeu, aprazivelmente, a todos/as os/as amigos/as, do lobo de Chapeuzinho, à Bela e à Fera, dentre outros/as.

O mais instigante é que na tertúlia poética da festinha a Matemática se materializou semântico-semiótico-semiologicamente em cada discurso e presente regalado cenicamente à anfitriã literária. Tudo isso de forma lúdica. Matemática e ludicidade à luz da Literatura fazendo-me recordar de uma das máximas Bartheanas, de que além de comportar muitos saberes, a literatura os faz girar, não fixa e não fetichiza nenhum deles; ela lhes dá um lugar indireto e esse indireto é precioso.

À medida que a festa de Cinderela seguia, rememorei discursivas tecidas em Literatura Infanto-Juvenil, disciplina com a qual brinquei, ensinei e aprendi neste semestre com meus/minhas companheiros/as de aprendizagem em Pedagogia V.

Em cada instante, naquele salão festivo, transcendi literariamente enxergando nas faces de cada discente que ressignificava a contologia e na prática docente da menina poética em forma de professora em Pedagogia III, a querida Mai, vozes de tantos pensadores e pensadoras da Teoria Literária, da Sociologia Literária de Cândido, da Aula de Barthes, dos pensamentos de Propp, das teorizações de Todorov, da Psicanálise dos contos, de outras tantas teorias e hipóteses. Todos eles, sem dúvida, felizes no além-literário com a Literatura, na prática docente, comportando saberes em Matemática por meio do recurso lúdico didático.

No festim de Cinderela e convidados/as, teóricos/as da Literatura e de outros campos se materializaram de tal forma que a interdisciplinaridade se fez presente e em minha inquietude catártica contemplei a teoria saindo da inércia para a práxis.

Em meio a tudo, lembrei-me de um artigo da pesquisadora Maria do Socorro Pinheiro, no qual aprendi que “o desafio de uma educação integradora das potencialidades humanas visa à necessidade de relacionar outras áreas do conhecimento, para que juntas possam atender as exigências de um novo mundo, que se desponta com aparatos tecnológicos sofisticados e evoluídos. Não se pode educar isoladamente. Precisamos de todas as áreas de conhecimento para pensar numa educação que forme uma cidadania planetária. Como educar visando a capacidade humana do entendimento sem desenvolver a sensibilidade poética? Que tipo de educação pode intervir na construção de sujeitos reflexivos e atuantes no processo social e humano? São questões que nos levam a pensar, sobretudo nós educadores, que nos responsabilizamos pela formação de sujeitos”.

Mai e seus peripatéticos trouxeram os interstícios que muitos pensam ser irrealizáveis – o casamento entre a Matemática e a Ludicidade sob a égide e baliza da Literatura. Um triângulo e tanto!

Por fim, com a Poética de Mai e de toda a turminha, meninas e meninos encantados/as e encantadores/as, fui, obrigatoriamente e prazerosamente, levado a Ítalo Calvino para recapitular que a confiança no futuro da literatura consiste em saber que há coisas que só ela, com seus meios específicos, consegue fornecer e, mais importante que isso, que o clássico não morreu, podendo ser revisitado e ressignificar até mesmo debates e discussões em outras áreas que, aparentemente, são tão díspares!

Elissandro SantanaElissandro Santana é professor da Faculdade Nossa Senhora de Lourdes e do Evolução Centro Educacional, membro do Grupo de Estudos da Teoria da Dependência – GETD, coordenado pela Professora Doutora Luisa Maria Nunes de Moura e Silva, revisor da Revista Latinoamérica, membro do Conselho Editorial da Revista Letrando, colunista da área socioambiental, latino-americanicista e tradutor do Portal Desacato.

2 COMENTÁRIOS

  1. Caríssima professora Maiana, ou educadora poética, a sensibilidade de quem escreve também vem de fatores externos e, no caso em questão, o evento de Pedagogia III foi o chamariz para aflorar a minha tecitura do sensível.

  2. Encantador!
    Suas palavras me permitem sentir novamente a emoção de ontem, dia da apresentação. É maravilhoso quando o escritor, sensivelmente, promove este encontro entre o leitor e suas emoções! Obrigada, Elissandro! ??????

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.