O crime do Ocidente

Por Carlos Henrique Pianta da Silva.

Depois da criminosa opressão Yankee contra os cidadãos da Palestina, do Afeganistão, do Iraque, das regras xenófobas inglesas e do holocausto alemão; mais um golpe contra os “não-cristãos” foi realizado por uma das potências do Império Ocidental.

No dia 13 de julho de 2010, terça-feira, a França presenteou a população mulçumana que vive naquele país. Num ato claro de xenofobia típica da soberba daquela região, o parlamento francês votou e aprovou a proibição do uso, espontâneo ou não, da burca e do niqab. Burca e niqab são os mantos que cobrem a face e o corpo das mulheres, usado habitualmente na religião mulçumana. Coincidentemente a decisão foi tomada um dia antes do Dia da Liberdade de Pensamento (14 de julho). E a partir de agora o Islamismo, na França, só existe em pensamento.

Após essa infeliz decisão, todas as mulheres que estiverem em lugares públicos cobertas pela burca ou pelo niqab serão obrigadas a pagar uma multa de 150 euros. A multa para o homem, ou mulher que obrigar uma pessoa a usar essa vestimenta é de 30 mil euros. É claro que num país laico uma pessoa não pode obrigar a outra a seguir costumes religiosos, todavia, é mais claro ainda que numa “democracia” todas as pessoas têm direito de se expressar livremente.

A França é a responsável pela colonização de diversos países na América, Ásia e África. Uma das mais importantes ex-colônias francesas é a africana e mulçumana Argélia. Sim, a Argélia é mais do que um dos países que jogaram a Copa do Mundo de 2010. Durante os anos 70, a Argélia foi o destino de diversos de brasileiros que foram expulsos do país pela ditadura militar.

Desde a colonização daquele país os argelinos são perseguidos pelos franceses. Até os dias de hoje, há na França uma inexplicável e injusta discriminação contra os ex-colonos que lá habitam. Essa decisão do parlamento francês vem a contribuir com a xenofobia e com a discriminação não só contra os argelinos, mas contra todos os mulçumanos que escolheram a França como seu novo lar. A incrível decisão vai de encontro a não menos do que OITO artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos (I, II, V, VII, XII, XVIII, XIX e XXX).

O mundo ocidental passou séculos criticando a falta de liberdade do lado oriental e o impedimento da livre manifestação religiosa. O Ocidente cansou de criticar o Oriente pelo radicalismo e pelo fanatismo. Mas o que o Governo francês declarou no dia 13, foi a criminalização fanática e radical da manifestação da cultura Islâmica. Proibir o uso espontâneo da burca para os mulçumanos é como proibir o Kippot para os judeus, o crucifixo para os cristãos, ou pior, proibir um francês de usar de sua lamentável e mundialmente reconhecida arrogância.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorSíndrome de Israel
Próximo artigoPô, já é oficial!

1 COMENTÁRIO

  1. Carlos,

    As pessoas deveriam respeitar e compreender as Etnias e enxergar o seu próprio rabo antes de tomar quaisquer decisões. Neste mundo globalizado em que estamos vivendo é fundamental ter esta compreensão onde a cultura faz parte da história de cada grupo étnico. Respeitar para ser respeitado!

    Belo texto!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.