O canto de Andrea dos Santos em “Aindê – Cantos de Caminhos”

Andrea dos Santos é daquelas artistas com presença cênica tamanha que, quando vamos ao seu disco, há sempre o temor de que não corresponda. Qual nada. A cantora, compositora e fundadora da lendária banda brasiliense, Casa de Farinha, se lançou em 2015 à carreira solo e, de lá pra cá, tudo o que tem gravado é digno da sua majestade no palco.

Conforme o seu próprio material conta, ela é filha de pai pernambucano, do sertão de Xucuru, e mãe capixaba do litoral. Por conta de tantos caminhos, acabou se apaixonando pela cultura popular e tradicional brasileira, visitou aldeias, vilarejos e festas populares em vários estados do país.

O resultado é um som vigoroso, brasileiro, contemporâneo, moderno e repleto de surpresas e sensações de pertencimento, reconhecimento e autoconhecimento. Sua nova aventura é um EP que atende pelo nome de “Aindê – Cantos de Caminhos” e traz seis canções, todas de sua autoria, sendo quatro em parceria com André Abujamra, que também é o produtor do álbum.

Andrea dos Santos. Foto: Facebook

Abujamra acerta duas vezes na maneira como “vestiu” a música e a voz de Andrea. A primeira delas é em preservar tudo o que a cantora já traz em si. Consegue uma tradução perfeita de sua música. A segunda, e mais importante, é conseguir – e isso também veio de certa forma com a cantora – unir ancestralidade e modernidade, tambores e sons processados, simplicidade e arrojo.

As canções de Andrea são bonitas, claras, diretas. A sua voz é forte, afinada, bonita. Os sons envolvem o ouvinte logo de cara. “Canto I”, baseada em refrão de domínio público, traz o canto de Andrea multiplicado em diversas vozes e o tambor do Ogan. Um canto de anunciação.

Andrea dos Santos. Foto: Facebook

Logo em seguida, em um dos momentos mais significativos e belos do álbum, a canção “Marejô” dá o tom da sua sonoridade. Um pequeno canto em duas partes ganha, à medida em que se repete, contracantos de um coral infantil. O instrumental, com efeitos, tambores e teclado, tem frases de saxofone e uma rica e inesperada linha de contrabaixo. Andréia domina a condução quase como um canto de trabalho.

Logo a seguir, a canção título “Aindê”, outra em parceria com Abujamra, ganha a mesma expressão e formação instrumental da anterior. A melodia, quase um refrão sobre uma bela letra, provoca a sensação de movimento circular. Mais uma vez a cantora salta à frente de tudo sem deixar pra trás a noção do todo.

Andrea dos Santos. Foto: Facebook

“Hora Certa” é a mais contemporânea de todas. Quase destoante, a levada caribenha brinca com a passagem do tempo e se repete em versos até desembocar em um refrão ponteado por guitarras. Excelente canção.

O giro de Andréia persiste e parece ir parar no Pará, em “Persiste”: “O tempo do amor é curto, mas é o mais longo que existe”. O parceiro e produtor André Abujamra participa na faixa que mais carrega nas suas cores, ou seja, que tem mais a sua cara.

Curtinho, o disco encerra com a reflexiva “Canto Lxi – Lamba”, onde apenas voz e piano apresentam melodia e letra. Também baseada em domínio público, a bela parceria com Abujamra conecta todos os pontos e faz a gente querer voltar pro começo.

“Aindê – Cantos de Caminhos” é impecável do começo ao fim.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.