O mais antigo dicionário africano Bantú em 1651, Kikongo-Latim-Espanhol

dic

Este artigo consiste em quatro seções. A primeira seção apresenta um grande intelectual moderno Africano, o falecido “Ne-Kongo” ou simplesmente o “Kongo” Mbuta Manuel Roboredo  e o co-autor principal Do Mais Antigo Dicionário Bantu do Mundo publicado em 1651 em três línguas: Kikongo – Latin – Espanhol.

Manuel Roboredo não teve tanta sorte como o seu compatriota Mbuta Nlemvo e sua equipa de pesquisa, cuja contribuição foi reconhecida pelos Missionários Batistas – Anglo-Saxões (ver minha postagem: dicionário, gramática e sintaxe de Kikongo publicado pela primeira vez em 1887 e a segunda edição em1895).

Vale a pena notar que Mbuta Nlemvo e o dicionário dos Missionários Batistas
Anglo-Saxões foi um dicionário bilingue: Kikongo – Inglês.

Por Eduardo Nsimba.*

Vamos dar crédito científico ao Mbuta Manuel Roboredo e muito obrigado também aos pesquisadores da Universidade de Boston (EUA) e da Universidade de Ghent (Bélgica), por suas pesquisas e descobertas sólidas que têm facilitado a reabilitação de Roboredo, Manuel.

O dicionário do Mbuta Manuel Roboredopermaneceu desconhecido durante séculos por causa de uma trama sórdida e burlesca que fez o seu manuscrito desaparecer ao longo dos séculos , embora que antecedeu os dicionários da Era de Iluminismo (1650-1700) : o francês Jacques Savary des Brûlons ” Dictionnaire Universel de comérce ( 1723 ) ( Dicionário Universal do comércio ); do Dictionnaire Universel de Trévoux, Français et latin (1704) também conhecido como le Dictionnaire de Trévoux ( 1732 ) (The Dictonary of Trevoux ); le Dictionnaire Philosophique de Voltaire ( 1764 ) ( O Dicionário Filosófico de Voltaire ) “Esses dicionários contêm provérbios , retórica e narrativa fundamentalmente racista e anti-Semita.

Por exemplo, em Essai de Voltaire sur les moeurs . “, que é na verdade uma extensão de seu dicionário, lê-se o seguinte: “Pode se considerar os Judeus , da mesma forma como consideramos os negros , como sub-humanos ” Da mesma forma, Montesquieu não pensou menos em seus artigos inflamatórios em 1720.

No entanto, não se pode suprimir a verdade para sempre. Uma pesquisa recente mostra que “o mais antigo dicionário em línguas Bantú: Vocabularium P. Georgii Genensis. Leuven J. Kuyl-Otto “, publicado por Van Wing, Joseph Constante e C. Penders (editado e traduzido.) em 1928 era uma cópia do manuscrito escrito por Manuel Roboredo  e padres Capuchinhos.

Pesquisadores da Boston University (Boston, EUA ) realizaram extensa pesquisa que levou-os a concluir que: Van Wing, Joseph e C. Penders eram praticamente plagiadores que tinha intencionalmente omitido o nome de Manuel Roboredo como o principal autor do dicionário.

Da mesma forma, a pesquisa realizada por Jasper Kind, da Universidade de Ghent (Bélgica) chegaram à mesma conclusão (ver Seção I: Reabilitação póstuma do Manuel Roboredo).

Os Provérbios em Kikongo são chamados de “Bingana” e este último tinha sido usado por Ne-Kongo, desde a criação do Reino do Kongo. Bingana são indissociáveis para Ne-Kongo como molhada a água. Eles são parte da vida cotidiana do Kongo.; eles afetam e enriquecem o vocabulário cotidiano;. além disso, eles inspiram, formam estratégias de resistência cultural sólidas, estimulam a determinação e perseverança do povo Kongo e são, sem dúvida, a pedra angular da sabedoria Kongo. Neste sentido, o livro de Mbuta Emanuel Kunzika não só é útil para Ne-Kongo mas também a «todos» os Africanos e do mundo (ver seção II: Dicionário de Provérbios Kikongo).

Embora os Ne-Kongo foram arrancados de sua terra ancestral e dispersos por todo o mundo através do comércio ilegal de escravos, no entanto, a sua contribuição significativa para a sua nova pátria (América do Norte, América Latina, Caribe e Ásia) é bem documentada.

