Nova lei obriga estudantes das Filipinas a plantarem ao menos dez árvores para poderem se formar

Vale para todos: desde os pequenos do Ensino Fundamental até os formandos da universidade. A partir de agora, para receber o diploma em cada etapa da vida escolar, estudantes das Filipinas vão ter que provar que plantaram, no mínimo, dez árvores ao final de cada ciclo. Ou seja, quando chegarem à graduação, deixarão como legado ao meio ambiente do país 30 árvores.

Por  em Conexão Planeta. 

Aliás, é exatamente este o nome da lei que acaba de ser aprovada pelos parlamentares filipinos – Legado de Graduação para o Meio Ambiente.

“Com mais de 12 milhões de alunos se formando no Ensino Fundamental,  quase 5 milhões concluindo o Ensino Médio e cerca de 500 mil nas universidades todos os anos, essa iniciativa, se implementada adequadamente, garantirá que pelo menos 175 milhões de novas árvores sejam plantadas anualmente”, celebrou o autor do projeto, Gary Alejano.

Ainda segundo os cálculos do parlamentar, no curso de uma geração, nada menos que 525 bilhões de mudaspoderão ser plantadas com essa iniciativa.

O texto da lei determina que as árvores sejam colocadas em áreas florestais, manguezais e reservas protegidas, além de centros urbanos sob o plano de ‘esverdeamento’ das unidades do governo local e minas inativas e abandonadas.

A escolha das mudas deverá levar em conta a localização, clima e topografia da área e a preferência tem de ser dada às espécies arbóreas nativas.

A eficácia da nova legislação será garantida por diversos órgãos governamentais. O Departamento de Educação e a Comissão de Ensino Superior serão os órgãos executores, em parceria com o Departamento de Meio Ambiente e Recursos Naturais, o Departamento de Agricultura, o Departamento de Reforma Agrária e a Comissão Nacional de Povos Indígenas.

Juntos, eles deverão ficar responsáveis pela criação e manutenção de viveiros e produção de mudas, escolha de locais de cultivo, monitoramento e avaliação, assim como a fiscalização de que cada aluno cumpra a nova exigência.

O objetivo de Gari Alejano com a lei é não apenas estimular o reflorestamento das Filipinas, mas aumentar a absorção de dióxido de carbono e assim, diminuir os efeitos das mudanças climáticas (árvores absorvem CO2 da atmosfera), e também, levar a conscientização ambiental para as atuais e futuras gerações, e com isso, promover iniciativas similares daqui pra frente.

No século 20, a cobertura vegetal das Filipinas caiu de 70% para 20% devido, sobretudo, à extração ilegal de madeira.

*Com informações da CNN Filipina

Foto: domínio público/pixabay

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.