Nota do Movimento de Mulheres Camponesas em solidariedade às lutadoras e lutadores em greve de fome

As mulheres camponesas vêm prestar apoio e solidariedade aos lutadores e lutadoras do povo – Vilmar Pacífico, Jaime Amorim e Zonália Santos, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra  (MST); Frei Sérgio Görgen e Rafaela Alves, do Movimento dos Pequenos Agricultotes (MPA); e Luiz Gonzaga, da Central dos Movimentos Populares (CMP), que, desde o dia 31 de julho, iniciaram uma greve de fome em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela libertação do ex-presidente Lula. Há mais de 100 dias, Lula está preso sem provas por um judiciário que, aliado aos setores do golpe, segue tentando impedir a vontade popular de ter Lula como o próximo presidente do país.
Sabemos que a greve de fome é um instrumento de luta extremo e um ato de muita coragem, coragem esta que cada um de vocês, assumindo essa trincheira da greve, tem inspirando muitas pessoas pelo país a se somarem nas lutas pela democracia, por Lula Livre, por um Brasil soberano em que a fome não volte a ameaçar a população. Vocês representam a esperança de um Brasil justo, democrático, soberano e popular, em que a vontade do povo prevaleça.

Aliás, no governo Lula, o nosso país conseguiu sair do Mapa da Fome e é por esse país, livre da miséria e da fome, que ressaltamos a importância da luta dos companheiros e das companheiras que se doam e denunciam o que vem acontecendo depois do golpe, ao mesmo tempo em que anunciam que nosso único caminho é o da luta, da resistência, da solidariedade e esperança militante, aquela que nos aponta qual horizonte queremos e esse horizonte nos leva, conjuntamente, à vontade popular em eleger a maior liderança nacional: Luiz Inácio Lula da Silva.
Portanto, nós, mulheres camponesas, saudamos a ousadia de cada grevista e dizemos: Vocês, lutadores e lutadoras do povo, que arriscam suas vidas nessa greve de fome, serão por nós lembrados e, seus exemplos de luta, seguidos. Por denunciarem com seus próprios corpos o golpismo, a arbitrariedade do poder judiciário, da Globo e dos setores conservadores do país. Nesse sentido, reafirmamos nossa solidariedade aos companheiros e às companheiras pelo exemplo de luta em defesa da democracia e pelo direito de Lula ser candidato.
Coordenação Nacional do MMC
04 de agosto de 2018

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.