Infelizmente, é tantas vezes desconsiderada. É por esta razão que Mbuta Jesus Alberto Garcia aceitou o desafio de pôr um fim a esta injustiça de longa data. Seus dez anos de pesquisa culminou em um livro que é uma referência hoje: «The Diáspora los Kongo en las Américas y los Caraíbas »(A Diáspora dos Kongo para as Américas e do Caribe). Ele enumera as diferentes contribuições que são do Kongo na Diáspora (ver Secção III: As contribuições de Ne-Kongo para o país de acolhimento).

Por preguiça intelectual e mental ou simplesmente ignorância, muitos africanos repetem chavões frívolas de alguns Mindele racistas (homens brancos em Kikongo) que afirmam que as línguas Africanas têm um vocabulário muito limitado, inadequado para o ensino científico.

Má sorte para eles, as obras (o trabalho) do Mbuta Nlemvo (com sua equipa) e os missionários Batistas Anglo-Saxões são uma refutação mordaz de tudo isso (ver Secção IV: língua Kikongo e disciplinas científicas).

Os pesquisadores da Universidade de Boston publicaram um estudo, “Manuel Roboredo, o sermão Kikongo.” Por sua parte, não em paralelo, mas em uma série – Jasper de Kind e a sua equipa de pesquisa da Universidade de Ghent (Bélgica), anunciaram um ambicioso projecto de investigação: ” The Oldest Bantu Dictionary: Digitalization and Future Historical Research on Kikongo.” “O Mais Antigo Dicionário Bantú: Digitalização e a Futura Pesquisa Histórica sobre o Kikongo.”

Vale lembrar que a Universidade de Ghent é conhecida pela sua investigação confiável e séria que é valorizada internacionalmente. Há quatro anos a Universidade de Ghent permanece a única universidade Belga no top 100 melhores universidades do mundo. Este ano, 2013, a Universidade de Ghent melhorou sua pontuação: classificação 85 da Shanghai Jiao Tong University. As outras três universidades de topo na Bélgica (KU Leuven, Universidade Católica de Louvain, Universidade Livre de Bruxelas) estão no Top 200 (ver a minha postagem: World Ranking 2013 : The Anglo -Saxon universities crush others – As Universidades Anglo -Saxões esmagam outras).

A Universidade de Boston, a Universidade de Ghent, bem como outros pesquisadores estão tentando responder a uma pergunta que é ao mesmo tempo simples e complexa: quem é ou são os autores do primeiro Dicionário Bantú (A questão da autoria)?

Em 1912 , um padre Belga Frédégand Callaey anunciou a descoberta do dicionário Espanhol – Kikongo – Latim da segunda metade do século 17 na biblioteca de Vittorio Emmanuel de Roma ( Biblioteca Nazionale Centrale) . O dicionário não é assinado . No entanto, as duas últimas páginas contêm a escrita de Gheel Joris van, um padre Capuchinho Flamengo .

Existe um problema . Joris van Gheel chegou ao Reino do Kongo em junho 1651 e faleceu em 17 de dezembro 1652. Os pesquisadores da Universidade de Boston, da Universidade de Ghent e muitos outros dizem que era impossível para Joris van Gheel dominar a língua Kikongo, compilar os dados e escrever um dicionário de 10.000 palavras em tão pouco tempo.

Ele deve ter copiado um dicionário que já existia. No entanto, em 1928 , o Jesuíta Joseph Wing e C. van Penders publicaram o mais antigo dicionário bantú em Francês e Flamengo e se referiam apenas a Joris van Gheel .

Surpreendentemente, o manuscrito do mais antigo Dicionário Bantú co-autoria de Manuel Roboredo  e padres Capuchinhos tinham desaparecido, mas como, inesperadamente, ele foi encontrado em Roma?

Recordemos alguns parágrafos da Universidade de Boston:

«… Uma pesquisa mais recente favorece um padre Kongolês chamado Manuel Roboredo trabalhando a pedido de e em colaboração com um número de Espanhóis e Italianos padres Capuchinhos …. Sem dúvida, seus métodos tinham sido; pedir a seu parceiro Kongolês, Roboredo, de fornecer equivalentes em Kikongo para cada palavra no dicionário, sem dúvida, uma tarefa facilitada pelo fato de que Roboredo falava Latim e Português … Se os Capuchinhos não confiavam nos intérpretes, obviamente que confiaram em Roboredo, que era um membro da elite espiritual, social e intelectual do Kongo.

