O melhor de Vinícius de Moraes


Por Luciane Recieri.

Uma garantia para se viver um grande amor é ganhar um livro do Vinícius. Quando se ganha uma antologia dessas, se prepare.

Já tive o prazer-privilégio de quase ter um desses, mas não virou grande amor. Tenho minhas teorias de gata escaldada pra estes fins e, uma de minhas prediletas é a de que só não virou grande amor porque li e doei à biblioteca municipal, talvez se tivesse lido e guardado à sete chaves… Achava que era suficiente aprender com o poetinha, tentar copiar seu estilo, mas não consegui e até hoje não tenho estilo algum, tampouco aprendi a entrar e sair destas dores de amor com aquela alma lavada de Vinícius. Só sei que acabou e o “muso” que me dera o dito livro foi pra França, Bélgica, depois fui perdendo as contas de tantos lugares.
As cartas trocadas como prova destas amizades bobas que se tenta cultivar depois que acaba o amor voltaram, outras foram para meu antigo endereço, só sei que perdemos o contato, mas foi num dia destes que o reencontrei numa destas friezas que são as redes sociais. Falamos sobre comida e ele, como bom brasileiro quase expatriado, disse da saudade do arroz-com-feijão, do pão-de-queijo, do bolo de fubá. Depois Agatha Christie, a primeira literatura estrangeira que jovens daqueles tempos lia. Não eram mais as cartas escritas à tinta azul e longamente esperadas no portão, eram mensagens instantâneas.
Será que algum dia ainda ganharei outro Vinícius, mesmo que seja em PDF?
Sigo aqui; ele lá na ilha que olhando por trás deste mundo nem é tão longe assim. Talvez nunca mais veja o Luigi, primeiro romance, primeiro namorado de pegar na mão, mas posso dizer do amor que tive – que não foi eterno posto que era chama, mas que foi infinito enquanto durou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.