Ele era um nobre, o filho de um nobre Português chamado Tomas Roboredo e D. Eva, irmã do Rei Álvaro V. do Kongo, [14] e, além disso, ele não era um intérprete, mas um padre, ordenado em 1637. Sua educação nas escolas Kongolesas locais incluiu o estudo do Latim e Português, no qual ele foi considerado especialista. 

Essas escolas locais foram bastante adequadas para o trabalho linguístico, quando os Capuchinhos chegaram e começaram a ensinar nessas escolas eles eram capazes de oferecer cursos avançados de gramática e teologia imediatamente ….. Não só os Capuchinhos considerar Roboredo seu salvador na frente linguística e um homem de mérito, mas também aceitaram-o como um colega …. Na verdade, pode-se argumentar que Roboredo foi o principal autor do sermão, bem como a outros (infelizmente perdidos) textos Kikongo a que se refere de Teruel …..

Claramente, apesar de possuirmos apenas um conhecimento tão rudimentar da educação da elite Kongolesa, eles eram hábeis em idiomas e considerados competentes por padres Europeus em estudos superiores, também. Nascidos e educados localmente, Kongoleses desempenharam um papel importante no trabalho linguístico, desde os primeiros dias da igreja em Kongo, começando com o Rei Afonso I de estudo teológico no início do século XVI.”

Os poucos parágrafos acima do estudo da Universidade de Boston são claros e inequívocos.

Estudos recentes favorecem o sacerdote Ne-Kongo Manuel Roboredo, que era considerado pelos padres Capuchinhos Espanhóis e Italianos como linguística distinta, tanto em Latim e Italiano. Ele não era apenas um membro da aristocracia Kongo, mas também um membro pleno da elite espiritual e social do Reino do Kongo. Mbuta Manuel Roboredo era o filho de um nobre Português Tomas Roboredo e D. Eva, irmã do Rei do Kongo Mpanzu-a-Nimi Álvaro V. (27 de fevereiro de 1636 – 14 de Aug. 1636-1638?) da dinastia Mpanzu. Ele foi duplamente um nobre: por seu pai e do casamento para ele foi enobrecido pelo rei Alvaro V.
Manuel Roboredo foi educado em escolas Kongo e seu estudo incluiu cursos ambos em Latim e Português.

A conclusão da pesquisa da Universidade de Boston destaca três importantes observações. Em primeiro lugar, colégios (escolas) que educaram a elite política, social e econômica do Kongo tinham de fato existido no Reino do Kongo. Além de Manuel Roboredo, a pesquisa da Universidade de Boston, dá o exemplo de Miguel de Castro, um membro da elite Kongo que completou os seus estudos em escolas locais, em 1643 e mais tarde tornou-se embaixador do Reino do Kongo no Brasil. Ele também foi muito hábil na poesia. Ele escreveu uma coleção de poemas em latim. Além disso, o vocabulário da língua Kikongo era tão rico que acomodou muito facilmente outros idiomas durante traduções.

Por fim, o Reino do Kongo tinha acordos de cooperação com países Ocidentais. Se uma grande parte da elite Kongo falava várias línguas da Europa Ocidental, tiveram que aprender essas línguas de falantes nativos que tinham o domínio das línguas.

Padres Capuchinhos desempenharam um significativo e papel determinante na disseminação de línguas Ocidentais, especialmente no Reino do Kongo. José de Antequera, Bonaventura da Sardegna, José Francisco de Pernambuco e Francisco de Veas, constituíram uma equipa de investigação sólida com Manuel Roboredo. O diretor de pesquisa José de Antequera morreu em Mbanza Kongo, a capital do Reino do Kongo, situada hoje em dia em Angola. Bonaventura da Sardegna assumiu a liderança do projeto e com o consentimento de toda a equipa, Manuel Roboredo tornou-se co-diretor do projeto com uma grande responsabilidade: coordenar todas as entradas e produzir o manuscrito do mais antigo dicionário bantú em três línguas: Kikongo , Espanhois e Latim.

Para acessar a conclusão do estudo, da Universidade de Boston, por favor clique neste link: http://www.bu.edu/afam/faculty/john-thornton/roboredo-kikongo-sermon/
Traduzido de Inglês para Português por: The Bakongo Research Institute

Fonte: Geledés

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.